Carregando...
Moda

Pra eles: What it feels like for a boy

17.05.2012
Gui Poulain

Andando pelas ruas, nos idos de 6h30 da manhã, o shuffle me pegou numa música mais antiguinha da Madonna:

“Girls can wear jeans and cut their hair short, wear shorts and boots, cause it’s ok to be a boy. But for a boy, to look like a girl is degrading, cause you think that being a girl is degrading. But secretly you’d love to know what is like, wouldn’t you? What it feels like for a girl.”
(Garotas podem usar jeans e cortar o cabelo curto, usar shorts e botas, porque é ok ser um garoto. Mas para um garoto, parecer uma garota é degradante, porque você acha que ser uma garota é degradante. Mas secretamente você adoraria saber como é ser uma, não gostaria? Como se sente uma garota)

Me lembrei da comoção que foi o Marc Jacobs no último Met Gala porque estava com um vestido rendado. Se eu achei bonito, a resposta, nesse caso, é não. Mas me pergunto: E daí? Porque as pessoas precisam fazer disso um escândalo?

Algumas vezes escrevo alguns posts aqui no Chata e recebo alguns comentários como: “tal look é muito afeminado”, “não gostaria de ver me namorado usando isso”. Opinião é opinião, mas as questões são as seguintes: Por que os homens tem medo de usar certas roupas? Por que tem medo de parecerem menos másculos ou gays?

A resposta vai a fundo no comportamento, não é? Os homens parecem (e querem) ter um universo muito mais delimitado e menos livre para agir e parecer. Estão dentro daquilo: precisam reproduzir concepções de poder físico, de controle, virilidade, conquistas profissionais, papéis familiares patriarcais. E ponto. A moda gira em torno dessa mesma base e não tem muito onde criar. E é por isso que apesar de não ser o maior fã do Marc Jacobs, admiro o fato dele não ligar em andar de saias por aí.

Por que a gente não pode demonstrar tanta sensibilidade? Por que não podemos gostar de futebol e costura ao mesmo tempo? Que peso é viver nesse molde! Há homens ainda por aí, arrotando pelas ruas ou mesmo espancando gays pra mostrar que ainda sabem o que são. Mas sabem mesmo?

As pessoas se chocavam quando Coco Chanel ou Marlene Dietrich usavam calças lá nas décadas de 1920-1930. Hoje é tão comum as mulheres usarem calças… As mulheres viveram anos e anos fazendo revoluções feministas e os homens parecem continuar os mesmos que os pais, avós, bisavós…

As mulheres podem usar looks ‘boyish’, ternos, oxfords. Sinto falta dessa liberdade e também desse ‘quê’ de sonho que a moda feminina proporciona. E a moda sim demonstra muito do que a gente sente por dentro. Os homens precisam ser mais corajosos. E as mulheres precisam estar à altura desse novo homem, deixando de lado aquele ideal antigo de homem provedor. Não são as mulheres mesmo que querem ser independentes? No fundo, a gente se trava muito pelo medo do que vão pensar de nós. Continuamos na vida seguindo tradições que não fazem mais sentido hoje em dia. Estamos muito acomodados ao que a gente considera ser ‘normal’. Eu me sinto mais feliz quando expresso quem realmente sou, quando eu resolvi colocar pra fora aquela pessoa que eu gostaria de ser.
E quaisquer que sejam minhas escolhas, continuo sendo um homem. Mas posso dizer que sou um homem mais feliz e carregando menos peso nas costas, ao menos.

PS da Lu: Hoje, 17/05, é o Dia Mundial de Combate à Homofobia. Data mais do que adequada para essa reflexão do Gui, né?

54 Comentários  |  Deixar Comentários

Comentários:
  1. Mariana    17/05/2012 - 19h47

    Adorei o post!!!

    Falou tudo!!!

    Beeeeijos!

  2. Ce    17/05/2012 - 19h51

    A D O R E I !!
    Está mais do que na hora de cada um poder ser do jeito que deseja, sem constrangimentos e maiores explicações.
    O ato de se vestir é a liberdade de brincar e ser feliz.

    Chega de etiquetas: gay, piriguete, patricinha, perua……

  3. Gabriel Vasconcelos Araújo    17/05/2012 - 19h57

    Nossa amei o post! Como leitor assíduo daqui do Chata amei o post… e concordo plenamente com tudo… eu mesmo já fui visto com muitos olhos tortos por querer ousar um pouco em alguns looks… mas acho que o melhor é ignorar esses olhares ligar o FODA-SE e ser FELIZ! Abraços para o Gui e para alinda da Lu!

    • gpoulain    19/05/2012 - 07h20

      não se deixe intimidar! aos poucos as pessoas próximas vão se acostumar com seu estilo e aos poucos todo mundo começa a achar natural. :)

  4. Aline Nogueira    17/05/2012 - 20h01

    Adoro essa musica…

  5. Verônica    17/05/2012 - 20h02

    Um post especialmente legal aqui no Blog, parabéns!

  6. Mariana    17/05/2012 - 20h28

    o gui sempre brilha, seja aqui, seja no moldando afeto…

  7. CAROL    17/05/2012 - 20h30

    Adorei o post!!
    Estou postando looks aqui de Los Angeles e acessorios de verao:

    http://www.thegavlaks.com

  8. sandra portugal    17/05/2012 - 20h41

    Bem achei super adequada as suas colocações porém tenho algumas observações, ou até porque não dizer contestações/questionamentos:
    -acho que o antigo modelo do homem provedor já não existe mais há muito tempo, é só pesquisarmos sobre a quantidade de famílias aonde a mulher é a principal fonte de renda, ou até a única;
    as mulheres quiseram ser independentes e, pelas minhas observações, até exageraram na dose e, a minha geração, sofre bastante por ser a “geração sanduíche” dessa transformação;
    -e, pela minhas estatísticas, o fato do homem tem “deixado de ser o provedor” nessa fase histórica da vida, não o fez ser menos machista;
    -porém no que diz respeito à moda, aos cuidados com o corpo, as demonstrações de vaidade, as novas gerações masculinas sim são bem mais seguras de si, mas ainda assim muitos ainda exageram nos estereótipos do mundo masculino – modelos azuis tradicionais, etc.
    -Chanel com suas fotos usando calça comprida, para a época, remetia a uma mulher de verdade chamando atenção para sua ousadia;Ela foi pioneira em venda de calças compridas femininas, pois fabricava roupas de praia e de montaria.
    -as fotos dos modelos do post são extravagantes e de bom gosto; adorei as pulseiras e anéis, achei a foto mais normal, mais cotidiana;
    Desculpe se polemizei, mas quiz expressar o que senti com a matéria.
    bj Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    • gpoulain    19/05/2012 - 07h26

      claro, concordo que os homens já evoluíram. e que bom que trouxe assuntos à discussão, a ideia do texto era provocar a reflexão e não impor meus pensamentos a respeito. achei suas colocações ótimas!

  9. Andréia Freire    17/05/2012 - 20h43

    Nossa, amei o post. Como feminista e como pessoa totalmente anti-homofobia. Super. Mais liberdade aos homens na hora de se vestir! Chega de enquadrar todo mundo em papéis fixos. ;) Show!

  10. Milis    17/05/2012 - 20h56

    Adorei o post e concordo com cada palavra que foi dita!
    Beijinhos!

  11. Fabí    17/05/2012 - 20h57

    Adorei, rótulos só servem para organizar o quenão entendemos, viva como quer, ngm é juiz de ngm…

  12. Daniele    17/05/2012 - 21h08

    adorei o post! algumas coisas são exageradas, como o vestido do marc jacobs, mas lembro que até o decote V quando chegou aqui na minha cidade foi bem comentado! exemplo de um cara “badass” que sempre faz show de skirts (me perdoem se escrevi errado) é jonathan davis, vocalista do korn, vâ se alguém chama ele de gay!

  13. Lí Caprucho    17/05/2012 - 22h14

    Apoiado! Nos prendemos tanto nesses detalhes, que não percebemos que os séculos mudaram…

  14. Ana Carolina    17/05/2012 - 22h41

    Sem palavras…
    Adorei!

  15. Jéssica    17/05/2012 - 23h02

    Porque eu concordo com tudo, mas achei Marc Jacobs desnecessário, assim como tem muito vestido desnecessário pelos grandes eventos por aí…
    Só sei que cada um cada um e ninguém tem nada a ver com isso!

  16. Patrícia    17/05/2012 - 23h42

    Fala-se tanto do quanto é difícil ser mulher, como é difícil buscar a independência e, ao mesmo tempo, ser boa mãe, boa esposa…
    Mas nunca se fala do quanto é difícil ser homem, do quanto a sociedade impõe padrões de comportamento.
    Adorei o post! Parabéns Gui!

  17. Maria Dalva    18/05/2012 - 00h04

    Adorei o texto, visite seu blog e acabei de assinar o RSS (do Moldando Afeto).

    Fiquei encantada! Que coração lindo você tem! :)

  18. Raíssa    18/05/2012 - 07h00

    Gui, és um querido. :3

  19. Anna    18/05/2012 - 07h12

    Belíssima reflexão. Me lembrou um pouco uma das últimas colocações da Ashley Judd nesse manifesto feminista que ela fez quando surgiram os boatos de que ela havia colocado botox:

    “If this conversation about me is going to be had, I will do my part to insist that it is a feminist one, because it has been misogynistic from the start. Who makes the fantastic leap from being sick, or gaining some weight over the winter, to a conclusion of plastic surgery? Our culture, that’s who. The insanity has to stop, because as focused on me as it appears to have been, it is about all girls and women. In fact, it’s about boys and men, too, who are equally objectified and ridiculed, according to heteronormative definitions of masculinity that deny the full and dynamic range of their personhood. It affects each and every one of us, in multiple and nefarious ways: our self-image, how we show up in our relationships and at work, our sense of our worth, value, and potential as human beings.”

    Voto que o Gui escreva com mais frequência, e que poste algumas receitas também :P

  20. Hellen NSL    18/05/2012 - 08h08

    Muito bem escrito o post, Gui você escreve muito bem. Parabéns. Porém não concordo com algumas de suas opiniões. Marc Jacobs estava muito feio (pra não dizer horrível) com aquela roupa. Se fosse uma mulher com certeza todo mundo ia achar horrível (Podia colocar uma cueca preta pelo menos neh). Acho que a maioria das mulheres não gostariam de sair com um homem “vestido de vestido”. Maaaas cada cabeça é um mundo. Acho que os homens tem sim muitas opções para se vestir, sair da mesmice e não ficar um “presépio”. Homem tem que parecer homem, mulher tem que parecer mulher, mesmo incorporando alguma coisa do guarda roupa do sexo oposto, acho que a essência não deve ser perdida.

    Bjs pra todos

    • Ju Ferreira    18/05/2012 - 10h45

      Hellen,

      Acredito que o Gui usou o exemplo do Marc Jacobs como um extremo, na medida em que se fosse o contrário, uma mulher usando peças do universo masculino, não causaria tanto estardalhaço como causou o fato de um homem usar um vestido.
      Realmente não acharia interessante se meu namorado saisse com um vestido, e nem acho que o Gui quis dizer isso, mas sim em trazer mais leveza e versatilidade pro guarda roupa masculino, assim como nós mulheres temos.
      Agora deixo a minha opinião. Homem não tem que parecer com homem, e mulher nem tem que parecer com mulher. Cada um tem que vestir o que tem vontade, independente da opinião alheia.
      Gui, você sabe que sou sua fã e me sinto super orgulhosa de conhecer e poder conviver com uma pessoa como vc. O post ficou fantástico.

      Beijos

    • gpoulain    19/05/2012 - 07h31

      é bem isso que a Julia falou (a propósito, obrigado pela fofice de sempre).

      o Marc Jacobs fez isso porque queria virar notícia, e, se as pessoas não ligassem pra isso, não seria o maior tapa na cara dele?

      também achei feio, mas no geral gosto de vários dos looks casuais dele do dia a dia em que ele usa saia.

  21. Alessandra    18/05/2012 - 08h31

    sim, eu gostei mt post! E é tb bastante apropriado p/ os dias atuais!adorei mesmo!

  22. Jana    18/05/2012 - 08h43

    Incrível post Gui!Adorei simplesmente tudo…Se todos seguissem os mesmos padrões o mundo seria terrivelmente entediante…

  23. mia    18/05/2012 - 09h23

    gente… q conexão maravilhosa q vc fez da música c/ o marc c/ o assunto em si. parabéns, de verdade. ?

  24. Marina    18/05/2012 - 09h54

    ADOREI o post!
    Moda é ATITUDE.
    Beeijos!!

  25. Natália Pontes    18/05/2012 - 09h55

    Excelente post!!!

  26. Marina    18/05/2012 - 10h21

    ótimo post… infelizmente vivemos num mundo ainda muito machista, ainda temos um longo caminho a percorrer.

    Não tinha visto essa foto do Marc Jacobs ainda haha… eu acho ele lindo (não de vestido, mas enfim).

  27. Joyce    18/05/2012 - 10h37

    Ótima reflexão! parabéns! nós mulheres mudamos, será que não esta na hora deles (homens) mudarem também, sair do lugar “confortável” que sempre estiveram? Gosto da atitude do Marc Jacobs, precisamos de mais pessoas que incomodem, isso gera reflexão e pode trazer mudanças! bjo

  28. Maura    18/05/2012 - 10h46

    Parabéns pelo post, Gui. Sou leitora do Chata há muito tempo e nunca comentei (shame on me! eu sei…), mas hoje simplesmente não tive como deixar passar um post maravilhoso desses sem parabenizá-lo.
    É desse tipo de sensibilidade que nós precisamos para um mundo mais justo e respeitoso, tanto para homens quanto para mulheres.
    Acredito que o maior problema com o machismo é o fato de muitas pessoas não conseguirem enxergar que ele não fere somente às mulheres. O peso que ele impõe sobre os homens é grande demais. A liberdade dos homens é completamente tolhida por padrões de comportamento retrógrado. Seria tão bom que os homens e mulheres entendessem que usar uma roupa mais feminina ou mais masculina não influencia diretamente em sua sexualidade.

  29. Isabela Duarte    18/05/2012 - 11h11

    Ainda bem que entrei aqui logo cedo e li esse belo post. As pessoas precisam ter coragem pra falar as verdades. Concordo plenamente com o Gui.
    Acho os homens muito engraçadas: meu marido (chará do Gui!) não é do tipo “sou macho pra caramba”. Ele curte moda e tal, e eu amo isso nele. Uma vez dei uma camisa liiinda da Dudalina pra ele, obviamente masculina, e ele amou a camisa. Viajamos para um show em SP com amigos e ele usou a camisa lá. Resultado: os amigos criticaram dizendo que a camisa era de cara afeminado e tal. Aí ele respondeu: na verdade tem é que ser muito homem pra se expor, vestir o que dá vontade. Gostei dessa resposta dele. Mais tarde, um deles perguntou, em off pra ele, de onde era a camisa. Ou seja, o cara gostou da camisa!!!!! E acredito que refletiu sobre a resposta tbm… Enfim, liberdade de expressão pra todos.

  30. Joana Moretzsohn    18/05/2012 - 11h12

    Muito bom Gui!!! Parabéns pelo seu post. Concordo com tudo o que você disse e acho que sim existe um comodismo, mas, pessoalmente não me atrai muito a ideia de dividir a vida com um homem que quer saber a marca do meu novo produto de cabelo, ou da minha roupa nova. Pode ser um preconceito meu, acredito que seja. Mas é inevitável que eu me atraia pelo oposto, pelo homem provedor, meio podrão, que assiste futebol tomando cerveja e arrotando no sofá, sabe? Acho que isso ainda está muito ligada a figura do homem pai de familia, e é um pouco isso que eu quero pra minha vida. Não consigo imaginar, por exemplo, ter um filho menino e ver o meu marido comentando sobre o último look do Marc Jacobs com o menino, sabe?

  31. Ana..    18/05/2012 - 11h27

    Há de ser uma longa caminhada, pelos comentários sinto um rebuliço nesse sentido, ponto para nós!
    Em nosso país esse processo será longo, mas sinto algo nesse sentido mesmo que timidamente. Quando vou a barzinhos, noto uma maior versatilidade dos homens ao vestir, isso chama minha atençao já algum tempo. Algo acontece nesse sentdo sim, mas tem muito que evoluir.
    Beijos Gui!( a íntima!)rsrs..

  32. Luciana    18/05/2012 - 11h45

    Adorei a reflexão, Gui! Maravilhoso.
    Eu sou uma privilegiada por ter ao meu lado um namorado bem mais livre do que a maioria. E concordo demais da conta com o Gui.
    Sensacional, falou e disse!

  33. Carolina    18/05/2012 - 12h53

    Ótimo post Gui! Faz a gente pensar um pouco e perceber que até quem se diz livre de preconceito, ainda reprime certas coisas! As pessoas têm o péssimo hábito de achar que preconceito é só contra negros, gays ou mulçumanos. Não entende que um homem pode sim gostar de moda e não ser gay!

    Parabéns!

  34. Paulete    18/05/2012 - 13h07

    nada a ver, mas só eu não sabia que a contém 1g está vendendo pela net?

  35. Ana Carolina Marinho    18/05/2012 - 15h05

    Uau, tô sem palavras mas concordo plenamente.

  36. Yuki    18/05/2012 - 15h28

    Disse TUDO Gui!
    Moda é expressão e expressão tem que ter liberdade né!
    Por isso amo o meu país(Japão) viu, como é uma sociedade formal, todos se libertam na moda! (pelo menos né)
    Beijos!!

  37. Claudia    18/05/2012 - 15h30

    Parabéns Gui

    Gostei muito do seu post! Aliás, sempre gosto deles e costumo enviá-los para o meu marido, tipo para dar um toque! E vou encaminhar este também.

    Só eu achei o Marc Jacobs bonito de vestido?!
    Assim, eu nunca tinha visto o cara e não sabia que ele era lindo!

    Mas sério, nunca me liguei em moda e sempre tive dificuldade para me vestir bem. Eu não tenho aquele senso inato de combinar cores e texturas e algumas pessoas tem, então costumo ficar no básico mesmo. Mas super admiro quem tem aquela elegância que vem de dentro. Sabe quando você nem repara na roupa mas percebe que a pessoa está elegante? Acho legal!

    Quando passei um tempo em Londres, no início no século (sou velhinha!), me senti super à vontade porque ninguém te dá aquele olhar de censura se vc estiver com uma roupa diferente, como acontece aqui no Rio por exemplo. Não que eu estivesse diferente, mas via muitas pessoas na rua que se vestiam da forma mais espalhafatosa possível e ninguém ficava olhando. Acho que eu só eu olhava, mas com admiração e não com reprovação ;)

    Abs

  38. Camis    18/05/2012 - 16h23

    Em um relacionamento eu também prefiro a figura do Homem Provedor, sabe?
    Acho que é questão de gosto. Assim como alguns gostam de mais magros e outros de mais gordos.

    Cada estilo de personalidade tem um espaço neste mundo. E você não tem que fazer as vontades das pessoas, mas a sua.

    Agora uma coisa é certa, em termos de moda se uma mulher usar uma roupa muito estravagante, muito curta, muito fora dos padrões, o preconceito também existirá, pode ter certeza. Pré julgamentos existem em qualquer lugar, para qualquer pessoa.

    Pessoalmente, acho que o limite está no bom gosto. Bem simples…

  39. Camis    18/05/2012 - 16h24

    (ops) *extravagante!

  40. Kellen Turci    18/05/2012 - 19h27

    Adorei o post e a reflexão Gui.
    Primeiro pela surpresa boa de ver essa música aqui no Chata.
    É uma música que mexe muito comigo, tanto que foi a escolhida para o meu making of do casamento: http://www.youtube.com/watch?v=Ijj5ejucr98
    É incrível como algumas mulheres conseguem ser extremamente sexys e femininas usando uma produção boyish. Mas nossa sociedade de fato não esta preparada para o inverso.
    beijos

  41. Aline Oliveira    18/05/2012 - 21h57

    Gente, sempre li o moldando afeto e me identifico e gosto muito da Personalidade do Gui…

    Acho que gosto e personalidade eh único, e quando se sai dos padrões que a sociedade coloca, indiferente da orientação sexual de cada um esta sujeito a julgamentos, mas o mais importante eh naoebar esses julgamentos em consideracao…

    Se vc se sente bem com vc.mesmo eh o a importa…

    Meu namorado por exemplo ama Crocs, sim aquele sapato a td mundo acha mto feio, e mesmo eu nao gostando mto quando começamos a namorar achei super charmoso pq combinava com a personalidade dele… Hj em dia eu já acostumei e virou a marca registrada dele…

    Gui e Lu, parabéns por tocarem em um assunto tão delicado de forma suave, sem agredir ninguém… Inteligência e respeito eh o q mais admiro em vcs!!!

  42. Ana    19/05/2012 - 13h24

    que post legal dele!! concordo com tudo e me fez pensar sobre coisas que nao tinha reparado (mulheres usando “moda masculina”) Parabéns!! bjs

  43. Ana Iris    19/05/2012 - 14h20

    Ai! Suspirei fundo por todos eles! rsrsrs se os Boys da minha cidade fossem assim eu sairia mais de casa!
    Acho que o marc Jacobs, por exemplo, continua muito másculo de “Vestido”!
    Falta personalidade nos caras hj em dia!
    Fashionistas são os melhores!!!!

  44. Gisèle    19/05/2012 - 21h07

    Adorei este seu post, Lu, parabéns! Vc falou o que eu gostaria de ter dito, sem pôr nem tirar!

  45. Natasha Souza    20/05/2012 - 10h36

    Ótima reflexão! Nos faz pensar sobre o olhr que temos em relação às convenções atuais! parabéns Gui!

  46. aline vieira da mota    21/05/2012 - 07h14

    Cara, eu concordo demais com as reflexões desse post. E é tão engraçado como as pessoas se sentem no direito de se meter na vida – e no armário – alheio. Acho que até por influência minha, meu marido acabou desenvolvendo uma certa consciência fashion. E acho de uma bravura enorme que ele não se renda à calça jeans e camisa branca de sempre, mesmo que volta e meia algum babaca faça alguma piada homofóbica por ele estar, por exemplo, com uma camisa de estampa liberty ou com uma calça burgundy. E, honestamente, ele não deixa de ser menos cavalheiro, menos provedor, menos másculo ou menos sexy. Na minha opinião, essas qualidades (e ele as tem, todas elas!) são fortacelidas pela percepção de ser um cara que, simplesmente, se garante. Excelente post, Gui. Parabéns!! Tem debate aí para um mês e meio, pelo menos!

  47. Pam    23/05/2012 - 00h45

    Quase nunca comento, mas esse eu precisava! Muito bom mesmo!
    É isso ai, li um texto acho que na época da polêmica com o laerte se vestindo de mulher, que era basicamente isso, e sobre como os homens precisam redescobrir seu papel numa sociedade que se pretende igualitária. Espero que cada vez mais as pessoas pensem como você, e que nós mulheres também mostremos que gostamos disso.
    Meu namorado tema mente mais aberta e adoro isso, de buscar coisas legais pra ele e o ver todo lindo se cuidando e experimentando coisas diferentes, e o lado que isso o faz mais sensível, me dá opiniões e interage mais com meu mundo. É uma base nova pra relacionamentos, pra mim uma parte que significa bastante pro nosso companheirismo.

  48. Pam    23/05/2012 - 00h47

    aliás ele inclusive já saiu algumas vezes com roupas minhas, certa vez com uma camiseta minha de time de futebol, um tapa na cara dessas regras bestas de gêneros…

  49. Júlia    25/05/2012 - 20h55

    adorei o post *–* da uma olhadinha no meu blog? >< http://sonhosincondicionais.blogspot.com.br/

  50. Clara    28/05/2012 - 21h25

    “Os homens precisam ser mais corajosos. E as mulheres precisam estar à altura desse novo homem, deixando de lado aquele ideal antigo de homem provedor.”

    Por que será que as pessoas têm tanto medo de sair dos moldes, de ampliar as possibilidades, de tentar o novo? Choro de raiva cada vez que vejo um caso de violência doméstica ou estupro, parece que as coisas continuam tão medievais que dá vontade de morrer. Isso é normal, esse machismo absurdo que não nos deixa em paz nem na hora de ver tv, nem na hora de ler um jornal, nem na hora de comprar uma roupa… Agora, um cara com ideias do bem, propondo uma revolução, um símbolo de tudo o que vai vir de legal daqui pra frente todo mundo cospe e pisa em cima? Não entendo…

    Nem tudo é pra ser bonito, nem tudo é pra ser sexy ou atraente, a gente precisa se lembrar de que existem mais coisas a serem expressas além disso, tanto na maquiagem quanto na moda, na música, filmes… Outros tipos de mensagens aguardam vias para serem propagadas… Vamos fazer o favor de não bloqueá-las, huh?

O ÚLTIMO diário da reforma está no ar! Vem com a gente: youtube.com/luferreira 🏠
Mais sobre Moda