01.10.2014 Marcella Brafman

Quem vê “last seen” não vê coração

Em: Blog Chata de Galocha

lastseen
“Eu juro que reparei quando a mensagem apareceu na tela do celular. Abri o aplicativo, dei uma lida de novo e fechei. Eu li, prometo. Não escrevi, mas garanto que respondi mentalmente.”

Esse tipo de situação acontece comigo quase todos os dias. Principalmente quando o lugar está tão divertido que nem sobra tempo para as redes sociais. Acumulo as notificações, e sei que tem gente que fica com uma aflição danada do verdinho pulsando na tela, mas eu não ligo. Existem dois tipos de pessoas: as que têm 431 e-mails não lidos na caixa de entrada e as que não têm nenhum. A mesma regra funciona para os aplicativos do celular: os acumuladores e os neuróticos das notificações.
Quando já se passaram nove horas e são onze da noite, você se lembra de responder o que o amigo/parente/cara enviou, mas o assunto não existe mais. Foi para o buraco dos assuntos que ficam pra lá (ainda bem, se for muito chato).
O problema do “last seen” (visualizado por último) no Whatsapp é quando você é a ignorada. Vinte mil entradas e ignoradas depois, você tem certeza que o que você disse não é tão legal quanto parece. Ou se você for um pouco surtada (que nem – quase – todas, nós, mulheres, que usamos o Whatsapp), que tem alguma coisa errada, seu amigo está com raiva, seu paquera já está com preguiça e o namorado a fim outra.
A coisa pode chegar a um nível extremo, de ver a pessoa entrando, “supostamente” lendo e… saindo. O celular desliza devagar na mão e você se sente como na quarta série, quando todo os seus colegas já tinham com quem lanchar e você abria a merendeira sozinha na sala. Bate uma tristeza. Uma vontade de mandar mais quatro mensagens, sendo que uma última dizendo “por que você me ignorou?” e depois ligar e falar “te mandei mensagem, não viu?”. Mas, você não faz nada disso, porque é educada e precisa conter a sua loucura.
A boa notícia se você se identificou, é que o mundo não gira em torno de você. Nem sempre é por grosseria. Não responder, não quer dizer necessariamente que da noite para o dia alguém te odeia. Existem possibilidades infinitas, como estar dormindo, comendo, em reunião, fazendo todas as outras coisas do mundo que não incluem responder naquele segundo. Querer tudo de imediato, perde a graça.
Em alguns casos, abrimos uma mensagem e fechamos para responder depois – num depois bem logo. Eu acredito que as palavras mais sinceras são pensadas e repensadas antes de ditas. Mensagens de texto que não pedem respostas rápidas (do tipo, cheguei, tá na porta? já está saindo? tô te esperando aqui, cadê você?), podem esperar por algo mais elaborado. Essa espera vale a pena.
Por via das dúvidas, existe a opção de não ver o maldito “last seen” no status. Pode te poupar da ansiedade e de uma discussão boba. E você pode ignorar as mensagens sem ter que evitar entrar para não ser pega no flagra (afinal, você também faz isso).
Só que tudo nessa vida tem limite. Não ignore as pessoas para sempre. E se você for ignorada por 24h, desista. E se a mensagem sobre a ignorada, também for ignorada, esquece. Eu sei que você provavelmente vai mandar mais três, porque surtada que é surtada não aceita levar fora por rede social. Relaxa. Fecha esse aplicativo e vai ser feliz. Ai, que saudade das cartas.

Posts Relacionados:

26.09.2014 Mariel Dodd

Looks da Semana: Onça, monocromáticos e jaqueta bomber

Em: Blog Chata de Galocha, Looks da Semana, Moda

Essa semana os pensamentos estavam bem conectados, tiveram até blogueiras vestindo a mesma blusa – sinal forte de que é tendência em vários lugares do mundo :)
Looks1

Beatriz, Paula e Jessica

As onças estão por toda parte…Há quem diga que não dá para ser moderna usando oncinha, mas o mix de estampas da Beatriz combinado com um oxford é a prova de que isso não é verdade. Fresquinha e divertida passeando por Paris nem se preocupou que a conterrânea Paula usou a mesma camiseta na semana de moda de Milão. A blusa é da Zara, então já era de se esperar esse tipo de coincidência. O legal é ver como os dois looks tem estilos bem diferentes – uma faz a linha moderninha (com acessórios masculinos e mix de estampas) e a outra uma mistura bem elegante de salto, couro e trench coat. Também tiveram as que usaram a estampa apenas nos detalhes: Jessica com look fresquinho e clutch e Aida (próxima foto) nos sapatos.
Looks2

Samantha, Aida, Carol

Outra tendência que é um clássico, é o uso do monocromático (ou quase). Samantha produziu um look laranja – com escapadinhas pontuais dos acessórios pretos – e escolheu o jeito mais simples de usar: um vestido combinado com o cardigan do mesmo tom, dando uma sensação de unidade. Aida foi mais ousada em usar o bordô em duas peças, transformando o conjuntinho formal em um look despojado com a camiseta branca e seus complementos.
detalhes2
Carol Burgo, veio para mostrar ao mundo nossa “brasilidade”. Misturou brilho, estampas e texturas em um look leve e charmoso. Os tons do outono estão em alta, até mesmo na nossa recém chegada primavera!

Looks3Zina, Camila e Luisa

A moda vintage da jaqueta bomber continua. Zina, Camila e Luisa apostaram na sobreposição esportiva em 3 looks bem diferentes. Zina é super fashionista e se vestiu para uma ocasião à altura: também na semana de moda de Milão, escolheu a mistura do esportivo com uma bota de cano longo. Camila escolheu um look confortável para viajar até Paris. Podemos lembrar sempre dessa dica: não é porque um look é confortável que tem que ser “desperdiçado”, são muitas as possibilidades de conforto na moda.

Looks3detalhes
Para Luisa a escolha foi pra fugir do frio usando uma composição mais romântica e também bastante charmosa. O detalhe especial ficou por conta do colar brilhante…Na dúvida de como usar, o ideal é fazer misturas hi-lo: do esportivo com o fino ou com o romântico.
Qual é o seu favorito?

Posts Relacionados:

17.09.2014 Marcella Brafman

Para onde vai o que o amor deixou?

Em: Blog Chata de Galocha

web
Veio me perguntar o que eu achava que ela deveria fazer com os presentes que o namorado (agora ex) deu para ela. “Mas o que que ele te deu?”, perguntei. Ah, fora os chocolates, tem uns dois porta-retratos, quatro blusas sendo que uma nunca usei, um urso de quando ele ficou seis meses na Califórnia, alguns CDs personalizados, três livros e todos os nossos ingressos de cinema.
Joga fora, ué. Jogar tudo fora, como assim, tá louca? Então coloca dentro do armário, no quartinho de dispensa da sua casa, sei lá. Tudo que ela menos queria era se desfazer deles.
Lembrei de um namorado, que sempre me dava presentes do tipo que precisam ficar expostos no quarto. Primeiro veio um ursinho do meu tamanho, um porta-retrato com a nossa foto…
O tempo de namoro foi nos deixando sem opções, aí começamos a nos presentear com roupas. Era horrível porque mesmo quando eu não gostava do presente, morria de vergonha de trocar e acabava usando.
Em um Dia dos Namorados ele me deu um mural de fotos enorme com a palavra “love”. Menos de um mês depois, terminamos. Sem nem ter pendurado o “love” na parede, juntei tudo e dei para a minha empregada. Todas as vezes que mudo de apartamento, penso o quanto seria legal colocar esse mural em algum canto da sala. Provavelmente ele está lá, lindo, na sala da Derci.
Alguns, como eu, têm extrema facilidade de se livrar de objetos. Tiram quadros da parede e mudam o porta-retrato do canto como quem frita um ovo. Não somos necessariamente desapegados, vejo mais como uma radicalização. É um “acabou, tchau”, prefiro não lembrar de você quando olhar para aquela nossa foto fisheye em Trancoso. E, nessa obsessão freak de deletar o outro, vão-se objetos lindos.
Outros, não se dão o trabalho de mudar nada de lugar. Pelos menos durante algum tempo. De duas uma. Ou porque não faz a mínima diferença, ou faz parte do que chamam de “luto do término”.
A real é que o fim é terrível de qualquer jeito. Com ou sem ursinho. Dói em todos os cômodos do apartamento. Desde o porta escovas de dentes do banheiro ao pano de prato de coração e patinho da cozinha (presente de quando foi no interior visitar alguma tia avó). A verdade é que não muda em nada se desfazer de tudo que lembra alguém, se a pessoa ainda está lacrada do lado de dentro. Lembramos de quem que a gente gosta até preso em um quarto vazio com todas as paredes pintadas de branco.
Conheço uma pessoa que ainda tem na cômoda do quarto o mesmo porta-retrato, presente de uma primeira namorada de dez anos atrás. Me contou que a matemática é muito fácil: quando arruma outra, coloca uma nova foto, e enquanto está solteiro, coloca a foto da sua Yorkshire. Simples e indolor. Não existe dia certo para tirar a foto da ex, um dia ele olha e acha que já passou da hora, e ficaria mais legal uma foto da Nina, a cachorrinha.
Desde que perdi o meu mural escrito “love”, adotei uma nova estratégia. Se for para desfazer, vou doar para quem precisa. E se o apego ao objeto for grande, muito grande, coloco em uma caixa até passar a memória recente.
Ainda bem que nunca me deram um quadro da Frida Kahlo ou um cachorro pug. Já pensou?

Posts Relacionados:

15.09.2014 Lu Ferreira

Jeans 2 em 1: já conhece Emana?

Em: Blog Chata de Galocha, Moda, publieditorial

emana3
O meu tipo de produto favorito, não importa o segmento, é aquele que consegue me dar um benefício extra, deixando a vida mais prática: sabe hidratante com cor e proteção solar? CC Cream com anti oxidantes? Produtos que trazem um benefício super útil e que a gente nem sente que deu trabalho, afinal já ia usar de qualquer maneira… O Emana é assim, mas na moda! Emana é assim, mas na moda! Emana é uma tecnologia que faz do jeans um aliado contra a celulite!
emana2
Foram muitos profissionais envolvidos na pesquisa até chegar ao fio tecnológico: O Emana Denim absorve o calor que nosso corpo produz e devolve raios infravermelhos longos, que estimulam a microcirculação sanguínea. E o que isso faz? Aumenta a elasticidade da pele e reduz os sinais da temida celulite! Tudo isso enquanto você está apenas usando um jeans!! Sem creme, sem laser, sem tratamento caro! Fala sério, muito bom!
emana3
Para perceber os benefícios de Emana basta usar a peça durante 6 horas por dia. O efeito foi comprovado por testes em laboratório e agora a gente pode encontrar a tecnologia também em lingerie. Marcas como Alexandre Herchcovitch, Patogê, Damyller, Claudia Rabelo, Lupo,Thais Ferreira Lingerie, Recco Lingerie, Scala, Track&Field, Jump e Alto Giro usam o fio nas suas peças. Vale testar, né? Até porque não precisa de esforço algum! Recebi uma peça e daqui a pouco vocês começam a ver o jeans Emana nos meus looks =)

Posts Relacionados: