Carregando...
Lifestyle

Unpopular

16.01.2015
Lu Ferreira

Há algum tempo eu assisti um video que faz tanto sentido pra mim atualmente que acho que já decorei tudo que a Erika fala. Já assisti mil vezes, e continuo concordando com quase tudo que ela diz. O título é ‘Rethinking Unpopular’, uma palestra em que ela discorre sobre a necessidade que a gente tem de ser popular e como na maior parte das vezes a gente acaba fazendo coisas que nem estamos a fim pra agradar os outros.
loveme
A parte mais interessante pra mim é quando ela diz que passamos a vida inteira tentando virar algo que as pessoas dizem que devemos ser, quando na verdade deveríamos passar esse tempo tentando polarizar o nosso ‘público’: mostrar o que somos para que as pessoas possam decidir se gostam ou não de você. Porque assim ninguém perde tempo, não é mesmo? A hora em que ela diz “Love me, hate me, just don’t be in the middle” é pra mim a mais marcante.

Parece difícil, e é, mas apesar disso é simples. Ela sugere começar sendo honesta e em seguida parar de se desculpar. Me fala: alguém realmente gosta de ouvir uma mentira? Sério, se você pudesse escolher entre ouvir a mentira ou a verdade, vc falaria beleza, mente aê que eu prefiro?? Não né. No entando a gente aprende desde novinho a mentir para agradar… Ela sugere que a gente pare com isso. Que o melhor é ser honesto e assumir as nossas vontades… Mas sem surtar. Falar a verdade tendo bom senso, mas sem inventar moda e se justificar demais.

Ela explica que existem pessoas que merecem o nosso carinho e cuidado, mas precisamos escolher bem quem pertence a esse grupo. O erro é acreditar que devemos agradar o mundo inteiro, quando na verdade existe um pequeno grupo que merece, entende? Nem todo mundo merece ser nosso amigo, colega, empregado, cliente… E o problema é justamente desperdiçar tempo com quem nem deveria fazer parte da sua vida, gastar energia tentando agradar uma pessoa que não faz o menor sentido, quando esse tempo poderia ser aproveitado com alguém que vale a pena.

Esse TED da Erika meio que me deu um clique, sabe? Eu sempre fui daquelas que queria agradar o mundo e sofria com isso. Já deixei de fazer muitas coisas por medo da reação dos outros e depois dessa semana, uma das mais inspiradoras dos últimos tempos, vejo o quanto errei ao fazer isso. Vale assistir:

Me conta aqui embaixo o que acharam?

39 Comentários  |  Deixar Comentários

Comentários:
  1. Gisele    16/01/2015 - 22h12

    Adorei.
    Sinto exatamente o mesmo, mas creio que tem muito a ver com a maturidade que vamos ganhando no decorrer da vida tambem, com isso muitas coisas deixam de ser primeiro plano, incluindo a opinião e o agradar aos outros.

    Ainda assim, gostei muito.

    Beijos
    http://www.estilogisele.com.br

  2. Ana    16/01/2015 - 22h23

    Perfeito! Todos deviam pensar sobre isto… eu particularmente odeio a sensação de “estar pisando em ovos” e ter que pedir desculpas por coisas que às vezes nem tem a ver comigo ou algo que fiz, mas como você quer agradar acaba fazendo isso.

  3. Hani Coelho    16/01/2015 - 22h31

    Inspirador, tanto o vídeo como o seu texto. Realmente da um click na gente…
    Adorei, beijos Lu!

  4. Carla Lemos    16/01/2015 - 22h33

    ahahahaha tão pisciana <3 Eu ainda não tinha visto esse vídeo #viciadasemTED mas é engraçado como eu já tava pensando nessa mesma sintonia. Olha, esse ano realmente vai ser transformador. Vem pro ridijânero derreter na sombra e filosofar, vem!

  5. Thais    16/01/2015 - 23h37

    Luuuuuuu, que vídeo maravilhoso.

  6. Fernanda    16/01/2015 - 23h47

    Obrigada por postar esse vídeo, caiu como uma luva pra mim, não só na fase em que estou vivendo, mas como me faz refletir as minhas ações passadas! Vale a pena assistir. :)

  7. Tati Lopes    17/01/2015 - 00h15

    Nossa, tenho pensado muito nisso nos últimos tempos e olhado a minha volta questionando algumas coisas! Acho que já sou impopular há algum tempo mas parecia que eu era inadequada.. Agora já me sinto a vontade de ser assim! Pensei em escrever sobre isso e agora esse vídeo me deu bom estalo!!
    Beijo Lu, adoro ler essa coluna do blog!

  8. Paty    17/01/2015 - 00h44

    Lu, você está pura inspiração em 2015!

    Nada é mais bonito e libertador que nos darmos conta que nossos afetos mais valiosos são aqueles para quem podemos nos revelar por inteiro e, mesmo após darem se conta das nossas fragilidades, continuam nos elegendo como parte da vida deles. É como dar-se conta de quem é realmente “da nossa turma”.

    Você tem traduzido estes valores de forma muito competente no seu trabalho. Já virou um estilo Lu de ser, sabe?

    Por estas e outras que, entre um zilhão de referências que as mídias sociais me oferecem hoje, o Chata de Galocha é minha escolha diária. O diferencial? Você e o conteúdo do Chata de Galocha me representam enquanto estilo de ser e estar no mundo.

    Voe Alto.

  9. Mariana    17/01/2015 - 01h52

    E é verdade!

    Todo mundo em algum momento da vida faz coisas só pra agradar os outros..e eu acho isso muito desgastante!

    Enquanto eu via esse video, percebi que perdi muito tempo com pessoas que nem deveria ter feito parte da minha vida.
    Principalmente aqueles que passaram a vida toda comigo. Bate um arrependimento viu..

    Isso me deu um clique tb! Devemos ser sinceros com nós mesmas e estar perto com pessoas que faz o mesmo tb.

  10. Mariana    17/01/2015 - 02h59

    Como já disse o John Lennon: ser sincero não te trará muitos amigos mas te trará os amigos certos.

  11. J    17/01/2015 - 03h36

    Bom, Lu, eu tomei a decisão de me tornar impopular há algum tempo. Revi as pessoas que estavam a minha volta e me afastei das que me faziam mal, ou das que não permitiam que eu fosse eu mesma.
    Não sobrou ninguém.
    Engraçado ver esse vídeo hoje, pq no momento estou refletindo e buscando maneiras de me tornar ligeiramente popular novamente. É solitário ser impopular. Mas talvez seja só eu que estava com as pessoas erradas, ou que levei tudo isso muito além do que devia.

    Enfim. Vale refletir até que ponto ser impopular é bom. Hoje é sexta e tudo que eu mais queria era estar rindo com amigos em algum lugar.

  12. ANA GALVÃO    17/01/2015 - 07h34

    Espetacular!!!Na verdade sabemos disto,mas faltava coragem para expressar.
    Gostei muito como foi abordado ,minha nova filosofia.
    Gosto das suas dicas…

    att

  13. Luana Muniz    17/01/2015 - 08h44

    Caraca seu texto não meu deu clique, meu deu um sacode!
    Meu esposo vive “brigando” comigo, para eu deixar de ser besta, pois em querer as outras pessoas, acabo me prejudicando e sofrendo.
    Isto aí, agora vou analisar quem ME merece de verdade.

    Bjks

  14. Janaina Curi    17/01/2015 - 13h26

    A linha é bem tênue, já me peguei dizendo pra alguém que não gostava de certo tipo de tratamento, fui repreendida por outras pessoas e pedi desculpas. Depois vi que a única coisa que eu tinha feito era defender minha posição e que essas pessoas não tinham um lugar na minha vida. As amizades que continuaram depois desse incidente me entenderam e deram razão.
    Sempre fui direta e apesar de ainda guardar algumas amizades antigas com as quais tenho que ter algum cuidado com as palavras, a grande maioria dos amigos que restaram e que fiz nos últimos tempos entende e compartilha essa minha característica e até faz piada sobre ela.

  15. Janaina    17/01/2015 - 13h38

    Os dois extremos estão bem próximos. Sou naturalmente franca e objetiva, mas já me ressenti por ter pedido a alguém que parasse com uma brincadeira que me incomodava. Fui repreendida por amigos em comum, e demorei a entender que fiz certo em marcar minha posição. Alguns daqueles amigos entenderam, outros não.
    Passei por várias situações similares até aprender a identificar quem não “serve” pra ser meu amigo/colega/ etc. De que adianta muita gente gostar de mim se eu não estou a vontade comigo mesma?
    De toda forma, acho que algumas pessoas valem o esforço, muitas vezes o difícil é separar quem é quem.

  16. Mariana    17/01/2015 - 14h40

    Adorei! Acho que (por sorte, sei lá) nunca fui muito da turma que tentava ser popular não (eu era gótica e gostava de chocar hahaha), mas não só sentia q as vezes dava vontade de agradar pra ‘ser gostada’, como via isso acontecendo muito. É um problemão mesmo, da sociedade inteira. E é tão legal quando as pessoas conseguem ser elas mesmas e acabam sem mostrando fantásticas! Vídeo excelente, parabéns por divulgar e tocar no assunto! :)

  17. Silvia Helena    17/01/2015 - 18h08

    Oi Lu,

    Obrigada por compartilhar! Já faz um tempo que penso nisso, sabe. Eu fui aquela que permaneceu em um casamento infeliz porque não queria decepcionar os outros, porque tinha medo do que fossem pensar de mim. Fiquei assim por algum tempo até adoecer e desejar sumir.
    Finalmente consegui sair daquela situação, mas levou um bom tempo para criar coragem de ser eu mesma.
    Ainda tenho algumas recaídas, ainda me importo com o que podem pensar de mim, não é fácil admitir.
    Mas, acho que perceber esse processo já é o primeiro passo para sair dele.

    Admiro o seu trabalho, muito mesmo.
    Um beijo grande

  18. Camila torres    17/01/2015 - 21h38

    Lu, achei tão bom que quero aplicar na minha vida! Palavras certas na hora certa!
    Adoro o blog, o jeito que escreve, os assuntos que trata.
    Desejo muito sucesso e que continue trazendo conhecimento a todos nós.
    Beijos

  19. Aline Monteiro    17/01/2015 - 22h10

    Olá Lu! É isso mesmo. Quero pessoas sinceras ao meu lado, pois gosto de ser assim e me sinto ainda mais avontade quando encontro pessoas verdadeiras. Obrigada pelo vídeo e parabéns pelo seu trabalho. Sempre assisto seus vídeos! Um abraço!

  20. […] # “Existem pessoas que merecem o nosso carinho e cuidado, mas precisamos escolher bem quem pert… […]

  21. […] Unpopular A Chata de Galocha postou um texto + vídeo falando sobre as muitas coisas que costumamos fazer, […]

  22. Maki    18/01/2015 - 17h46

    Lu, com o perdão da palavra, mas que vídeo foda! Sério, fiquei apaixonada. Há um tempo eu tenho pensado muito nisso, porque sempre tive essa necessidade quase patológica de agradar todo mundo o tempo todo, mas é óbvio que isso é impossível. É muito difícil desligar desse sentimento, dessa vontade constante, mas como diz a Erika no vídeo, prefiro desapontar os outros do que desapontar a mim mesma! Brigada por mostrar esse vídeo aqui! Me abriu os olhos! (também super tive um estalo!)

  23. lilian    18/01/2015 - 19h07

    Amei. De tempos pra cá, comecei a aumentar a quantidade de “nãos”, e comecei agradar mais a mim mesma, cuidando dos meus afazeres e deixando minha rotina menos corrida.

  24. Luana Sarantopoulos    18/01/2015 - 21h23

    Sensacional.
    É o que eu realmente penso e me esforço todo dia para colocar em prática.
    :) Excelente dica de vídeo!

  25. […] Lu por postar o texto e o vídeo que mais precisava ler e assistir nesses últimos […]

  26. Livia    19/01/2015 - 09h13

    Excelente vídeo! Já vi muitos TedTalks mas ainda não tinha visto esse e achei muito interessante. Concordo com um outro comentário que diz que essa necessidade de querer agradar a todos vai se esvaindo com o tempo e acho que está muito ligado a maturidade, que neste ponto é libertadora. Gostaria de indicar um outro TedTalk que fala a respeito das pessoas de vinte e poucos anos e como nossa sociedade trata essas pessoas. É uma palestra da Meg Jay e creio que será transformadora para o público do seu blog.

  27. Amanda    19/01/2015 - 11h11

    Lu, adorei o vídeo! Também já tive muitos problemas tentando agradar todo mundo, apesar de ser óbvio que é impossível. A gente força a barra, mas uma hora a gente acaba percebendo que não dá pra ser assim. A gente tem que escolher. Escolher ser nós mesmas.

    Beijinhos!

  28. Paola Alves    19/01/2015 - 11h45

    É tipo quando alguém diz que somos “cabeça dura” e ficamos tentando melhorar esse nosso defeito, sendo que nem achamos isso de nós mesmos né? É uma linha tênue entre ouvir e tentar melhorar esse defeito ou fazer isso só pra agradar. Muito complicado. http://simsemfrescura.blogspot.com.br/

  29. Renata    20/01/2015 - 13h47

    Não achei nada, até gostaria de ter achado, mas não sei inglês rs…
    Que mania vcs blogueiras têm de achar que todo mundo sabe falar inglês…. seu blog é brasileiro não é? Em português? Então, porque postar uma coisa em outro idioma sem opção de legenda? Falhou heim… Uma pena!

    • Lu Ferreira    20/01/2015 - 15h52

      Renata, eu posto conteúdos em inglês pq esse é o blog de uma brasileira que fala inglês. Não vou deixar de compartilhar conteúdo bacana por isso, existe google translator para sites, se for necessário.
      No caso desse video, você tem opção de legendas em 6 línguas além do português, é só clicar para escolher qual a língua vc prefere. Pelo visto você nem procurou, né?

    • Renata    20/01/2015 - 16h57

      Não, não procurei mesmo pra falar a verdade, porque estou vendo no seu blog, e não lá no youtube (e aqui, no blog, não tem essa opção de legenda). De qualquer forma, obrigada por esclarecer.

  30. Melissa    21/01/2015 - 20h22

    Video espetacular! Eu tbm vivo nesse dilema de me agradar ou agradar as pessoas… Aos meus 36 anos eu confesso que melhorei muito e o meu marco inicial foi em me divorciar aos 31 anos pra tentar ser feliz!

  31. Carol Costa    22/01/2015 - 08h03

    Essa história de querer agradar os outros é mesmo uma furada, porém não é fácil lidar com as “consequencias” de ser sincera. É uma loucura viu? Mas vale a pena tentar ser “unpopular”, mesmo que for aos poucos.
    http://dibobis.blogspot.com.br/

  32. Amanda Medeiros    22/01/2015 - 18h46

    Eu amo esses Ted Talks (tenho um como inspiração eterna, já assisti um milhão de vezes) mas não conhecia esse (são tantos, também). E, sei lá, mexeu muito comigo. Sofri muito com essa coisa de popularidade na adolescência e até pouco tempo atrás… só que, tipo, por nada!! Hoje vejo a bobagem, mas vivo caindo nessas armadilhas então foi uma boa lembrança.

  33. Fer Pimenta    26/01/2015 - 16h06

    Há alguns anos decidi que não tenho mais idade, paciência e necessidade de agradar a todos. Portanto, acho que, como alguns já comentaram aqui, é uma decisão que vem com a idade e com o acúmulo de frustrações que carregamos ao longo da vida pelo simples fato de não conseguirmos dizer “não posso”, ” não quero”, “não suporto”, “não gosto” ou simplesmente “mudei de ideia”… E admito, no início foi complicado, as pessoas reagem mal quando você impõe a sua própria vontade e decide ser você mesma e contrariá-las… Mas vale a pena se amar e de respeitar antes de tudo. O vídeo é ótimo! Adoraria tê-lo visto há anos atras, quando decidi me libertar do que me sufocava, a impossibilidade de me imaginar desagradando os outros… Quantas dúvidas tive e como me senti estranha por não ter minhas atitudes aprovadas o tempo todo. Porém, valeu a pena. Hoje sou mais eu e percebo quanto tempo e energia perdi por não ter coragem de desistir e recuar antes de me magoar.
    Beijos Lu, obrigada pelo momento de reflexão e afirmação!

  34. […] 3 – Texto incrível que fala da necessidade que temos de ser popular. […]

  35. […] últimas semanas, a Lu do Chata de Galocha publicou um vídeo intitulado Unpopular, em que Erika Napoletano fala sobre a popularidade (ou a falta dela) das nossas decisões e […]

  36. Maria    23/02/2015 - 10h58

    Amei, obrigada Luíza, adoro você……

  37. […] base num texto super polêmico da Lu do Chata de Galocha, esse post que foi ao ar em janeiro ainda está entre os cinco mais-mais do […]

A Bioré chegou ao Brasil no final do ano passado e eu estava louca pra ver se a marca é mesmo tudo que dizem! Será que mandou bem no #CHATÔMETRO? Tá no ar: youtube.com/luferreira
Mais sobre Lifestyle