Carregando...
Família

Sobre parto

24.08.2015
Lu Ferreira

Nunca tinha pensado muito sobre isso – era automático na minha cabeça antes mesmo de pensar em engravidar que quando tivesse filhos seria por parto normal. Era algo óbvio pra mim: é o natural, é o normal, é o que as mulheres vêm fazendo há anos e estamos todos aqui. Mas eu não sou radical – nunca considerei um parto sem anestesia, por exemplo, ou condenei alguém que fez uma cesárea – acho sensacional que tenhamos um recurso tão importante que pode salvar vidas quando bem indicado. Desde a primeira consulta do meu pré natal que falo disso com a ginecologista/obstetra que me acompanhava desde os meus 14 anos. Uma pessoa que conheço há muito tempo e já me sinto à vontade, afinal são visitas anuais desde essa época. Sempre comentei que ela me parecia uma médica muito tradicional: não pedia ultra-sons desnecessários (mesmo eu morrendo de curiosidade no início da gravidez), era cautelosa ao falar das minhas viagens apesar de nunca me proibir de fazer nenhuma delas, gastava pelo menos uma hora em cada consulta conosco, respondendo tudo que perguntávamos.

parto

Só que eu sou uma pessoa naturalmente curiosa. Rodei o Google inteiro lendo artigos e relatos sobre gravidez, entendendo melhor o cenário atual normal x cesárea mas com certo receio, sempre tive pavor das discussões radicais, de mulheres condenando outras mulheres. Um dia li um post estimulando que as grávidas usassem um direito novo, que passou a valer em Julho com a resolução 368 da ANS. Essa resolução obriga os planos de saúde a fornecerem as estatísticas de partos dos médicos conveniados, e mesmo com um pé atrás (morrendo de medo), pedi a da minha médica. A OMS recomenda que a taxa de cesáreas não ultrapasse 15% dos partos realizados. O Brasil está longe dessa recomendação (no setor privado chega a 88%!), então eu esperava algo do tipo 60/40… Sei lá, estava otimista. Por isso fiquei literalmente em choque ao ler o documento que dizia que mais de 90% dos partos da minha médica eram cesáreas. Não consegui nem chorar (olha que tá fácil ultimamente hein), só levei o documento pro Leo olhar sem conseguir falar nada.

Eu não queria acreditar muito naquilo, então esperei a consulta seguinte pra conversar com a médica sobre parto. Não falei sobre o índice (nem sei se os médicos são notificados quando um paciente solicita), mas fui perguntando sobre TODOS os tópicos polêmicos e que até então eu tinha medo de perguntar: risco de cesárea, episiotomia, colírio de prata no bebê, quem entra na sala, onde é o parto… Ela respondeu a todos, como sempre fez, mas depois de sair do consultório fiquei pensando nas respostas dela… E marquei outro médico. Depois de ler aquele percentual e de ouvir da médica que vários procedimentos que hoje são comprovadamente feitos rotineiramente sem necessidade são regra por ali, entendi que não tinha encontrado a pessoa certa para me acompanhar.

Demorei alguns dias pra ter coragem de marcar outro médico. Não fazia ideia de quem poderia me atender e a ideia de trocar de médico já na 24ª semana de gravidez me parecia maluca… Mas sabe quando fica uma coisa martelando na sua cabeça? Quando liguei no consultório do médico que me parecia mais próximo do que esperava já senti a diferença ao telefone. A consulta não demorou tanto a chegar e depois de mais de uma hora conversando, vendo fotos, recebendo artigos para que eu me informasse, já sabia que estava no lugar certo. Sabe quando não existem rodeios, meias palavras? Tudo é esclarecido e o sentimento que tive ao sair dali foi de que estava num lugar que me respeitava, que queria ouvir o que eu tinha a dizer. 

Depois disso tudo acabei finalmente assistindo ao documentário “O Renascimento do Parto”, que toooodo mundo me recomenda desde o início da gravidez. Confesso que tinha um pouco de medo do que poderia ver, mas depois de passar por esse processo eu mais chorava do que assistia, porque me vi representada na tela várias vezes – a sensação é a de que tinha conseguido sair do sistema padrão, escapado de ser mais uma mãe com um parto traumático pra contar depois. 

Ainda não sei como vai ser meu parto – por mais que tenha preferências e vá fazer um plano de parto sei que muita coisa pode acontecer. Mas agora que encontrei uma equipe que está mais alinhada com o que acredito espero que seja da melhor forma possível – no tempo da Bia, normal ou cesárea se necessário, mas com respeito e entendimento de que quem está ali é uma pessoa, que tem preferências, medos e sentimentos.

Recomendo a todo mundo que assista a esse documentário. Quanto mais gente entender o que está acontecendo hoje e questionar os médicos, maiores as chances desse índice mudar e os relatos de partos traumáticos diminuírem. Um momento tão especial deveria ser lembrado assim, né?

207 Comentários  |  Deixar Comentários

Comentários:
  1. Natália Maximiano    24/08/2015 - 08h11

    Lu, que texto maravilhoso.
    Adoro ver a forma delicada, firme e precisa que você trata qualquer assunto.

    Fico muito feliz pelo seu relato. Sua coragem em buscar o que te deixa mais confortável.

    Esperamos todas que a Bia venha em ótima hora e que seu parto seja fantástico. Um momento feliz.

    Este documentário é lindo mesmo. Todo mundo que vê sente a mesma coisa. Chega de nariz torcido e sai com lágrimas de emoção. Nascer é uma bênção.

    Eu comentei em outro lugar, mas aí em BH tem uma casa de parto excelente. Vale a pena procurar!

    Um beijo

  2. Cris salazar    24/08/2015 - 08h12

    Bom dia Lu, te admiro demais e estou orgulhosa pela tua coragem dessa mudança, pois este é o seu momento é o de sua filha e com toda a certeza merece se rspeitado!! Parabéns

  3. Taimara Moreira    24/08/2015 - 08h17

    Oi Lu…
    Primeiro parabéns pela gravidez, que Deus abençoe e te dê uma boa hora com a Bia. Ureia saber se você poderia indicar o médico que você foi, afinal esse tipo de profissional é algo raro.
    Desde já obrigada
    É um beijao

  4. Priscila    24/08/2015 - 08h22

    Lu,
    Você pode me indicar seu novo médico?!
    Gostaria de começar a acompanhar com um médico assim…
    Obrigada!

    • Lu Ferreira    24/08/2015 - 10h11

      Priscila, acho delicado falar os nomes dos médicos por aqui, espero que entenda. BH é uma das cidades com mais médicos que acreditam em parto humanizado, então tenho certeza que você encontrará vários em suas pesquisas e poderá escolher o que melhor se adequa a você. Bjs!

    • CAMILA DE GUIMARAES DIAS    24/08/2015 - 12h27

      Ei Priscila,
      Desculpe entrar na conversa, mas se você está buscando um médico em BH, que apoie o parto natural, normal ou humanizado, procure o Dr. Marco Aurelio Valadares. Ele é unanimidade em todos os grupos de mães que frequento, e ajudou minha cunhada a parir meus dois sobrinhos.
      Eu tive cesárea, mas minha filha estava em posicao pelvica, entao nao havia outra alternativa.
      Boa Sorte.

    • CAMILA DE GUIMARAES DIAS    24/08/2015 - 23h19

      Para as mamaes de BH que buscam GO, tem essa lista do Padecendo, que é um site/comunidade super respeitada daqui.

      http://padecendo.com.br/os-obstetras-mais-votados-pelas-pades/

      Espero que as new mommies realizem os partos dos sonhos, pois ele é o inicio de tudo.

      *-*

    • Bárbara    25/08/2015 - 15h28

      Tem o Lucas Barbosa e o João Batista Marinho também.

      Boa sorte.

      Se quiser saber mais, leia também o blog Dadadá. Ele é voltado para esta temática da humanização do parto (entre outras coisas)

      abs

  5. Álida    24/08/2015 - 08h41

    Oi Lu!Vi o post e concordo com vc sobre sua opção.Minha mãe teve três filhas sendo 2 de nós parto normal e a mais nova de cesárea pelo fato dela querer fazer o processo de laqueadura das trompas e na cesárea ela o fez.A médica dela é apaixonante pois super respeita o que a paciente quer e para mim ela é a melhor de Belo Horizonte.Espero que a Bia nasça com mta saúde e que dê tudo certo com vc.

    • Aline    15/07/2016 - 08h27

      Oi, Álida!
      Se você não se importar, poderia dizer o nome da ginecologista? Apenas se para você não for um incômodo! ;)
      Muito obrigada!
      Beijos!

  6. Lu Cabral    24/08/2015 - 08h46

    É disso que tô falando!!!
    Informação; uma mulher que poderiam julgar com interesses superficiais, se viu na oportunidade de abrir a mente e mergulhou nas informações sem julgamentos.
    Salve salve Lu Ferreira. Minha Chata preferida.
    Vc sempre me surpreende da melhor forma Lu.

    • Lu Cabral    24/08/2015 - 08h47

      Obs; Mãe do Arthur com 23 semanas de gestação.

  7. Claudia Abrantes    24/08/2015 - 08h48

    Bom dia Lu,
    Acompanho seu blog a tempo mas sou um pouco tímida e comento pouco.
    Sou de BH mas moro fora a mais de 6 anos e quando engravidei da minha primeira filha decidimos ir para o Brasil, pra minha cidade para ter minha filha perto da minha família (melhor coisa que eu fiz na vida. A ajuda e o carinho nos primeiros dias são fundamentais).
    Eu sempre pensei em parto normal-natural, nem questionava isto.
    Pesquisei e encontrei o Núcleo Bem Nascer, fiquei encantada. Marquei consulta aos 8 meses, era uma sexta-feira minha primeira consulta no Brasil ( claro que já estava fazendo pré natal onde morava na época).
    Pois bem, minha filha nasceu no dia seguinte, de parto natural no banquinho de parto, prematura, porem perfeita, não precisou de incubadora, fomos pra casa depois de 2 dias.
    A equipe fantástica, me trataram como se me conhecessem desde o primeiro mês de gestação. Super respeitosos. Foi uma enfermeira pra minha casa, que foi quase uma doula, me fez massagem, conversava, me acalmava, contava as contrações, etc…quando já estava com 8 cm de dilatação fomos pro hospital e tudo correu bem.
    Parabéns por sua escolha, o respeito ao nascer de uma criança é importantíssimo e com certeza influência e muito no crescimento e desenvolvimento.
    Felicidades.

  8. Mabile    24/08/2015 - 08h48

    Eu assisti ao documentário e concordo totalmente contigo! Q bom q deu tempo de vc mudar e estar segura q será respeitada a sua vontade nesse momento! Bjs, adoro seu blog!

  9. Fernanda    24/08/2015 - 08h56

    Sabe, Lu, também assisti ao documentário e fiquei muti pensativa.
    Ainda não sou mãe mas um dia pretendo ser. Sou psicóloga e já trabalhei em hospital. Sempre escutava falar do atendimento humazinado, mas o triste é constatar que esse tipo de atendimento encontrontra-se apenas nos livros.
    Percebo, principalmente nesse debate normal x cesária o desrespeito ao paciente. Percebo que somos tratados como objetos, com valor, dinheiro, um produto apenas.
    A ideia de que ultassons podem ser corrompidos, mostrada no documentário, me causou verdadeiro horror, náusea.
    Onde estamos? Como viemos parar aqui?

    • Lu Ferreira    24/08/2015 - 10h17

      Fernanda, acho que o cenário está começando a mudar, ainda bem! O padrão ainda é o desrespeito, mas já existem vários profissionais que lutam contra isso. Espero poder ajudar de alguma maneira ao contar minhas experiências por aqui e influenciar mais mulheres a questionarem o padrão! Bjs!

  10. Izabela    24/08/2015 - 09h04

    Sempre penso nisso também, de estar nas mãos do médico/equipe errada. Ainda não estou na fase de ter filhos, mas como também sou de BH, gostaria de saber quem será o médico, se não se importar em dizer. É tão difícil encontrar profissionais confiáveis! Obrigada!

    • Lu Ferreira    24/08/2015 - 10h15

      Izabela, prefiro não revelar os nomes por aqui, espero que entenda. Temos a sorte de BH ter vários médicos que acreditam no parto humanizado, tenho certeza que quando chegar seu momento você encontrará alguém que seja adequado para te acompanhar. Bjs!

  11. Walkiria    24/08/2015 - 09h04

    Lu, que maravilha de post! Muito amor! Você não tem idéia de quantas mulheres serão atingidas com as suas palavras. É uma realidade muito triste, mas a maioria das gestantes iniciam o pré natal almejando um parto normal, mas terminam com uma cesárea, na maioria das vezes sem indicação ou desnecessária (a famosa “desnecesárea”). Você talvez nem saiba, mas irá encorajar muitas mulheres a ir atras do parto que desejam, superando o medo de tomar atitudes que geram insegurança, como trocar de médico.
    Sou enfermeira obstetra e tenho uma formação totalmente voltada para o parto normal (nós, junto com os médicos obstetras e obstetrizes somos profissionais capacitadas para assistir as mulheres durante o parto e também durante o trabalho de parto e pós parto), mas trabalho mum sistema extremamente cesarista e digo que é uma luta diária colocar em prática aquilo que é natural, mas a gente vai lutando . Eu vou melhorando as coisas como posso. Não consigo mudar o sistema sozinha, mas posso fazer com que as gestantes que passam por mim sejam bem assistidas.
    Mas penso que nenhuma grande transformação irá acontecer até que o Brasil entenda, de uma vez por todas, que a humanização do parto e nascimento não virão com medidas simplórias. Parto humanizado não é sinônimo de parto sem assistência. Não é só o parto na banheira. Não é coisa de gente maluca. Humanização é um conceito que precisa ser praticado nas universidades, na formação dos profissionais porque é, antes de tudo, respeitar. Respeitar os desejos da mulher, oferecer apoio emocional e informação. E isso independe da via de parto, porque só acontece quando aceitamos o parto como um processo natural no qual devemos intervir somente quando necessário e com o acordo da gestante. É ter paciência. A humanização vem antes de tudo.
    A obstetrícia é um termo que tem origem no latim “Obstare” que significa “ficar ao lado”. E é exatamente o que os profissionaia precisam fazer. Estar ao lado da gestante, esperando a natureza agir
    Parabéns pela pesquisa! Um ótimo parto e saúde pra filhota!

    • Deborah    24/08/2015 - 14h38

      Brilhante seu comentário, Walkíria!

  12. Marcia Galvão    24/08/2015 - 09h07

    Luuuuuu
    Que delicia esse texto!
    Parabens pela coragem e garra!
    Que essa serenidade te acompanhe!
    A Bia vai nascer da melhor forma possivel, com respeito e amor!

  13. Daniela Lima    24/08/2015 - 09h12

    Me identifiquei muito com a sua história… Penso como você ! Não sou contra a cesárea, pois ela tem salvado muitas vidas, sou contra cesariana marcada. Deu 38 semanas, ta pronto! “vamos tirar pq senão vai ficar muito grande…” e outras coisas do tipo que os médicos de adoram uma cesárea adoram falar ….Cara, a data da fecundação é incerta, os médicos começam a contar a partir da última menstruação, o que da,+/- duas semanas de diferença … Acho que, quando o bebê estiver pronto, ele vai dar o sinal… olha que absurdo : No meu plano de saúde,eles não querem cobrir ultrassom de 40 semanas!!!!

  14. Hileana    24/08/2015 - 09h19

    Passei exatamente pela mesma coisa que você. Que bom ter a chance de enxergar a realidade e assim ter o poder de escolha. Fico triste que no Brasil isso seja uma coisa tão rara!

  15. Isabela    24/08/2015 - 09h21

    Lu! Adorei que você m respondeu no YouTube, e aproveitei pra comentar por aqui também. Estou bem longe de querer filhos neste momento, mas como você, me consulto com uma médica desde os 15 anos, que também cuidou da minha mãe durante a minha gestação, e por isso era tão importante saber como era o índice de cesáreas dela. Como você, não sou contra, mas também optaria pelo natural. Nasci de parto cesárea, mas por problemas de dilatação, como meu irmão (consultado por outro médico). Então, é importante pra mim, saber desde já quais são essas taxas pois confio muito nela, e já se torna confortável esse contato né? Desejo muita calma e muita paz no resto de sua gestação, que você consiga continuar compartilhando tudo conosco, e que não perca este pique toda animada que adoro vivenciar. Obrigada por me responder, e obrigada também por se abrir aqui no blog com todas nós que nos preocupamos com você, com a Bia e com o Léo :) Beijos!

  16. Lara Dantas    24/08/2015 - 09h21

    Sua sinceridade é admirável!

  17. Lari    24/08/2015 - 09h23

    Parabéns pela sensibilidade, e pela forma com que abordaste um tema tão controverso. Acho que ter o coração aberto para o que vier pela frente, e sentir segura com a escolha do ginecologista/obstetra é o mais importante para o parto! Que a Nossa Senhora do Bom Parto te acompanhe, e que seja um momento muito especial para ti e para a tua família.
    Beijos!

  18. Ana Paula    24/08/2015 - 09h25

    Oi Lu! Tive meu bebê em abril e assim que descobri que estava grávida sempre quis realizar o parto normal. Minha GO no início não me perguntava nada a respeito do plano de parto, até que chegou a minha segunda consulta do pré natal e perguntei se eu teria condições de parir normal, ela me respondeu imediatamente que sim. Foi aí que fiquei mais aliviada. Resumo: meu filho nasceu de 38 semanas e dois dias, no tempo dele e acredite a minha médica na hora do parto ainda me ofereceu a cesariana, fiquei tão chateada sabe… Foi uma decisão minha e se eu tinha condições de ter normal e meu bebê estava forte e saudável queria passar por isso. Bem, é isso. Espero que dê tudo certo pra vc e que a Biq venha na hora dela independente do parto. Bjos Lu.

  19. Lívia    24/08/2015 - 09h27

    Parabéns!!!

    Parabéns pela gravidez e pela coragem de ‘remar contra a corrente’.

    Com certeza vai incentivar muita gente a se informar melhor (pois a maioria das pessoas tem o costume de acreditar cegamente no que o médico diz) e dar força para buscarem o melhor profissional possível para fazer um parto respeitoso para as mamães.

    Reparou que sua sensação em dizer que ‘escapou de ser uma mãe com parto traumático’ deve ser a mesma de grande parte das grávidas do Brasil né?!

    Realmente essa nova resolução é maravilhosa! Só falta divulgarem mais para que todo mundo conheça.

    Abraço e felicidades :)

  20. Caroline Zorzi    24/08/2015 - 09h27

    Lu! que linda jornada! tu estas em uma das capitais com maior recusrsos em ternos de parto normal/humanizado do Brasil, aproveita! Infelizmente se nao buscamos informacoes, como tu fez, acabamos sendo enganadas e levadas a um desfecho que nao era o que realmente queríamos para esse momento tao unico da vida.
    Ai em BH tem o grupo de apoio Ishtar que é maravilhoso! Vale a pena participar! Além de possuir o maravilhoso hospital Sofia Feldman.
    Torcendo que seu desejo se realize, mas se algo acontecer no caminho, que seja maravilhoso também!
    Bjus!

  21. taci    24/08/2015 - 09h34

    Nossa Lu, nunca comentei no seu blog, que leio diariamente, mas como você hoje comentou sobre parto não poderia deixar de recomendar pra você o blog lookbebe.com.br ! a Ana recentemente escrevou o relato sobre o parto dela, vale a pena você ler o post e os outros, afinal esse é terceiro parto dela! confere lá, você vai adorar as dicas delas, se é que você já não conhece o blog dela..! :) beijos, e parabéns pelo blog!!

  22. Nina    24/08/2015 - 09h37

    Maravilhosa! Parabéns pela gravidez, pela postura, pelo post informativo. Acompanho seu blog há anos (desde o primeiro casamento!) e quase nunca comentei nada. Sempre senti muita identificação mas posso dizer que agora com a sua gravidez virei fã mesmo.
    Faça sim um plano de parto mas pense também em fazer um plano de pós-parto, porque é um momento difícil que as mulheres não costumam dar muita atenção na gravidez. Sou doula especializada no pós-parto e posso te ajudar com isso, seria um prazer.
    Meu filho agora tem 1 ano e 8 meses, ele nasceu de parto natural “humanizado” (esse termo é esquisito mesmo, mas na prática faz diferença) e não tem um dia sequer da vida dele que eu não me lembre com saudades e orgulho do dia do parto, é sublime e transformador. Contratei uma fotógrafa para registrar o momento, não sei se você já chegou na fase de ver vídeos de parto mas aqui está o meu: https://vimeo.com/105967084
    Muitas felicidades pra vocês, Lu, Leo e Bia, vocês merecem!

  23. Jeanine    24/08/2015 - 09h44

    Oi Lu adorei a forma em que vc escreveu, eu tbm troquei de medico 3 vezes na minha gestação ate achar uma medica que me entendesse.Pela minha família eu faria parto normal ,mas estou com 34 semanas e sinto dor insuportável a cada troca de lua … sinto contração ele me empurra então ja estou desesperada para ele nascer estou ansiosa e em repouso pq ele quis nascer com 30 semanas . Eu contratei uma DOULA e ela vai me ajudar a fazer um plano de parto tbm e depois nahora da amamentação.. Parabéns pela sua escolha de esperar o tempo da Bia que Deus te abençoe muito Lu estou rezando por vcs. Bjs Jeanine

  24. Thamiris Lopes    24/08/2015 - 09h46

    AI Lu, depois que você falou sobre essa pesquisa, procurei saber da médica que me acompanha, e descobri que o percentual dela é de 88%.

    Amanhã tenho consulta e vou conversar com ela sobre o parto, já estou de 32 semanas e tive alguns sustinhos durante a gestação.

  25. Michele Guidi    24/08/2015 - 09h47

    Muito sensata, parabéns Lú, que ela venha sobretudo em paz independente da escolha de parto, mas que Deus te dê uma boa hora para que o natural aconteça, afinal somos mulheres e acho que de determinada maneira nascemos preparadas para essa hora.
    Estou amando acompanhar sua gestação, pois quando um filho nasce, uma mãe e um pai também nascem , e você que no começo estava tão perdida, agora está essa mãe segura, confiante, preparada, que transmite felicidade, parabéns felicidades ?

  26. Maurício Dall Igna    24/08/2015 - 09h52

    Parabéns pelo texto, tenho acompanhado você – paralelamente, tenho que ser franco – através da minha noiva Simone Freitas e ela sempre mostra coisas muito legais que você publica. Muita energia positiva para vocês, tenho certeza que vai dar tudo certo e continue com seu trabalho, é muito legal!

  27. Priscila    24/08/2015 - 10h02

    Lu, aqui em Bh contamos com a maternidade Sofia Feldman que é referência brasileira em parto humanizado. Se vc trm interesse em fazer um bom parto, não desperdice a chance de ir até lá, as césares nessa maternidade são feitas apenas em casos estritamente necessário (como deveria ser em qualquer hospital) e as mães são sempre respeitadas, além de muito bem tratadas

  28. Gabriela    24/08/2015 - 10h06

    Adoro seu blog, também moro em BH e tb estou grávida. Assim que li essa matéria já solicitei as estatísticas da minha médica! Se puder indicar qual o médico foi e qual convênio atende, vai que me surpreendo com o resultado da minha médica também né! Ah! Adorei que vc tenha feito a receita de pastel de angu, receitinha tradicional da minha cidade, Itabirito! Beijos.

  29. tayane    24/08/2015 - 10h06

    Oi Lu ! Sou super sua fã mas não sou muito de comentar, não me pergunte o porquê.
    Estou adorando acompanhar sua gravidez e por mais que eu não tenha filhos ainda, vejo várias dúvidas que eu sempre tive sendo iluminadas por você e que também vários dilemas que eu sempre tive, você também teve.
    Aquele sentimento de “ela é gente como a gente” e “eu não sou tão louca assim” é muito bom ! hahaha
    Confesso que lendo este diário sobre parto, me senti na obrigação de compartilhar o primeiro parto traumático da minha mãe, no caso dela, não foi o médico, mas sim, a equipe do hospital que estava “despreparada”, agindo com tamanho descaso que queimaram o pé da minha mãe (sim, queimaram durante o parto – cesária) na chapa do bisturi elétrico. Até hoje ela tem as cicatrizes. E no meu parto (eu sou a filha mais nova), eles não se certificaram que a anestesia tinha pego e começaram a cortar a barriga com minha mãe sentindo tudo.
    Tadinha ! Então Leo, abra o olho rapaz ! Exija uma equipe super competente e principalmente humana pra cuidar da sua realeza <3
    Um beijo Lu, Leo e Bia – família já tão abençoada por Deus.

  30. Fabricia Evangelista    24/08/2015 - 10h07

    Amoooo seu blog e amooooo mais ainda seus vlogs . Acompanho tudo, vibrei com a descoberta da gravidez. Hj não pude deixar de comentar. Queria te sugerir a ler o relato de parto da blogueira Ana Luiza Masi, simplesmente lindo seu parto humanizado em casa.fotos lindas do grande dia.Beijos grande

  31. Clarissa Vieira    24/08/2015 - 10h12

    Oi Lu!! sou sua leitora a tanto tanto tempo … fico pensando que se te encontrar na rua falo com vc ! doidinha que so!
    antes de comentar sobre o assunto desejo de coração para vc , pro leo e pra bia tudo de melhor !!!
    acho muito legal vc compartilhar essas angustias da gravidez com nos leitoras, tb estou gravida ( 13 semanas ).. mas por ser medica, pediatra no caso , sei que encaro essa parte um pouco diferente das outras mulheres.
    uma coisa e fato… as gravidas tem que conhecer e esperar os dois tipos de parto. a cesariana e um procedimento maravilhoso que salva tantas e tantas vidas , de mães e bebes , mas e um procedimento cirurgico que como qq outro exige regras e restrições dentro do centro cirúrgico . e que fique claro … necessita de indicação . e sim !!! e uma cirurgia !!! a mulher sofre nos pós operatório como qq outra pessoa que fez alguma cirurgia abdominal!!
    o parto normal e lindo ,ja tive oportunidade de presenciar nem sei quantos que tudo deu certo .. mas estava ali pros que nao deram tb.
    acho que o mais importante vc ja esta fazendo se informando de tudo e esta segura com a equipe medica.
    so queria falar um coisa , puxando sardinha por meu lado , nao deixe de escolher um bom pediatra pra sala de parto. e ele que vai assistir o bebe caso algo nao saia bem … e acredite isso acontece em cesariana eletiva e partos normais com boa evolução.
    entao força ai LU! vai dar tudo certo!! confie nas decisões dos médicos que vc escolheu para te assistir nessa hora tao importante .. eles estudaram muito para fazer o que fazem e presenciam as mais diversas situações todos os dias .
    ha!! eu tb quero parto normal se Deus quiser!! mas se me indicarem cesariana tb vou fazer feliz da vida … o mais importante e ter nosso bebe saudável nos braços!

  32. Lorenna    24/08/2015 - 10h14

    Oi Lu, fiquei muito feliz pela sua decisão, eu estudo enfermagem e sempre defendi o parto natural, não estou grávida e ainda estou longe de ficar, mas o meu médico já esta colocando na minha cabeça que parto natural pra mim esta fora de cogitação, pelo fato de eu ter endometriose.
    Mas eu ainda estou confiante de que eu vou conseguir ter o parto que eu quero quando eu estiver grávida.

    • Cristina    24/08/2015 - 10h35

      Lorena, então fuja deste médico pois ele está te enganando.
      Com certeza ele não é humanizado e nem a favor de parto normal.
      Endometriose em qualquer grau não é impeditivo para parto normal.
      Endometriose dificulta engravidar apenas.

  33. Priscila    24/08/2015 - 10h16

    Lu, aqui tem um site que fala sobre o parto:
    http://www.amanascer.com/author/mayra/

    A Mayra fez um programa no gnt Parto pelo Mundo e foi a parteira da Gisele Bundchen.
    https://www.facebook.com/parteiramayracalvette?ref=profile

    Beijos

  34. fernanda    24/08/2015 - 10h21

    oi, como a gente descobre a porcentagem de ccesáreas de um médico. queria descobrir o do meu.

  35. Cristina    24/08/2015 - 10h24

    Lu,

    Palmas e mais palmas para você.
    Parabéns por ter saído do lugar comum e buscado o melhor para vocês.

    Na minha primeira gravidez tive o mesmo sentimento, mas não tive coragem de mudar de médico. E aí o que aconteceu: um parto cheio de violência obstétrica, enganações e terrorismo.

    Prometi a mim mesma não repetir o erro. Na segunda gravidez mudei de obstetra e voi lá: que diferença!!!!!
    O Dr. me conquistou na primeira consulta. E minha admiração por ele e pela equipe foi só crescendo até o parto. Assistência excelente do início ao fim.

    Ele falou uma coisa que me marcou: parto humanizado só existe no Brasil porque aqui a assistência obstétrica é muito ruim. Parto é parto, tem que ser respeitoso e consciente. Sem modinhas.

    Tive um parto natural, não tomei anestesia porque na hora não senti necessidade. Senti dor, mas não sofrimento. Não fui furada por agulhas, sem soro, sem pontos. Meu marido ficou do meu lado o tempo todo e me senti super bem com isso.

    Se você está em boas mãos, o que tiver que ser será resolvido com calma e muito respeito e tenho certeza que será o melhor para vocês!!!!

    Um grande beijo e muitas energias positivas!!!!

  36. Camila    24/08/2015 - 10h25

    Estou grávida de 24 semanas. É engraçado, porque quando eu leio os seus posts, é sempre exatamente o que eu estou passando. Dá uma sensação boa.
    No começo da semana passada eu também tomei a decisão de trocar de médico, no auge das minhas 23 semanas. Estava me achando meio doida também. Ainda mais que foi EXATAMENTE pelo mesmo motivo que você. Ainda não tive a consulta com o outro médico, é só semana que vem, mas estou empolgada pelos relatos que li na internet sobre ele e como ele prioriza o parto normal.
    Fazer parto normal também sempre foi uma idéia natural para mim, mas nunca tinha me dedicado a estudar o assunto de verdade. Hoje já estou super informada sobre os motivos que de fato justificam uma cesárea e percebi que o melhor caminho para mim seria mudar para um médico que caminhasse na mesma linha de pensamento.
    Sucesso pra você!

  37. Francielle    24/08/2015 - 10h29

    Que lindo Lu amei seu post! Que legal que você assistiu a esse documentário sou super fã foi uns dos primeiros documentários que assisti quando ingressei na Faculdade de Medicina mudou toda minha concepção sobre partos e atendimento médico humanizado, super entendo suas ansiedades e medos são bem comuns com as pacientes gestantes e você está certíssima em procurar pelas estatísticas e ir ao médico que você se sentir mais confortável e confiante. BJoss

  38. Tania Oliveira    24/08/2015 - 10h31

    Lu!
    Que linda sua história! A verdade do tal “parto humanizado” é essa: respeitar a vontade da gestante, para que o parto seja possível dentro das suas escolhas, com muito respeito e carinho!
    Adoro vocês! Adoro o blog!
    Um beijo <3

  39. Jayane Fereguetti    24/08/2015 - 10h35

    Ainda não tive filhos. Mas com certeza quero parto normal. Quero parto normal pq conheço pessoas que tiveram e se recuperaram melhor e bem antes do que pessoas que optaram por cesáreas. Mas também conheço finais trágicos de médicos que forçaram pacientes que não tinha passagem para passar o bebe.

    Beijos e até mais
    Jayane Fereguetti
    https://avidaodesignetudomais.wordpress.com/

  40. Juliana Sardenberg    24/08/2015 - 10h43

    Eu to passando por essa fase. Estou com 10 semanas e nada me tira da cabeça de fazer o parto em casa. Meu médico é super a favor de parto normal, assim como da episiotomia, ocitocina sintética etc. Eu acho que o ambiente influencia muito no nosso trabalho de parto e o hospital é um lugar frio, daqui a pouco começam a te apressar porque tem que liberar a sala de cirurgia etc. Fico com medo dessas coisas. Estou fazendo o pré-natal direitinho, mas vou me consultar com uma parteira (enfermeira obstetra) e uma doula. Quero muito viver essa experiência em casa. Eu e meu marido estamos orando para que Deus coloque as pessoas certas na nossa vida durante esse período de escolhas, porque ainda estou muito insegura e confusa, até porque agora que estou começando a ler e a pesquisar melhor sobre o assunto.

  41. andrea    24/08/2015 - 10h49

    Lu, como conseguir esta informação sobre o % de cesárea dos médicos? Com a unimed? Quero saber do meu….
    Também mudei de médico, mas por outro motivo: ela foi estúpida no telefone comigo quando liguei par ela ….desliguei o tel e marquei com outro na mesma hora. E foi a melhor coisa que eu fiz!

    • Lu Ferreira    24/08/2015 - 11h24

      Andrea, no meu caso escrevi no formulário de contato do site do meu convênio solicitando! Algo do tipo “de acordo com a resolução 368 da ANS solicito os índices de parto normal e cesárea do médico XXX CRM número XXX”. Eles me ligaram pra confirmar e enviaram cerca de uma semana depois! Espero que dê tudo certo por aí =D Bjs!

  42. Hani    24/08/2015 - 10h55

    Lu, minha mãe tem 40 anos e está grávida (a terceira gravidez dela), acredita que ela também tem medos e receios?! Ela me disse que cada gestação foi diferente, essas reflexões que você tem feito aqui no Chata tem ajudado muito a acalmá-la, obrigada pelas dicas e pelas palavras.
    ps.: ela está com 35 semanas, Izabel nasce mês que vem!
    Beijos!

  43. Lady Cat    24/08/2015 - 10h57

    Lu eu só de pensar em parto já fico desesperada… morro de medo de sentir dor

    bjs

    http://ladycatblog1.blogspot.com/

    • Monica    24/08/2015 - 15h29

      Nunca teve dor nenhuma? Eu tive, várias. Enxaqueca, sinusite, dor de dente, cólicas menstruais na adolescência, fratura de quadril, gases quando estava grávida, as contrações do parto natural, dor da cesárea e 14 anos com fibromialgia, para citar algumas. É forte? Pacas. É horrível? Não. Se precisasse colocar em ordem de “coisas terríveis”: a que mais doeu de todas foram os gases, sinusite, dores do corte da cesa, enxaqueca, cólicas menstruais, fratura (e a sacro-ileíte que veio depois, inclusive nessa gravidez que passou completamente durante o trabalho de parto), dor de dente, fibromialgia e por último disso as contrações do trabalho de parto. Claro que depois disso havia dores menores, mas só para ilustrar. Segundo uma amiga, contração é fichinha comparada com cólica renal. E conforme vc se prepara, vc encara essa dor, é… gostoso. É, eu tenho saudades do trabalho de parto (E tive 37 horas de dores). Não foi ruim, não. Mas eu fiquei do jeito que quis, no meu tempo, na minha concentração, ninguém me enchendo a paciência, na posição que eu quis… Uma vez deitei de costas para alguma coisa e aí foi a pior dor da fila. Fora essa, só o cansaço. Essa história de que a dor do parto é a pior dor que existe é frase de homem ou de quem não pode ficar em paz. Pode levar horas e pode levar 50 minutos. Pode doer muito e pode não doer nada (tem sim…). O medo do que pode ser torna tudo pior, mas sem medo… Sério, eu queria poder parir mais vezes.

  44. Marina    24/08/2015 - 11h02

    Ai Lú, amor define! Espero, do fundo do meu coração, que vc seja poupada de comentários de “não sou menos mãe pq fiz cesárea blá blá blá”. Você foi muito corajosa em mudar de médico, mas muito mais corajosa ainda em publicar esse texto aqui. Vc verá que toda essa coragem é o resultado de um processo de mudança pela qual vc está passando, e a Bia, o Léo e vc só tem a ganhar com tudo isso. Se vale mais uma dica, sugiro que vc leia “materbidade e o encontro com a propria sombra” da Laura Gutman. É mugio bom mesmo. A gente se prepara tanto para ser grávida, sabe todos os pelinhos que nascem em nossos filhos enquanto estão na barrig por causa dos milhões de leituras que a gente faz nessa época, mas esquece de se preparar para assumir o papel de mãe, que é sim maravilhoso mas bem complexo as vezes. Novamente, parabéns pelo texto. Um beijo em vcs.

    • Lorena Suhett    24/08/2015 - 13h52

      Este livro é demais mesmo! òtima dica! ;)

  45. Camila    24/08/2015 - 11h03

    Lu, fico muito feliz ao ver uma pessoa como você, que tem o poder de influenciar muitas pessoas, tratando esse assunto de forma tão sensata. Falta muita informação, muita gente tem preconceito com o termo humanizado sem nem saber o que é o porquê de se falar tanto no assunto hoje. Sua opção de trocar de médico deve ter sido difícil, mas com certeza vai ser o melhor para você. E quanto à maternidade, você já escolheu? Porque a gente sabe que nas maternidades privadas a cesárea é o padrão, né? Tenho medo de cair num hospital que não me respeite minhas escolhas. Você falou com o médico sobre isso?

  46. Érika Rinny    24/08/2015 - 11h04

    Realmente parto é algo a se pensar muito, considerando sempre a vontade da gestante e também se há a existência de algum impedimento, algum risco para que o parto normal se realize ou não. Lu, você fez super bem em procurar uma nova opinião, um outro médico que lhe passe maior segurança e respeite suas decisões.

    Bjus

  47. Fernanda    24/08/2015 - 11h24

    É amor demais nesse post, Lu!
    <3, <3, <3

    Parabéns e boa sorte com o novo médico!!!

  48. Daniela    24/08/2015 - 11h30

    Lu, muito bacana a coragem da troca do médico e especialmente por expô-la aqui.
    Muitas novas mães vão se sentir encorajadas!

    Desejo muita luz e sorrisos para vocês três!

  49. B    24/08/2015 - 11h32

    Oi Lú!
    Neste momento tem que ser sempre o que for melhor para você e o baby e não pensar no que terceiros dizem, afinal muita gente tem milhões de sugestões., tens que seguir o que lhe deixa mais segura e o que for melhor para o momento.
    Quando descobri minha gravidez , já na primeira consulta meu médico fez um ultrassom e logo ali lhe disse que queria parto normal e ele me disse que precisávamos ver como a gravidez iria correr, minhas 41 semanas foram maravilhosas (sim minha pequena quase passou do prazo por conta de eu querer parto normal).
    Quando cheguei no hospital percebi um tumulto grande de enfermeiras que entravam e saiam da sala e que queriam ver quem iria fazer o tal parto normal, eu sem entender nada chamei uma delas e perguntei o que tava acontecendo e ela me disse que hoje em dia era bem menos comum acontecerem partos normais e disse que o último havia ocorrido a 68 dias. E eu fiquei chocada, claro que sabia que a maioria sempre prefere cesária, mas não acreditei no que ela me disse.
    Meu médico sempre me deixou bem tranquila ao fato do meu parto ser normal e tudo mais, por isso nem me passou pela cabeça que hoje em dia o parto normal seria tão menos procurado, tive uma equipe médica de primeira, onde tudo ocorreu muito bem, minha filha hoje tem 7 anos e estou pensando em breve ter mais um baby e pretendo repetir tudo igual a primeira gravidez.
    Boa sorte nesta linda jornada com a Bia.
    Bjs B

  50. Tamiris Moreira    24/08/2015 - 11h41

    Arrasou, Lu! Vai dar tudo certo, e vai ser lindo – como tem que ser! É triste a realidade de violência obstétrica no Brasil, e estou feliz e aliviada por ter certeza de que você não passará por isso.

  51. Amanda    24/08/2015 - 11h58

    Lu, entro no seu blog todos os dias, mas nunca comentei. Parabéns por essa atitude!!!! Sei por experiência própria, quer um parto sem escolha machuca a mulher para sempre. Que bom que você conseguiu perceber a tempo e não foi mais uma vítima. Saúde e felicidades para você , a Bia e o Léo.

  52. Lara Souto    24/08/2015 - 12h03

    Informação é tudo. Sempre pensei que o normal fosse fazer uma cessária, mas ainda bem que meus amigOs do trabalho me indicaram livros e o médico das esposas. Tive um parto natural na água no hospital da forma como planejei.
    Boa sorte no seu parto.

    beijos

  53. Brenda Christina    24/08/2015 - 12h19

    Lu, me senti abraçada nas suas palavras – a diferença é que ainda não estou grávida! Eu também tinha um GO que me acompanhava desde da adolescência, mas com o mesmo sentimento dentro de mim que o natural tinha mais lógica na minha cabeça, comecei a pesquisar sobre o parto, as intervenções desnecessárias, dos riscos de uma cesárea eletiva… e sabia que ele se encaixava nesse padrão “cesarista”, inicialmente foi difícil pra mim pensar que teria que procurar outra equipe pra humanização que eu buscava…mas quanto mais eu lia, mais via artigos, e quando assisti ao documentário, mais esse “querer bem” pelo médico ficava em último plano. Fico muito feliz que você tenha corrido atrás, pesquisado sobre o que você queria e intuía, muitas mães acabam em cesáreas eletivas e sem necessidade, mesmo com o seu desejo por um parto normal, por não terem acesso a essas informações, apenas se divulga os mitos e as violências sofridas desse evento, que como você disse, tem que ser uma lembrança maravilhosa na nossa vida! Deus proteja você e a Bia, fique firme, pois você vai estar indo contra um sistema muito cruel, que seu parto seja respeitado e que aconteça da melhor maneira possível pra saúde de vocês duas! bjs

  54. Taynara Araújo    24/08/2015 - 12h35

    Lu, que felicidade em ler esse post!
    Desde o anúncio da gravidez eu fiquei pensando em te indicar leituras, o filme, e tudo mais. Não que eu saiba mais do que qualquer outra pessoa, não tenho filhos, nem nada, mas já faz um tempo que caí nesse tipo de leitura, e como acho que esse conhecimento é válido para todas as pessoas que pensam em ter filhos, só fui buscando mais informações.
    O cenário atual realmente é um pouco alarmante, mas há muitos profissionais engajados na luta da promoção do respeito à mulher e ao bebê!
    Decidi não postar nenhum comentário, porque não sabia qual era sua visão sobre o assunto, e a vontade de buscar o conhecimento tem que partir de dentro da pessoa. Além disso, porque alguém daria ouvidos a um comentário feito por um desconhecido na internet? rsrsrss
    Mas vc é uma pessoa incrível e vejo que está encontrando o melhor caminho para vc e sua família! Afinal, cada um sabe das suas experiências, dos seus medos, dos seus sonhos, e com isso, o que é melhor pra si mesmo!
    Com isso, quero te deixar apenas uma sugestão, que talvez te interesse, principalmente porque essa é uma fase de muitas dúvidas e incertezas. Há várias listas de discussão por e-mail, voltadas para os assuntos de parto e maternagem (pensando no futuro próximo! rsrsrs). As de parto que eu participo são a “partonosso” e a “partoativobh”, ambas no yahoo. É só buscar no site de grupos do yahoo e pedir para se inscrever, se te interessar. As duas são de pessoas em busca de partos humanizados, muitas delas ativistas, então há muita troca de informações interessantes!
    Desejo muita saúde e felicidade para vcs! Abraço!

  55. Andressa    24/08/2015 - 12h37

    Oi Lu!
    Você chegou a confirmar com o plano de saúde o percentual de cesarias do seu médico novo?
    Sou médica e sei que muitos mostram uma postura amigável em relação ao parto normal, mas quando chega na hora acabam fazendo cesaria mesmo… Acho que seria legal você ter uma evidência, além do discurso dele, de que ele realmente faz mais parto normal que sua médica antiga.
    E acho importante dizer que seria legal você ter conversado com a sua médica sobre isso. Na maioria das vezes, quem opta por parto cesária é a paciente. Sua médica não é anti-natural por causa disso. A estatística dela corresponde ao normal de uma obstetra particular.

    • MaH    26/08/2015 - 23h38

      Andressa, li praticamente todos os comentários até me deparar com o seu e pensar “Ufaaa!, alguém que pensa como eu!”. E talvez seja porque também sou médica (não GO) e vejo o outro lado da moeda – todas as minhas amigas pediram cesárea. A maior parte dos médicos que não trabalha no SUS tem altíssimas taxas de cesáreas porque a maior parte das mulheres prefere. Também acho que a Lu poderia ter tentado conversar com a médica anterior sobre as taxas dela, questionado o porque, se ela tinha uma preferência, algo contra parto normal…

      Lu, defendo o direto da mulher decidir junto com o seu médico qual a melhor opção para ela e para o bebê. E isso inclui a opção de agendar uma cesárea se assim desejar (que não seria a minha opção, mas pode ser de alguém). Acho esse assunto delicado e fico triste que você tenha sentido necessidade de abandonar a médica que te acompanhou uma vida porque se assustou com essa taxa. Mas espero de coração que esse médico novo seja realmente muito legal, respeite a sua vontade e que você tenha uma gestação e parto lindos! =)
      Um beijo pra você e pra pequena.
      MaH

    • Lu Ferreira    27/08/2015 - 09h59

      Mah,

      Talvez por ser um tema muito polêmico tenha você passado batido no meu texto, mas como falei no post, conversei sim com a médica sobre parto antes de decidir mudar. Não mencionei o índice, mas não precisei. Na conversa ela me informou que todos os procedimentos “de rotina” seriam feitos, ou seja… Poderia até ter minha filha via parto normal com ela, mas sofreria todos os procedimentos que muitas vezes nem são necessários e não teria voz durante o processo.
      E Mah, as pesquisas apontam que 70% das mulheres (de acordo com a pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz) preferem parto normal no início da gestação. Não acredito que esse número possa mudar tanto assim até o final sem a influência de um terceiro, que infelizmente sabemos que é o que acontece. Sei que é comum termos amigas que preferem cesáreas e etc, mas uma coisa é um dado estatístico, outra é a gente supondo baseado no nosso círculo, né? Sinceramente um número desses não dava pra discutir, eu simplesmente não confiaria nela.
      Bjo!

    • Lila    04/09/2015 - 15h53

      Que bom ver alguém com um comentário inteligente sobre isso…

  56. Laura    24/08/2015 - 12h53

    Lu, to adorando acompanhar sua gravidez.

    Apesar de ainda não ter filhos, me identifico muito! Também nunca tive aquele “sonho” de ser mãe, mas sei que quero ter filhos.

    Quando era um pouco mais nova, tinha muito medo de parto normal, mas depois de conversar com mães que tiveram esse tipo de parto, minha visão mudou pra mesma que vc tem: quero parto normal; cesárea só em caso de necessidade mesmo, não é a primeira opção.

    Admiro mto sua sensatez e também a iniciativa de pedir essas estatísticas da sua médica, eu desconhecia isso, e acho importante que as mães de forma alguma sintam qualquer tipo de culpa ou vergonha (no caso de o médico saber quem solicitou) em solicitar este dado; e mais importante ainda, de não se acomodar com um médico (mesmo que seja de longa data, como era o seu caso), e buscar alguém que compreenda e respeite sua decisão, e que entenda que você não é apenas mais um número, e sim uma pessoa.

    Boa sorte com a nova médica, estou na torcida pra que Bia venha ao mundo da maneira mais natural possível =D

    Bjs!

    • MaH    27/08/2015 - 20h36

      Lu, obrigada por ter a paciência de ler e responder o que eu escrevi. Eu li sim que você conversou com ela, fiquei mais na dúvida sobre ter conversado dos “porquês” das coisas, sabe? Tipo, porque ela acha necessário tais procedimentos, porque ela faz tanta cesárea…
      Mas de qualquer forma, isso não muda muita coisa. O que importa mesmo, é a segurança que você sentiu com o novo médico e a segurança que você não sentiu com a médica anterior. Esse momento é seu, e tudo deve ser feito pro seu bem estar. Até me arrependi de ter deixado meu comentário, porque não acho que tenho direito de questionar a decisão de uma mãe sobre o que ela julga ser melhor pro próprio filho! Ainda mais eu, que nem mãe ainda sou (quero muito, pra quando vier).
      E sou super a favor do parto normal, desde que passei no estágio da obstetrícia na faculdade… E vi o quanto o parto normal era lindo e natural (na faculdade a gente dizia “Parto Vaginal Espontâneo”) e a cesárea era nada mais do que uma cirurgia, que não me parecia nada natural. E apesar de ter questionado algumas coisas no seu post, foi super últil pra mim! Porque depois dele fui pesquisar sobre paralisia cerebral e achei artigos que me mostraram que a minha idéia estava errada – o parto normal não é o principal responsável e o alto índice de cesáreas não diminuiu a incidência, o que era meu único receio quanto ao parto normal.
      Te desejo de coração uma gestação linda e um parto mais bonito ainda, da maneira que você, seu médico, seu bebê e Deus decidirem que deve ser! =)
      Um beijo!

  57. Tati    24/08/2015 - 13h11

    Oi Lu, leio seu blog todos os dias, sou mãe de duas crianças, prof de yoga, então… sim, já fui radical xiita.
    E confesso:andava meio cansada com seus posts sobre gravidez, mas não esperava outra coisa num blog de consumo, com todo amor viu.Não é julgamento não.
    E nem me dava ao trbalho de ler as coisas sobre gravidez, pq já fechei minha fábrica e pq qndo paro prá ler blogs, QUERO RELAXAR DA FUNÇÃO SOCIAL DE MÃE! hahahahaha

    no entanto hoje…

    Hoje vc fez a diferença viu menina.

    Pq eu SÓ esperava de vc um discurso qqr coisa com um final cesariana. ( sim, te julguei.desculpe, sou humana, rsrsrs, vc deve estar me julgando agora tbm, mas vamos em frente)
    Eu tenho uma história de médico IGUAL a sua!
    Minha primeira filha nasceu de parto normal ( e a ajuda de uma doula foi fundamental, fica a dica), meu segundo nasceu de cesaria, PQ FOI NECESSARIA.
    A mudança de médico fez toda a diferença na historia de vida da nossa familia!

    Siga em frente mocinha!
    Siga seu coração!
    hoje vc fez A DIFERENÇA nesse universo dos blogs viu!

    Beijos,

    Dadi

  58. Julia    24/08/2015 - 13h13

    Lu, sou médica ginecologista obstetra, e ha algum tempo descobri seu blog através da minha cunhada que é amiga da sua irmã (da época de colégio)…. Não queria deixar de fazer um comentário sobre esse seu post. Sou a favor do parto normal, aliás acho até esquisito falar assim, já que não deveria existir isso… Ser a favor ou contra. A natureza é sabia, e o parto normal é o que deveria ser seguido. Cesareana é um ótimo instrumento que deve ser usado sim em casos específicos. A cultura brasileira distorceu essa idéia. As pessoas esquecem que se trata de cirurgia de médio porte, que tem riscos associados e que ignora a hora que o bebê está pronto para nascer. Mas o mais importante do seu post é o que você menciona sobre não ter radicalismos. A medicina avançou com o objetivo de proporcionar o melhor para as pessoas. Me assusta hoje a visão distorcida dessa discussão de parto humanizado. O parto humanizado é envolvido por amor e respeito, independente da via de parto, lembrando sempre da segurança da mãe e do bebe, acima de tudo. Espero que você tenha achado seu médico Lu. Porque o mais importante no pré natal é a confiança do paciente em seu médico. Poder confiar nele quando ele que tiver que tomar as decisões que farão melhor pra você e pra Bia. Te falo isso porque já estive nos dois lados, como médica e paciente. Tive a felicidade de ter uma médica que confiava 100% durante meu parto. Tive a felicidade de ter um parto normal sem nenhuma complicaçao, e ter minha princesa no dia que foi o mais feliz da minha vida. E é isso que espero pra você Lu. Continue levando sua gravidez com essa leveza que vc transmite, e tenho certeza que vai ser maravilhosa a chegada da sua Bia.

  59. Lis    24/08/2015 - 13h18

    Hoje, depois de ler seu post sobre partos e a forma como sistema brasileiro conduz esse momento tão delicado, depois de ver sua postura corajosa e consciente, com certeza passei a te admirar e respeitar ainda mais. Hoje mais do que nunca, você se tornou um exemplo para mim. Obrigada, e parabéns!

  60. Liz    24/08/2015 - 13h23

    Lu, que coisa boa ler isso aqui no Chata! Parabéns pela sua decisão, me emocionei com seu texto. Que a Bia venha na hora dela, com muita saúde, cercada de amor e respeito. Beijo pra vocês!

  61. Renata Moura    24/08/2015 - 13h28

    Que legal ler isso! Eu também me livrei do sistema. Troquei de GO quatro vezes, até encontrar um médico com índices muito mais agradáveis e que não me deixou com mais nenhuma insegurança. Estou com 28 semanas. Que Deus nos abençoe!!!!!

  62. Beatriz Crepaldi    24/08/2015 - 13h28

    Lu, esse post foi um afago na minha alma!

    Quando vi seu vídeo falando sobre preferir parto e confiar na sua médica de aaanos, mal dormi e ainda sonhei com você. Explico: eu pari e sei como isso.é difícil hoje. Mulher que opta pela cesárea vai conseguir e pronto (e pra mim tanto faz), mas mulher que quer parir tira meu sono. Tenho inúmeras amigas que sofreram violência ou tiveram seus partos roubados e é desolador. E parto normal violento ninguém merece, eu não queria que você passasse por isso, mas tive receio em comentar e parecer uma louca palpitando onde não foi chamada. Senti uma ponta de esperança quando ela não pedia ultrassom sem necessidade e fiquei torcendo pra ela ser humanizada.

    Hoje estou tranquila! Saber que uma mulher terá suas escolhas e seu momento respeitados enche meu coração de esperança. Saber que a Bia nascerá no tempo dela, quando ela estiver pronta, que vocês passarão juntas por essa transformação tão importante e necessária me enche de alegria!
    Espero muito que você faça um relato de parto depois!

    Sobre dor/analgesia: Pedro nasceu na água porque a água aliviou muito a minha dor, nnão tomei analgesia porque nao quis.
    Considere uma doula, fez muita diferença pra mim!

    Um beijo enorme, parabéns pela escolha e pela coragem de abandonar padrões.

  63. Ana Fernandes    24/08/2015 - 13h29

    Este documentário foi o estopim para um parto respeitoso. Eu e o meu namorado”fugimos” do meu GO na 36 semana de gestação por uma cesarea indicada por circular de cordão, tsc tsc… João nasceu de um lindo parto natural, após 11h48min em trabalho de parto ativo, e quer saber?! Foi a maior e mais incrível experiência da minha vida. Trazer ele ao mundo de forma calorosa foi mágico. Muita luz para vocês.

  64. Lilian    24/08/2015 - 13h33

    Nossa Lu, adorei ler sua declaração. Sabe aconteceu algo parecido comigo, minha médica desde os 12 anos sabia da minha vontade de engravidar e da idade, na época 38. Quis me passar um tratamento $$$$, e disse que teria dificuldades, isso foi em meados de agosto, fiquei triste, mas consciente de que Deus sabia das coisas, e que se não pudesse ter meu bebe do jeito tradicional, uma adoção seria o “tratamento” para minha dificuldade. Um mês depois descobri que estava grávida de 5 semanas. Tive medo também deste cenário de médicos cessaristas x médicos naturalistas, cada corpo é único e sabia que não dependia só da minha vontade para ter um parto natural, mas também procurei um médico de VERDADE. Acabei tento uma cessaria, mas confiante de que eu e o Dr. Jorge fizemos o melhor. E meu baixinho ta aqui!!! Lindo e gostoso!!

  65. Lorena Suhett    24/08/2015 - 13h51

    Achei demais ter tocado neste assunto!
    Eu tb tive receio de trocar de obstetra e o final é que caí numa cesárea. Na época achei que o médico tinha sido muito res´ponsável e tal, mas depois de um pouco de informação, acho bem questionável. Mesmo se tivesse meu PN com aquele GO, seria um parto cheio de procedimentos desnecessarios…
    Mas sobre este assunto de trocar de médico, quando comentei sobre o assunto uma vez, me questionaram: quando vc é cliente de qq coisa, seja médico ou não, se não se sente totalmente satisfeita, vc não troca? e é verdade… a gente fica tão insegura na gravidez (afinal é algo novo), que a gente nem pensa por este lado…
    O documentário é demais e nos faz enxergar as coisas por um outro ângulo.
    Desejo uma “boa hora” pra vc e que a Bia encha ainda mais o lar de vcs de alegria! Bjo.

  66. Fani    24/08/2015 - 13h51

    Oi Lu! Parabéns pela coragem! Ainda bem que estamos mais informadas agora. Há 9 anos qdo grávida da minha filha eu queria o parto normal e a médica me enrolou a gestação toda qdo eu falava sobre isso. Na época eu não percebi… No fim ela bem q “forçou” uma cesarea alegando que o bebe estava em sofrimento por conta de o bcf estar acelerado na consulta… A gente tem medo e não questiona lógico… Foi cesarea… Mas depois soube que ela não faz parto normal… Daí sempre terei duvida se foi realmente necessario… Ainda bem que você tá mais esperta que eu e percebeu essa tendencia do medico…e conseguiu mudar… Também não sou inflexivel porém a mãe que deve escolher juntamente com o medico o que é melhor e não impondo algo através de uma mentira (que nunca saberei se foi)… Parabens novamente e boa hora pra vocês

  67. Erika    24/08/2015 - 13h56

    Oi, Lu! Como é bom ver cada vez mais gente informada sobre esse assunto. Meu parto foi humanizado hospitalar. Como você comentou em um vídeo, o parto em casa me deixou um pouco insegura, e eu até visitei uma casa de parto aqui em SP, mas como o meu teste de estreptococo deu positivo, eu corria o risco de eles não me aceitarem lá na hora H. E nesse processo, o mais importante, além de ter me informado o máximo que pude, foi ter uma doula do meu lado. Ainda mais na 1a gestação. Nós não sabemos muito bem o que esperar, pq nunca passamos por isso, né? E assim que eu entrei em trabalho de parto, ela falava comigo por telefone, me acalmava, me tranquilizava… Quando eu achei que estava chegando a hora, ela foi lá em casa pra ver minha dilatação… E no hospital ficou o tempo inteiro comigo, nos ajudou a conseguir uma sala de parto com banheira, ficou fazendo massagem, propondo posições, conversando com meu marido também, tirando todas as nossas dúvidas… A obstetra também foi importante, pq no meu caso a bolsa não estourou e decidimos na hora que o melhor era que a médica estourasse minha bolsa e me desse ocitocina nasal para as contrações “engatarem” de vez… E no final, minha bebê veio perfeita, meu marido que a puxou de dentro de mim, ainda na banheira, com 2 circulares de cordão que a pediatra logo desenroscou, e depois veio direto pro meu peito… E o aprendizado só começou a partir daí… Rsrs

    • Erika    24/08/2015 - 17h08

      Esqueci de dizer que não fizeram episiotomia em mim e eu não tive nenhuma laceração. E acho que em parte foi porque meu marido fez massagem perineal com óleo, todos os dias, a partir da 34a semana, se não me engano, indicada e ensinada pela doula. Eu até li sobre o Epi-No, mas não usei e deu tudo certo. Se vc estiver, como eu estava, com um pouco de medo dessa parte, rs, vale a pena se informar…

  68. Mariana    24/08/2015 - 13h58

    Lu estou grávida de 28 semanas e troquei de médico há exatamente 1 semana. Me aterrorizava o fato de trocar com a gravidez tão avançada mas é um momento mto delicado onde precisamos confiar mesmo no medico e equipe. Além do meu primeiro médico ser bem cesarista agora parir no Brasil virou luxo mesmo tendo um ótimo plano temos que pagar a taxa de disponibilidade . Eu, que demorei 6 anos para engravidar e consegui através de uma fertilização in vitro me senti meio mercadoria sabe ? Nem discuto o fato da tal taxa e sim pagarei mas um valor bem inferior ao que o primeiro estava cobrando . Acho que os médicos precisam ser mais delicados e humanos e não nos tratar como se fôssemos apenas mais 1. É como o Márcio Garcia responde ao médico do primeiro filho dele no doc” você já fez isso milhões de vezes o bebê não” . Muito boa sua postura quanto mais a gente se informa mais corremos atrás dos nossos direitos. Com relação à intervenções desnecessárias com o bebê veja se consegue contratar um pediatra neonatal.
    Infelizmente os hospitais vão pingar colírio vão dar complemento etc. Com
    Um médico próprio conseguimos evitar tudo isso! Ainda estou pesquisando um para nos acompanhar. Boa hora pra nós !!! Bjs

  69. Ana Luiza    24/08/2015 - 14h04

    Nossa, que felicidade ler isso aqui. Parabéns pelo texto maravilhoso e esclarecedor, você abordou o tema de uma forma tão linda e natural! E pela coragem de lutar pelos seus direitos e não se acomodar na segurança da “médica conhecida”! Assim você está reescrevendo a historia da sua bebe, pode ter certeza.
    Talvez você ja conheça, mas não posso deixar de recomendar muuuuuito o blog da sua conterrânea Gabi, o http://vilamamifera.com/dadada.

    Beijos

  70. Thati    24/08/2015 - 14h15

    Lu, na minha primeira gravidez também troquei de medico com 24 semanas de gestação, o meu ginecologista vivia querendo marcar meu parto… e eu queria muito um parto humanizado… e não algo marcado, calculado… Foi a melhor escolha que fiz… o meu parto foi lindo… do jeito que eu queria…
    Boa sorte!! E que a Bia venha com muitaaa saúde, independente do tipo de parto..!!! :)

  71. Juliana    24/08/2015 - 14h23

    Lu, meu primeiro filho nasceu de cesárea, e tenho dúvidas se realmente era necessário. Eu tinha dilatação total, mas segundo a média o bebê estava “alto”. Meu marido ficou muito indignado pela condução da situação, pois nem foi avisado da mudança de planos, e decidi mudar de médica.

    Na segunda gravidez gostei de duas profissionais, e acabei optando por uma, maravilhosa, que defende e pratica o parto humanizado. Então, tive minha segunda filha, em um parto normal induzido (41 semanas, sem romper bolsa nem contrações), com uma cesárea anterior (fazia 2 anos e 2 meses que tinha tido meu primeiro filho).

    Por isso afirmo de carteirinha, temos que procurar um profissional que siga a linha que buscamos. Faz toda a diferença.

  72. Thamires Manoela    24/08/2015 - 14h27

    Comentei no t=youtube e vim comentar aqui.
    Lu vc teve muita coragem de falar das suas escolhas, e espero que vc com esse texto ajude outras mulheres.
    Eu sou doula mas não sou radical, nem me julgo “ativista” do parto, isso porque sempre vejo uma pessoa com seus medos e suas historias, cada um é único e ponto final. Mas vibro com cada mãe que estuda lê e toma seu parto pra si, a Bia será muito bem recebida a esse mundo, bjos.

    p.s. se precisar de qualquer coisa estou aqui, te ajudaria de coração.
    p.s. 2 Fica a dica pra ver o livro Prato com amor, tem fotos lindas e historias de nascimentos maravilhosas, vc e o Léo vão amar.

  73. Natasha    24/08/2015 - 14h36

    Oi, Lú!
    Vc chegou a perguntar para sua médica quanto ela cobraria para te acompanhar durante um parto normal? Afinal, ela teria que fechar o consultório e ficar ao seu lado exclusivamente.

    • Natasha    24/08/2015 - 14h42

      Vale lembrar que um ótimo neonatologista é fundamental, pois a saúde do nosso bebê é nossa maior preocupação!!

  74. Larissa Margulies    24/08/2015 - 14h49

    Lu, fico muito feliz quando leio textos como o seu! Eu também troquei de médico +/- na mesma época que você – na verdade, qualquer hora é hora pra ir em busca do que te faz feliz!
    E foi a melhor coisa que fiz! Meu parto foi lindo! O momento mais mágico da minha vida! Foi longo? Foi! Muito longo (o bebê precisa de tempo, o nosso corpo também); senti dor? claro! Mas olha: dor não é sinônimo de sofrimento!!! Lembre-se disso! ;) Foi a melhor dor da minha vida! Dor de “mamãe, estou chegando! me ajuda a nascer!”<3
    Você já deu os primeiros passos! Vai dar tudo certo ;) Nosso corpo é preparado para isso! A Bia vai sentir o amor, o cuidado e o respeito que você teve com ela pelo resto da vida (eu acredito!).
    :*

  75. Adriana Franco    24/08/2015 - 14h50

    Oi Lu, eu entendo muito bem a sua preocupação. Eu acho que o momento mais difícil na gestação é o parto (pelo menos foi para mim), pois é um momento de estrema delicadeza e magico ao mesmo tempo. Havia comentado em um outro post seu, não sei se teve a oportunidade de ler, mas não tive uma experiencia muito agradável com relação ao parto da minha unica filha. Eu sonhava todos os dias com o nascimento da minha princesa e sempre tive a convicção de que seria natural, afinal é a natureza da mulher, eu já me programava de como tudo aconteceria e que tudo seria perfeito. Engano meu …ele me trouxe um trauma que a 5 anos carrego comigo e não consigo me libertar e isso influencia e muito quando penso em ter uma 2ª gestação. No meu caso na época dependia do sistema SUS e não tive a assistência necessária que eu acreditava e ainda acredito que toda gestante deveria ter, fui atendida por uma médica e equipe totalmente despreparada e desumana. Minha filha veio ao mundo porque Deus quis que assim acontecesse e é nisso que eu me apego e agradeço todos os dias qdo olho pra ela e a vejo com uma saudade de ferro e derrubando a casa (rsrsrs).
    Por isso eu te digo não se envergonhe ou hesite em buscar um profissional que te passe toda segurança e certezas, esse momento tem quer ser incrível para todos vocês.
    Desejo uma gestação cheia de amor e um parto do qual te traga vontade de faze-lo repetir pelo menos mais uma vez. Sejam felizes!

  76. Silvana Santos    24/08/2015 - 14h51

    Oi Lu, na minha opinião o problema da alta taxa de cessaria por médicos particulares é que vejo que muitas mães optam por ter cessaria por n motivos (principalmente pela falta de encorajamento e a cultura que vc vai sofrer muito e etc) dai os médicos seguem esse baile para não perder dinheiro né.Vejo que até nas classes mais altas as mulheres não sabem de seus direitos durante o trabalho de parto e acham que o voz do médico é a unica certa. Do mais se o Brasil oferecesse qualidade na hora da mulher parir seus filhos não teríamos tanta cesária.
    Boa sorte e felicidades!

  77. Isabella    24/08/2015 - 14h54

    Lu, parabéns. Esse tema é tenso. Já tive minha primeira filha, não me senti violada durante o parto, que foi normal. Mas minha médica desistiu da obstetrícia e estou procurando outra, quero começar a tentar o segundo e meu maior medo é cair numa furada com médico novo. Adorei seu relato. Pode me indicar seu novo médico?
    Por favor!!!! Me manda por email: isabellamonteirogomes@gmail.com
    Muito obrigada

  78. Neila Carvalho    24/08/2015 - 15h03

    Oi Lu, tudo bem? Adoro seus post sobre gravidez e vejo o quanto é centrada e determinada. Assim como você não condeno e nem entro na luta normalxcesárea, mas desde minha primeira gravidez tinha certeza que iria ser normal. A primeira filha que hoje esta com 6 anos e meio, eu não consegui porque tive complicação na gravidez (pre-eclampsia grave) e mesmo internada 1 semana antes da Sofia nascer, meu parto foi de emergência. Sério, foi uma cesárea de emergencia. Mas eu tive a sensação da bolsa se romper e das contrações e só fiz cesárea porque minha pressão estava 22×18 e ela sentada. Passado alguns anos, quando resolvi engravidar novamente procurei uma médica que fosse indicada e todas as consultas eu fazia a pergunta sobre partos. Meu marido que é médico super me apoiava, mas quando a gente voltava pra casa, a gente tinha aquela sensação que seria cesárea. Então, com 23 semanas (quase igual você), meu marido convenceu a passar com um amigo dele médico , no começo não quis por eles serem muito amigos e eu ficava envergonhada. Só que naquela altura achei melhor e marquei consulta. Sai de la com esta sua sensação. Olha querida, quando estamos bem informadas é dificil nos enganar. E eu tive a gravidez tranquila até 36 semanas, quando minha pressão começou a subir um pouco (nada igual como na primeira gravidez). Meu médico não quis esperar muito tempo, então com 37 semanas internei para induzir o parto. E sim, tive parto normal pós cesárea. E foi o parto mais lindo do mundo!! Andei, sentei na bola, escutei música, entrei na banheira, chuveiro e só quando estava totalmente dilatada e pronta pra fazer força pedi anestesia, e isto foi respeitado. Detalhe, meu marido estava comigo o tempo todo! E nas últimas horas minha irmã entrou também. Me senti amada, acolhida e respeitada. Sim, vale a pena mudar no 2ª tempo. Espero que tenha um parto tão maravilhoso como o meu!! (independente de como for).

  79. Tati    24/08/2015 - 15h09

    Sempre com lindos textos :)
    Adoro suas postagens.
    Beijos
    Tati Baumjohann
    http://www.pausaparavaidade.com

  80. Paula    24/08/2015 - 15h10

    Lu, vc está no paraíso da humanização do parto. Existem vários blog excelentes sobre parto, com pessoas que estudam muito para escrever. Vou te passar alguns:
    http://estudamelania.blogspot.com/?m=1 (Esse é de uma obstetra e tem uma lista com as indicações verdadeiras e falsas de cesariana)
    http://www.cientistaqueviroumae.com.br/?m=1
    http://vilamamifera.com/
    E tem vários outros legais também. Tem um grupo excelente no facebook que se chama: Cesária? Não, obrigada! Lá tem coisas pra ler por uma semana sem parar. Kkkk
    Também estou grávida e venho estudando muito bem antes de engravidar porque tenho pavor de passar por uma cirurgia. Claro que se for necessário, farei uma cesariana, mas espero ter um parto natural. Boa gestação é bom parto pra vc. Bjos

  81. kelly    24/08/2015 - 15h12

    Fiquei muito feliz por esse post, eu já estava me sentindo uma ET por ter procurado outro médico pelos mesmos motivos. Embora alguns que me rodeie tenham feito parto cesáreo, sempre achei que eu não estava em condições de decidir e sim o meu corpo falar mais alto, qual seria a forma que fosse acontecer. Obrigada por compartilhar e ser tão sincera!

  82. Carolina    24/08/2015 - 15h17

    É isso ai Lu. Concordo com vc e não tem que ter medo de mudar não. Vc já leu o blog da Ana, do LookBebe? Me ajuda MUITO, me esclarece tantas coisas e ela escreve tão bem. Recomendo pras mamães e futuras mamães.

  83. Fer    24/08/2015 - 15h31

    Oi Lu!!

    Queria te falar que achei muit bacana vc se dispor a contar detalhamente esse período tão lindo na vida de uma mulher que é a gestação (vamo combina que não é só na vida da mulher né, e sim de toda a família que está em volta).
    Então, vou te confessar que fiquei relutando para não comentar, porque nao não deve ter coisa mais chata que seguidor mala que fica batendo de frente com suas opiniões, afinal a vida é sua, a gestação é sua e o blog é seu! Hahaha! Mas sabe quando a gente fica coçando quando ve alguém falando algo bem polêmico e quer também ser intrometido e dar sua opinião? Pois é, to sim! É porque faço medicina aqui em Minas Gerais mesmo e tenho carinho/amor especial pela Ginecologia e Obstetrícia. Não se é porque é a matéria mais bem dada da minha faculdade ou porque simplesmente já veio comigo essa admiração que eu nem sabia que existia (e vou te confessar que falta apenas 1 ano para me formar e estou lutando com todas minhas forças para não escolher a G.O porque sei o quanto essa área é complicada para a vida). Enfim, a questão é que não concordo com muita coisa essa política do parto normal que se tornou vigente aqui no Brasil. É MUITO complicado o obstetra ser taxado de “ruim” pelo fato de que seu índice de partos cesáreas é muito maior que o estipulado pelo ministério da saúde. Acho lindo, maravilhoso o parto mormal, sou super a favor dele, mas acredito que devia a N circunstâncias que a paciente pode apresentar, o parto cesária é tão maravilhoso quanto o outro! Até situações ante parto já sabiadas com antecedência são muito mais favoráveis a um parto cesárea que um normal, como, por exemplo, você faz um US e da que o feto está em apresentação pélvica. Da pra fazer parto normal, sim claro que dá, mas, depois de ter tido a experiência de passar pelo serviço de G.O do Hospital Escola da minha faculdade, vi que a segurança fetal está muito mais preservada na cesariana. Já imaginou que o médico (que preferia fazer a cesariana) optar pelo parto normal e se ver forçado a usar um fórceps com medo da criança entrar em sofrimento fetal?
    Bom, não sei, eu ainda não sou médica formada, não sei que área vou seguir, mas sou da seguinte opinião: essa forma de política pública de o índice de cesarianas realizadas pelo obstetra eu não concordo. Achei uma pena você desistir de sua antiga médica por causa disso.

    Desculpe se falei muita bobagem ou pelas críticas ruins. Te acho uma querida, desejo tudo de melhor para você e para sua família, incluido a mini bia haha ??. Ah! Não vou deixar de assistir seu canal do youtube nunca, AMOOO todas suas dicas de maquiagem e viagens!!
    Beijinhos

    • c    24/08/2015 - 18h40

      O seu comentário já mostra o quanto há falhas na formação do obstetra.
      80% de cesáreas não tem outra descrição: é absurdo mesmo.

      Leia Memorias de um Homem de vidro – escrito por um obstetra.

      Entre no universo da humanização e se não gostar saia dele.

      Parto humanizado só existe no Brasil. Nos outros países é simplesmente parto como deve ser.

      Não critique sem conhecer.

    • Nay    25/08/2015 - 01h24

      “É MUITO complicado o obstetra ser taxado de “ruim” pelo fato de que seu índice de partos cesáreas é muito maior que o estipulado pelo ministério da saúde.”

      Quem estabelece esse número é a Organização Mundial de Saúde (OMS), não o governo!

    • Lu Ferreira    25/08/2015 - 09h33

      Fer, entendo super sua resistência a essa “política do parto normal”, como vc chamou (eu não saberia definir tb, heheh) aqui no Brasil. Mesmo sempre querendo normal sempre tive preguiça das militantes, das pessoas radicais e de quem condena a cesárea… Como você é médica em formação acredito que você tenha uma oportunidade nas mãos… Ou você cai no sistema (que é pra onde você está indo) ou pode ouvir essas correntes novas e entender esse outro lado.
      Não sei qual a sua idade, mas quando eu estava na faculdade levava tudo que me ensinavam muito a sério – e é o correto, claro. Mas na prática a gente acaba entendendo que não é tudo tão preto no branco (e olha que eu estudei design, imagina medicina!). O que anda acontecendo hoje Fer, é um tratamento equivocado à gestante. A maior parte dos médicos ignora a parte humana e confia em números e procedimentos padrão onde não faz sentido que isso aconteça.
      E veja bem, eu não taxei minha antiga médica de ruim. Ela não é ruim, de forma alguma! Mas o alto número de cesáreas é um indício de que ela prefere seguir essa corrente padrão e não pensar no lado humano. Eu não concordo com isso e por isso mudei, mas respeito a antiga médica e sei que ela é uma ótima profissional, só não é a profissional pra mim.
      Acho que vale a pena você se informar um pouco mais, deixar o preconceito de lado, quem sabe conversar com médicos que são dessa outra corrente… Nem que seja pra você ter certeza que está no caminho certo, sabe? Acho importante.
      Bjs

    • Katia    25/08/2015 - 12h25

      Esse blog é de uma médica bastante competente além de cientista muito ativa, com inúmeras publicações em periódicos importantes! Também sugiro com uma fonte de inspiração a você, Fêr! Boas escolhas na sua trajetória de médica!!!
      http://estudamelania.blogspot.com.br/

    • Tatiana    25/08/2015 - 19h18

      Fer, desculpe.Mas seu comentário tem um monte de equivocos.
      mudei de médico, igual a Lu, mudei prá um médico que na conversa da humanização me avisou logo: desculpa, só faço parto fisiológico.
      ele me dizia:não entro nessa discussão, apenas faço o que é necessário.
      meu obstetra era implacável, rsrsrs, mas extremamente competente e experiente.( no parto do meu segundo filho, cesariana, ele colocou Withney Houston, meu filho nasceu ao som de iiiii willll alwaaayyyyysss love youuuuu, nem gosto dela, mas foi lindo, e sou grata a ele por isso)
      é isso que conta.
      se vc seguir por esse caminho, o da obstetricia, mergulhe fundo, de cabeça, conheça os dois lados profundamente, antes de argumentar através de artificios que não são aplicáveis numa outra forma de pensar o parto.
      Com todo carinho, espero que vc compreenda.
      bjs
      Dadi

    • Danielle    26/08/2015 - 01h41

      Pois é, mas o que eu acho complicado é a replicação de um dito resultado da OMS (que não consigo encontrar na Web, se alguém tiver, por favor coloque o link aqui), que seria de 1985.
      Não entendi a sua resposta à Fer. Só porque a menina colocou uma questão importante e tem um ponto de vista diferente do seu ela é preconceituosa e que não analisa os dois dados?
      O elevado número de cesáreas de fato não tem nada a ver com a qualidade do médico, o contexto tem que ser analisado porém o fato é que você não se sentia confortável com ela e fez certo de trocar. O que humaniza o parto é a confiança do paciente no médico, não a escolha da via.

      P.S.: O que eu acho de dado concreto (e não o que é replicado por aí) que fora raríssimas exceções os países que tem o nível de cesareana muito baixo ou são muito pobres ou são tradicionalistas que não admitem cesareana. Acho incrível que muitos países com sistema de saúde excelente tem índices maiores que os famosos 15%, a Irlanda com 26,7% e um índice desprezível de cirurgias desnecessárias (embora o nosso, eu admita, é bem duro de engolir). Não existe fórmula de bolo. Segue o link abaixo: http://www.who.int/healthsystems/topics/financing/healthreport/30C-sectioncosts.pdf

    • Lu Ferreira    26/08/2015 - 12h11

      Danielle, você não entendeu MESMO minha resposta.
      Pra começar não falei que ninguém é preconceituoso, isso foi você quem disse. Também não qualifiquei médico algum por índice de nada, isso foi ela e você quem disseram.
      O comentário dela é tendenciosamente cesarista quando ela ilustra com um caso possível por via normal e defende a cesárea… E veja bem, em nenhum momento condenei ninguém por preferir X ou Y, porque como já disse no meu texto e em diversos vídeos, acho horroroso ver essa guerra entre mulheres, não estou aqui pra mudar a opinião de ninguém, só expor a minha. Como grávida apenas quis mostrar a ela que existem outras correntes e aconselhei que ela buscasse mais informações, afinal ela está em formação.

    • Danielle    26/08/2015 - 19h03

      Nossa, não precisava ser agressiva dessa forma. Reli o comentário e não entendo da mesma forma que você, me desculpe.
      Gostaria também que o pessoal que cita colocasse o link sobre esse estudo da OMS, não consigo achar de forma alguma na Internet.

    • Lu Ferreira    26/08/2015 - 22h23

      Danielle, eu não fui agressiva em momento algum.
      Eis o link: http://www.who.int/reproductivehealth/topics/maternal_perinatal/cs-statement/en/

    • Daneca    26/08/2015 - 22h49

      Daniele, aí vai o link que vc não encontrou:
      http://www.who.int/reproductivehealth/publications/maternal_perinatal_health/cs-statement/es/

      Em tempo, lí o post e os comentários e em nenhum momento vejo a Lú sendo ofensiva, mal educada, radical.

      Esse é um assunto polêmico e a verdade é que a forma em que ela se posiciona, é linda e completamente válida.
      Triste é ter que brigar com todo o sistema de saúde para poder garantir que o filho nasça na hora em que estiver pronto e de forma respeitosa, isso deveria ser um direito básico, não?
      Mais sororidade, gente!

    • Danielle    29/08/2015 - 00h31

      Muito obrigada, Lu. Eu realmente procurei bastante esse link. :) Muitas pessoas mencionam e muitos nem leram o conteúdo dele. Não é do estudo de 1985 (o dos 15%) mas é a posição atual da OMS sobre o assunto e é super interessante.
      Parabéns pela sua coragem em mudar de médico para trazer a sua filhota ao mundo da forma como você se sinta mais confiante e segura, sem radicalismos. Independente da via de parto e de porcentagens, esse é o caminho do sucesso (do meu ponto de vista, lógico). :)
      Eu acho que eu realmente posso ter entendido mal seu comentário anterior e acho que até desviou o foco do que eu ia comentar no post, peço desculpas. Eu gostei bastante do cuidado com que você trata o assunto, apesar de ter uma opinião um pouquinho diferente.
      Que a Bia venha com muita paz e saúde!
      Beijos

  84. Angela T    24/08/2015 - 16h00

    Lu, que legal o seu post!
    Feliz por você! Que a Bia chegue no momento dela e com muito respeito.

    Uma coisinha, essa radicalismo todo é muito menor do que parece. A maioria das ativistas não são contras a césarea, e sim contra o sistema.
    Só que uma vez que a porta se abre, fica díficil não querer passar a informação adiante!

  85. Dayana    24/08/2015 - 16h08

    Lu, gostaria muito de saber como você conseguiu efetuar esta consulta. Procurei muito sobre isso, mas não achei
    algo claro que me dissesse o contato para efetuar a consulta do índice da minha médica.
    Aguardo sua resposta e desde já agradeço.

  86. Daniela    24/08/2015 - 16h36

    Eu troquei de GO com 32 semanas! Ainda não existia essa resolução, eu participava de grupos sobre parto humanizado e acreditava que a médica iria respeitar as minhas vontades. Após ela forçar o colo do meu útero com 32 semanas, senti dor, chorei sofri e encontrei o melhor obstetra do mundo: aquele que me respeitou! Tive um parto lindo! Desejo um super parto para você também! Fuja do sistema!!!

  87. Gisele Almeida    24/08/2015 - 16h37

    Parabéns pela sua atitude Lu.
    Ainda bem que voce buscou se informar e tomou essa decisao na hora certa.

    Estou muito orgulhosa de ver que vc tomou a posicao de informar suas leitoras/seguidoras sobre todas as possibilidade. Durante esse momento magico que é gravidez as mulheres devem mesmo se unir e ajudarem umas as outras.

    Minha filha nasceu em Estocolmo, aqui na Suécia cesarea somente em ultimo caso. Eu tive uma gravidez dificil um problema comum chamado dor pélvica, mas que no meu caso foi bem forte, a ponto de eu nao conseguir andar no fim da gravidez. Mesmo assim eu queria ter parto normal, mas tambem estava consciente que tinha grandes chances de ter cesarea por conta dessa questao.

    Resumindo> meu parto foi induzido na semana 41, foram 23 horas do momento que entrei no hospital até o momento que ela nasceu e deu tudo certo. Tive parto normal, minha filha nasceu linda e saudavel.

    Desde o pré-natal até o parto fui muito respeitada e todas as minhas duvidas, mesmo as que eu achava bobas, foram esclarecidas com carinho. Eu li tudo e mais alguma sobre a gravidez e parto, me informei bastante. Sabia que tinha 25% de chance de ter cesarea mas eu me apeguei na possibilidade de que 75% de chance era de parto normal!

    Futuras mamaes se informem o maximo possivel, sigam esse exemplo. E seja qual for a escolha do tipo de parto a decisao deve ser da mae e deve ser respeitada.

    Muito importante é fazer valer o direito do acompanhante, e essa pessoa deve ser a sua voz no momento do parto.
    Converse com quem for te acompanhar (marido, mae, irma, amiga) e explique suas vontades. Em alguns momentos do parto vai ser essa pessoa que podera -traduzir- seus desejos para a equipe médica.

    Lu, desejo toda sorte do mundo para você e para sua familia. E que a a Bia venha ao mundo na hora certa e muito saudavel!

    Abs,
    Gi
    http://www.viajarpelaeuropa.eu

    P.S. escrevi em um pc sem teclado portugues. Sorry pela falta de acentos…

  88. Daniele    24/08/2015 - 16h46

    Lú, arrepiei lendo o post!
    Minha história foi mais ou menos parecida com a sua, com 30 semanas decidi mudar de médico depois de muitas respostas evasivas e a postura de que procedimentos como a episiotomia são rotina sim e ponto, mesmo com os estudos da OMS que dizem que só em 10% dos casos seja necessário.
    Enfim, resumindo, mudei de médico e tive um parto muito respeitoso e bonito.
    Meu tempo e da minha Bebê foram respeitados, meu corpo trabalhou como um reloginho, tal qual eles explicam prá gente no curso de preparação.
    Teve dor, mas não teve sofrimento.
    A informação liberta!
    E se a gente pesquisa prá comprar shampoo, como não vai ser assim com a chegada dos nossos filhos?!
    Parabéns por protagonizar sua maternidade.
    Beijo, saúde, leite e vida

  89. Pilar    24/08/2015 - 16h54

    Nossa, te admiro ainda mais depois desse post. Parabéns pela decisão e coragem. Ainda estou longe de ter filhos, mas sempre pensei dessa forma: parto normal é o “normal”, cesárea só se tiver algum risco para mãe ou para o bebê. Além disso, cresci ouvindo minha mãe, que teve a experiência de parto normal e de cesárea de emergência, dizer que a recuperação do parto normal é muito mais rápida. É muito triste ver médicos incentivando uma cirurgia, quando desnecessária, em decorrência de aspectos financeiros e sua própria comodidade.

  90. Mi Vargas    24/08/2015 - 16h58

    Amei amei amei esse post :) realmente esse documentário é incrível!

    Fico super feliz que você foi atrás daquilo que você acredita usando o que está sendo fornecido (até porque a realidade é triste e não são todas as mulheres que se informam e simplesmente se entrega a opção fornecida de um primeiro médico). Não tem nada mais incrível que um parto humanizado. A realidade dos partos no Brasil está começando a mudar e sei que vai muito mais além, pra melhor (em BH, principalmente, com o Sofia Feldman).

    Escreva mais sobre esses assuntos. A gente sabe que a opinião de vocês, blogueiras, conta muito na vida de muitas pessoas. E um assunto desses assim poderia ser falado muito mais nesses meios. Acredito que influenciaria muito nessa mudança positiva que está por vir.

  91. Lane    24/08/2015 - 16h59

    Oii Lu!! Nao sei se ja te indicaram.. mas depois leia esse blog: http://vilamamifera.com/dadada/relato-de-um-parto-domiciliar-que-deu-errado-ou-isto-e-perfeito-aquilo-e-perfeito-o-que-procede-da-perfeicao-tambem-e-perfeito/  beijoo

  92. Mari Jorge    24/08/2015 - 17h02

    É isso aí xuxu, vai atrás mesmo, pq e não fui, e como te falei, mesmo tendo tido parto normal, me senti invadida, perdida, e sem apoio emocional.

  93. Juliana Sala    24/08/2015 - 17h24

    Oi Lu,
    Antes de mais nada queria lhe parabenizar por esse momento tão especial que você tem vivido.
    Estou casada há 2 anos, e pretendo engravidar logo logo, só quero acertar meu peso, pois estou um pouco acima do ideal e tenho medo de ter consequências na gravidez.
    Eu sempre quis ter parto normal também, mesmo a minha mãe tendo 3 cesáreas, sempre achei o mais ‘normal’ o normal….
    Várias amigas minhas já passaram por esse momento e infelizmente apenas 1 de pelo menos 7 amigas teve parto normal, todas as outras tiveram cesárea, tudo correu perfeitamente, porém sei lá, teve uma que no sétimo mês já tinha até marcado o dia sabe? Para mim fica estranho, parece mais um evento, ou um compromisso profissional do que o parto do seu filho, sabe?
    Gostei de saber que ainda tem pessoas que pensam igual a mim….
    Ah! Me fala onde você conseguiu assistir o documentário, que quero assistir também…
    Obrigada por dividir esse momento com a gente, acompanhamos tanto a vida de vocês que nos sentimos como amigas e ter você dividindo um momento tão especial, nos mostra que você realmente pensa em nós….
    Beijos e abraços.

  94. Viviani    24/08/2015 - 17h39

    Lú, minha segunda filha, Bia também, nasceu há uma semana de parto normal hospitalar, com uma médica que me respeitou completamente, tanto que esperou até 40 semanas e 5 dias, quando entrei em trabalho de parto (os médicos não gostam de esperar tanto), o parto foi super tranquilo e emocionante. Quando tive o meu primeiro filho, que também foi parto normal, eu havia contratado uma doula, e só por causa do apoio dela, consegui ter um parto normal, mas cheio de intervenções e impaciência da médica que também me acompanhava há anos. Tenho uma concepção sobre o parto normal, que sim, a dor existe e é necessária, mas sofrimento não faz parte dessa dor desde que exista respeito a mulher, e o melhor de tudo é o prazer do nascimento, assim que minha Bia nasceu eu estava gargalhando com ela no colo, antes mesmo de cortarem o cordão umbilical. Parto normal vale a pena! Um abraço e sucesso no parto!

  95. vanessa nunes    24/08/2015 - 17h42

    Lu, é muito maravilhoso ver que tu estás indo por esse caminho e empoderando-se enquanto mulher. Parabéns por questionar os padrões e agregar valor a uma causa tão importante com o essa. Caso ainda não conheça, te sugiro dar uma olhada no blog – Cientista que virou mãe – é sensacional! Beijos e tudo de bom pra ti!

  96. Daniele    24/08/2015 - 17h43

    Oi Lu! Não posso deixar de relatar aqui minha experiência de parto.
    Quando engravidei, poucos médicos estavam (e ainda estão) aceitando o meu plano de saúde aqui na minha cidade. Obstetra então, tinha pouquíssimos e mesmo com os outros planos de saúde, estavam cobrando o parto a parte. Além disso, o hospital do meu plano era péssimo, tive um aborto espontâneo meses antes de engravidar da minha filha e tive péssimas experiências com o hospital daqui, e isso é uma coisa quero esquecer. Felizmente, soube de mães daqui da minha cidade q tinham o mesmo plano de saúde q eu e fizeram seus pré-natais e tiveram seus filhos numa cidade vizinha, bem próxima (20 minutos) com médicos ótimos. Nosso plano era muito bem aceito nessa cidade. Me indicaram um obstetra e marquei a consulta meio com receio afinal nunca tinha ido num ginecologista homem. Adorei o médico logo de cara, já meio de idade, muito calmo, sem pressa de tirar todas as nossas dúvidas. Logo na 1ª consulta ele me perguntou q tipo de parto eu queria e eu disse q não queria sentir dor. Como eu já tinha 35 anos, ele me aconselhou a cesárea, pois, segundo ele, nessa idade nosso útero já é mais rígido. Perguntei sobre o parto normal com anestesia e ele tb não me aconselhou pois com anestesia não sabemos muito bem a hora de fazer força e com o útero já meio rígido, poderia ser dificultoso e sofrido para o bebê. Então tava decidido: cesárea. Na minha última consulta eu já estava com 38 semanas e marcamos o parto pra dali 1 semana, eu estaria com 39. Na madrugada do dia seguinte à minha consulta, acordei sentindo umas dorzinhas muito fraquinhas q achei q eram gases, mas q ao longo do dia iam e voltavam e cada vez mais fortes. Liguei pro meu médico q me tranquilizou dizendo pra eu ir pro hospital pra passar na emergência, porém ele não achava necessário já levar as malas para me internar. Como era em outra cidade, achei melhor levar e lá chegando, a médica de plantão me examinou e eu estava entrando em trabalho de parto. Ligaram pro meu médico q chegou muito rápido e adiantamos a cesárea. Graças a Deus, não tenho do q reclamar. Não senti nada do q me disseram q sentiram no pós-cesárea como tontura, muitos gases, dor de cabeça… nada! Minha recuperação foi ótima e hj vejo q foi a melhor decisão q tomei. Além disso, o hospital era maravilhoso!!! Se eu não tivesse entrado em trabalho de parto, iria chegar no hospital com dia e hora marcada para me internar e ter a minha filha, simples assim. O q eu mais gostei foi q, mesmo sendo cesárea, teve a emoção de ligar pro meu marido e dizer q precisava ir pro hospital, pegar as malas meio na correria e depois chegar lá e ligar pra família e dizer: vai nascer!!! rsrs
    Já minha cunhada, qdo teve a minha sobrinha, fez parto normal, levou aquele cortezinho q acho q todas levam, inflamou e ela quase não conseguia andar nem se sentar depois na 1ª semana pós-parto. Ela disse q antes tivesse tido cesárea, pelo menos não teria sofrido com tantas dores.
    Sei q isso é de mulher pra mulher, tem pessoas q se recuperam mais rapidamente, outras nem tanto. Não to aqui pra defender a cesárea nem falar mal do parto normal. Só acho válido vc saber de várias experiências pra tomar sua decisão.
    Fica com Deus. Bjo

  97. Isadora Trinquinato    24/08/2015 - 18h45

    Oi Lu! Que delícia ler esta matéria ! Me sinto muito feliz quando vejo as mulheres buscando e estudando sobre suas gestações, partos e bebês, isso é extremamente importante! Sou aluna do 4o ano de enfermagem da USP, amo de paixão a obstetrícia e posso te dizer de olhos fechados que uma mãe informada tem um parto mais tranquilo, realizado e com menos traumas. O que acontece muito é o medo que temos nesta hora tão mágica de questionarmos a “autoridade médica”. Os médicos, enfermeiros e obstetrizes são apenas um meio para que seu bebê chegue ao mundo, pois quem faz seu parto é você! E não tenha medo de colocar seus conhecimentos em prática, caso discorde da opinião da equipe; se necessário, troque de hospital mesmo em cima da hora, em trabalho de parto (isso se você optar pelo hospital, logicamente!). Te desejo um bom parto, que este seja um encontro único entre você e sua filha, e que ocorra da melhor forma possível ! Beijos e parabéns!!

  98. Carla Araujo    24/08/2015 - 19h55

    Lu desde que conheci seu blog me apaixonei e agora então estou triplamente apaixonada por ele. Você é uma mulher surpreendente e agora com essa decisão então, nossa… estou sem palavras pra você. Sua decisão vai fazer com que as milhares de mulheres que te acompanham, se empoderem e encontrem essa força e esse poder de decisão que toda a mulher, toda grávida, toda mãe tem. Parabéns Lu, a você e a toda sua família. Um bom parto pra você, estamos aqui torcendo por isso.

  99. Glaucia    24/08/2015 - 20h01

    Oi Lu, tudo bem? Estou acompanhado a sua gravidez desde o primeiro vídeo quando você contou para todo. Fiquei muito feliz por vocês dois é super empolgada, por coincidiu com o fato de eu estar grávida também (faço 24 semanas quarta feira). Então, achei incrível poder acompanhar de “perto” e poder ouvir o depoimento de alguém que estivesse passando pelo mesmo momento que eu.
    O seu diário de gravidez, tanto aqui no blog como no YouTube, tem servido para que eu consigo perceber que muitas das minhas dúvidas/ansiedade são comuns e que está tudo bem.
    Concordo em gênero, número e grau com esse seu post. Para mim o parto normal também sempre foi algo natural e nunca pensei em outra opção, a não ser em casos extremos. Tenho procurado entender todo esse universo do parto, que é muito diferente e mais complexo do nós podemos imaginar. E acredito que o parto humanizado seja a melhor opção.

    Escrevi um testamento, desculpa! Hahaha
    Desejo muita saúde para você e sua filha! Bjs

  100. Cláudia    24/08/2015 - 20h12

    Lu, siga sempre seu coração! Além de sabermos parir, nós mães temos um instinto único.

    Passei pela mesma coisa que você: troquei de obstetra quando estava com 29 semanas (!!!) ao perceber que eu estava indo para um caminho onde minha médica apenas me enrolava e dava voltas em torno do plano de parto normal.

    Meu novo médico foi como um presente de Deus, me escutou, me indicou uma doula maravilhosa que acompanhou tudo (inclusive durante o parto) e, no final, meu marido que me ajudou no parto que colocou meu filho nos meus braços. Não teve colírio, não teve luz acesa, não teve nem banho. Foi lindo!

    É muito importante se informar – no meu caso quase tive uma overdose, hehehe – mas como mães também podemos contar agora com um instinto infalível! Parabéns!

  101. Maria Dalva    24/08/2015 - 21h01

    Me emocionei lendo seu relato, Lu!!! Parabéns!
    Que a Bia venha ao mundo da forma como você deseja! Muita saúde pra vc e pra sua princesinha!!!

  102. Juliana    24/08/2015 - 21h09

    Lu, estou gravida de 5 semanas e procurando um obstetra que eu me sonta segura. Como podemos ter acesso a essa estatistica de partos que o médico já realizou? Bjs

  103. Marcela de Vasconcellos    24/08/2015 - 21h40

    Lu,
    Não sou mãe, mas fiquei MUITO feliz em ver seu vídeo ontem. (não comentei no YT pq lá tem essa palhaçada de ter que ter perfil no Google+ e eu não quero, pq não separa???).

    fiquei feliz não pq vc escolheu um parto normal, ou normal hospitalar, humanizado, normal residencial, na água, de cócoras, de pé na Paulista ou cesárea programada de acordo com mapa astral….fiquei feliz porque você escolheu a INFORMAÇÃO.

    Essa é a chave para que seu parto seja uma lembrança espetacular. Se você sabe o que é uma cesárea,o que seu bebê passa quando vc escolhe uma, o que acontece com o seu corpo…então, que seja. Não há resolução que proíba um paciente (e a grávida é vista como paciente) de escolher uma cesariana.

    O que não pode é você achar que vai ser uma coisa e ser outra. Parto normal é difícil, dizem que é a coisa mais difícil que uma mulher pode fazer. mas ela pode. Só precisa se “treinar”, sentir segura, amada e apoiada. E ter a certeza de que se der errado tem um plano B, que salva vidas, como você bem disse.

    Feliz demais e admirando cada vez mais vocês dois. A informação é a arma. <3

  104. Francieli Jantsch    24/08/2015 - 21h53

    Oi Lu!
    Que post incrível!!!
    Acompanho teu blog a muito tempo, mas raramente comento, porém hoje não tive como não fazê-lo.
    Parabéns pelas palavras! Acredito que irá sensibilizar muitas mulheres e incentivá-las a procurar o parto que acreditam ser o melhor para elas e para seus bebês.
    Quero te dizer também que minha admiração por ti cresceu exponencialmente!
    Ainda não sou mãe, nem estou grávida, sequer sou casada hehe, mas quando chegar minha vez também quero ter o direito de poder escolher.
    Parabéns também ao Léo, por casar com uma mulher tão incrível.
    A Bia com certeza será linda e muito amada!
    Um beijo bem grande e uma boa hora!

  105. Debora    24/08/2015 - 22h27

    Lu, faz algum tempo que eu acompanho seu blog, uns cinco ou seis anos pelo menos, mas nunca tinha tido coragem de comentar pelo que lembro. Quando comecei a ler eu lia mais de trinta blogs por dia. Hoje leio quatro por semana – vc, Coisas de Diva, Modices, Thaís Farage. Fim. Por um tempo tive blog mas até deixei de lado porque esse mundo é bastante tóxico né? Tem que ter fibra pra ficar nele.
    Enfim, eu me identifico muito com seu estilo – muito mesmo. Já aconteceu várias vezes de uma marca lançar algo e eu ficar maluca pra comprar mas me segurando e, de repente, ver você usando (o que geralmente me faz não resistir e comprar hehe). A última vez que isso aconteceu foi com aquele vestido da Farm lindão que você usou em Tiradentes. Enfim, eu aprendi com o passar dos anos que moda não é ter a última tendencia e que viagem não é ir pro lugar da moda mas são formas de expressão e de vivência que dizem muito sobre quem você é no mundo. Tenho visto seus vídeos ultimamente e me identificado muito com eles – inclusive sua dinâmica com seu marido é muito parecida com a que tenho com o meu aqui em casa (aliás casamos no mesmo ano haha) e fui percebendo que minha identidade com seu estilo tem muito do jeito que eu escolhi viver minha vida e de quão parecido isso foi ficando com o jeito que você escolheu viver a sua, sabe? O legal dos blogs é poder sentir esse tipo de coisa a distância, pegar um pensamento de alguém, ler e sentir um “eu concordo, eu também acho isso, eu também passo por isso”. Mas eu ia ficando quietinha e deixando pra lá essa vontade de comentar.
    Aí hoje não deu pra resistir porque esse post foi demais. Me deu orgulho de continuar te lendo e me fez entender que sim, essa coisa que passa pela minha cabeça de que estilo é uma forma de colocar pra fora o que a gente sente é verdade. Porque uma das blogueiras que mais inspira meu estilo diz coisas que me fazem ter orgulho, sabe?
    Obrigada por esse post <3.

  106. Andréia Campos    24/08/2015 - 22h33

    Bem interessante… não sou mãe e ainda vai demorar muito para este momento chegar, mas é sempre interessante saber destas informações.
    Sou como você e acho que o que é natural é “melhor”. Eu nasci de parto natural e se tem uma coisa que é uma grande vantagem (além das que você citou) é a recuperação mais rápida da mãe.

    Como trabalho em indústria farmacêutica, já escutei falarem muito deste documentário e de várias situações parecidas, mas também sempre tive medo de ver. Na verdade tinha muito medo de me informar sobre qualquer coisa a respeito e acabar com medo de ser mãe no futuro.

    Mesmo lendo seu post, confesso que estava muito ansiosa e fui sentindo o coração bater mais rápido a cada linha. Foi só com a confiança de vários anos acompanhando seu blog que sabia que não falaria nada assustador.

    Infelizmente existem sim muitos médicos picaretas por aí que acabam forçando seus pacientes, ou até passando informações erradas para que eles escolham o meio que é mais lucrativo para o médico.
    Porém hoje em dia estas “mentiras” se espalharam tanto que muita gente tem medo do parto normal e acha a cesárea mais segura!!! Por isso acho muito difícil avaliar um médico apenas pelas porcentagens de procedimentos que ele faz… mas sim, entendo que você não mudou por isso e sim por se sentir mais confortável em outro local.

    Lú, acredite ou não, mas MG é conhecido entre os médicos por ser um estado extremamente conservador e difícil de aceitar técnicas inovadoras. E hoje em dia, o parto normal que é a “inovação”…

    Acho importante seu relato para ajudar as outras gravidinhas deste Brasil a entender a real situação destes procedimentos, que infelizmente, viraram um mercado lucrativo neste país…

    Beijos Lu querida! Muita paz nesse parto ;)

  107. Gleice    24/08/2015 - 22h44

    Parabéns! Parabéns! Parabéns!
    Excelente escolha sem dúvida alguma. Eu tive medo de correr do meu GO e me arrependi amargamente disso.
    Fui ter um PNH agora na minha segunda gestação e te digo que a diferença e gritante, como você mesma já notou.
    Fico feliz de vc ter se encontrado, saído da matrix e agora levantar uma bandeira que e tão legal!!
    Feliz d+ por vcs 3!!!

  108. Cássia Lopes    24/08/2015 - 22h59

    Lú, chorei. Sério. Sou mãe de três filhos, quem dera eu tivesse tido essa sua percepção no meu primeiro filho. Informação é tudo. Muito lindo ver isso em você. Que você se informa. Se empodera. Um abraço. Você fez meu dia mais feliz.

  109. Mileide    24/08/2015 - 23h43

    Luuu!!! Sempre visitei sua página, mas depois q engravidei abandonei um pouco os blogs de moda e viciei nos blogs de maternidade.. Nem sabia que vc estava grávida, qd li o compartilhamento no Face do Renascimento do Parto achei tão legal você estar se informando sobre parto humanizado!!! O meu foi normal e eu amei, estou grávida novamente e não vejo a hora de parir de novo, foi maravilhoso!!! Se informe, procure uma equipe legal e vc vai amar trazer seu bebê ao mundo naturalmente!!! Parabéns e MTA saúde p vcs!!!

  110. Graziela Silva    25/08/2015 - 01h27

    Lu, acho que vc fez certo. Melhor estar segura e tranquila nesse momento que será tão importante. A atitude q devemos tomar é essa mesma, de questionar, buscar entender a filosofia de trabalho do profissional. Pelas pesquisas, grande parte das brasileiras querem normal no início da gravidez, mas vão desitindo ao longo do caminho. E isso tem muito a ver com o atendimento q recebem no pré-natal; é aquilo, o médico q deveria tranquilizá-las faz o contrário, justamente pra criar uma situação q no final só conveniente para ele. Eu tive PN com analgesia e foi ótimo. Um livro q li e recomendo é o Qdo o corpo consente. Tem umas partes meio chatas, mas uma das autoras ensina alguns exercicíos de respiracão q me foram muito úteis no final da gestação (eu fui até a 41 semana) e no dia do parto.

  111. Chris    25/08/2015 - 05h00

    Arrasou Lu!! Sem palavras para o post! Levando informação a um outro nivel. Bjos

  112. Joyce    25/08/2015 - 09h33

    Lú, trilhei exatamente o mesmo caminho que VC, estou grávida de 30 semanas. Antes de tudo: CONTRATE UMA DOULA!!!! Das boas!! Há vários estudos indicando que a presença delas é mto benefíca para a mãe pq diminui as intervenções desnecessárias. Dizem que são anjas para o alívio da dor, além de darem um mega suporte durante a gravidez com informações, conversas, ombro amigo. Doula é o que há!!! Pense na possibilidade. Assim como vc, eu achava que Parto Normal seria uma “coisa normal”, e sempre desconfiei da militância pró humanização. Até que, aos poucos, me informando vi que precisaria romper com um padrão imposto para conseguir o simples, o natural. Troquei de médica, corri atrás de uma ” equipe humanizada ” e hj estou em paz e contando os minutos para viver a experiência mais intensa da minha vida, conhecer meu lado “bicho”, explorar meus limites, passar pelo rito de passagem psra me tornar mãe. Hj entendo que essa ” militância ” é chata, mas necessária. Para romper um padrão tão forte e inquestionável como o padrão obstétrico brasileiro, tem q ter MTA luta, mt debate e MTA articulaçãoarticulação. Somos uma geração de transição, estamos quebrando paradigmas. Bjs e mto leite p VC.

  113. Fran Braga    25/08/2015 - 09h42

    Lu, parabéns!!!!!! Eu me descobri com uma médica cesarista na 28 semana de gestação. Chorei demais e me arrependi de ter sido “inocente” e não ter me esclarecido melhor antes de chegar a este ponto. Tambem peguei as estatisticas, de todos os médicos do meu plano e choquei. Percebi também numa conversa que não daria certo, mas estou ainda terminando o pré-natal com a mesma médica. Moro no interior de Minas e simplesmente NÃO tenho opção de médico não-cesarista aqui. Mas quero muito o parto normal e acho que, mesmo pagando plano particular, possivelmente farei pelo SUS. Por causa da lógica pró-parto normal. Tô completando 36 semanas amanhã. E já me acalmei, pois será como Deus quiser. Não farei uma cesária eletiva, jamais, não é a minha vontade. Mas saber mesmo como será o parto, só quando chegar. Tenho certeza que Deus me dará uma boa hora, rs. Não se preocupe demais, a ansiedade não faz bem para esse bebê que tanto ama. Mas faça tudo que estiver ao alcance de suas mãos. Beijos!

  114. Marina    25/08/2015 - 09h46

    Quando estava grávida fui em um médico no vila da serra que nem mesmo me pediu pra fazer exame nenhum e não queria nem.considerar um parto normal, no meu segundo mês de gravidez eu estava 15 kg amais e o meu Gastro ao me ver me disse que tinha algo muito errado e me indicou outra médica, ao chegar nela, vi que estava tudo errado, fizemos exames e consegui perder 9 kg durante a gestação fiquei até as 40 semanas e 6 dias aguardando o parto normal, apor tentarmos várias coisas para fazer meu colo abrir a médica decidiu pela cesária e não tenho do que reclamar, ele veio no tempo dele e na hora certa com muita saúde e lindo. Acho que temos que encontrar um médico de confiança, tenho certeza que tive essa sorte e o quanto é importante nos sentirmos segura nesse momento importante e delicado.

  115. Ana B    25/08/2015 - 10h25

    Lu,

    que notícia boa, post maravilhoso, edificante!!!!

    Que bom que teve a coragem de ir atrás do que acreditava.

    Enquanto todas as minhas amigas tiveram cesárea eu fui atrás e tive um parto natural maravilhoso.

    Foi uma experiência profunda e energizante, que me marcou para sempre.

    Desejo tudo de melhor para você no seu momento.

    Uma boa hora!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  116. Samara    25/08/2015 - 11h00

    Lu,

    é maravilhoso ver você falando sobre este assunto, que é seríssimo no nosso país. Tenho acompanhado amigas/conhecidas na jornada dor parto e todas, sem exceção, queria parto normal e acabaram numa mesa de cirurgia. Tudo isso nos faz questionar que tipo de profissionais estamos lidando: médico que colocam medos desnecessários nas mães obrigando-as à marcar uma cesárea sem necessidade.
    De fato o parto deve ser uma escolha da mulher, mas não há escolha se todo o sistema concorda em apenas fazer cesárea não é mesmo? Por isso a importância deste post.
    Também quero dizer aqui um “conselho”….li muitos comentários, a maioria com belas experiências de parto, mas algumas que “botam” medo. Não se deixe levar pelas experiencias dos outros. Converse com seu médico (e por isso a importância de um profissional confiável) e confie nas suas decisões. Cada parto é um parto, cada mulher é uma mulher.

    Fica em paz.

    Saúde para vocês duas!

  117. Beatriz    25/08/2015 - 11h26

    Lu,
    Me identifiquei muito com o seu relato. O filme “O renascimento do parto” foi determinante para mim. Inclusive, eu fui acompanhada pela doula que o idealizou, a Érica de Paula, e também participei do crowdfunding para viabilizar a sua divulgação nos grandes cinemas. Estar com uma equipe que apoie as suas decisões é determinante para conseguir ter um parto normal no Brasil. Por isso, acho que você fez a escolha certa ao procurar outra equipe médica! Parabéns!

  118. Raquel    25/08/2015 - 11h40

    Lu, estou tãaao feliz por vc!!
    Quando vc postou o vídeo contando sobre a confiança que tinha em sua médica, fiquei muito receosa, pois infelizmente não costumamos questionar as práticas médicas e, como vc já sabe, vários procedimentos são, na verdade, uma violência contra a mãe e o bebê.
    Mas vc mesma falou que estava estudando bastante sobre o assunto (informação é poder!), então soube que seria questão de tempo vc assistir O Renascimento do Parto e encontrar informações sobre o nosso triste sistema atual.
    Que bom que vc terá um parto humanizado = com base em evidências científicas, com a assistência de profissionais conscientes do respeito que se deve ter ao fisiológico e ao papel principal, que é o da mulher.

    Parabéns pelo empoderamento!

    Um abração!! :*

  119. Tamy    25/08/2015 - 13h09

    Oi Lu!

    Em primeiro lugar (por mais que seja mais um comentário dentre tantos….), parabéns pela iniciativa e coragem de expor a sua posição frente a gente. Eu já te adorava e hoje te admiro ainda mais.

    Fui mãe de primeira viagem há 1 ano (minha bebê é o melhor pedaço de mim) e tb fui devorar toda a literatura que eu encontrava a respeito de parto, de amamentação, etc. Como boa pesquisadora como profissão, era óbvio q para a coisa mais importante da minha vida, teria mto estudo e dedicação.

    Tem que ter filtro sim, mas eu entendo as ativistas… A gente teria muito menos informação se não fosse por elas…. Na verdade, me tornei uma, que não brada aos ventos que todas tenham um parto com respeito e condena a cesárea, mas que vai ajudar a quem perguntar como seria a melhor maneira desse momento lindo acontecer.

    Eu confrontei a minha médica de longa data – que não é humanizada – e descobri tudo o que vc descobriu na sua. Mas eu bati o pé, e disse que confiava nela e era isso o que eu queria: respeito. Era isso que eu queria. Contratei uma doula e ela concordou, e eu, sozinha, pari minha filha. No final, somos nós é que temos que agir. Parei de confiar cegamente médicos (vc vai ver, cada vez mais vc vai duvidar de todos eles) e hj questiono cada vírgula de qq um deles. É o nosso papel, né? Afinal, é a sua vida e a da Bia em jogo.

    Desculpa o longo comentário.

    Boa hora! =)

  120. Rhuane    25/08/2015 - 14h20

    Lu, nunca comento mas hoje preciso. Simplesmente passei a te admirar mais ainda depois desse post. tive parto normal, e não me arrependo jamais! Concordo com você que a cesárea é um grande avanço, mas pra ser feita apenas quando necessário, e não como padrão.
    Fiquei admirada e vejo que vc será uma mãe maravilhosa, pq acredite, já vi blogueira hypada se gabando que já tinha “até” trocado fralda duas vezes do filho que já tinha alguns meses…
    Parei até de seguir, não acho que seja menos mãe que eu por isso,longe de mim julgar assim, mas vi que não tem nada a ver com a minha vida e realidade. rsrsrsr
    Aco que você é mais gente como a gente! rsrsr

  121. Gizele    25/08/2015 - 15h22

    Oi Lu..
    Parabéns pela Bia, fiquei muito feliz quando você contou que esta gravida no blog .
    Já te sigo a muito tempo mas nunca comentei nos seus posts…(timidez) mas hoje lendo sobre esse assunto decidi me expressar também.Estou gostando muito dos seus tópicos sobre sua gestação pois estão sendo de grande ajuda pra mamãe de primeira viajem aqui também.
    Estou gravida de 5 semanas apenas ,mas como você antes mesmo de ter um filho já tinha esse pensamento na cabeça de conceber um filho por parto normal.Vim ao mundo assim e acho que meu filho também merece. Já vou começar minha consulta com minha medida e também vou pedir ao meu plano de saúde essa estatística de parto pois achei de grande ajuda e auxilio.Pois se as estatísticas não forem satisfatórias vou pular fora logo no inicio ..
    Não tenho tanto medo da dor como algumas pessoas costumam usar para argumento da escolha da cesárea.
    Pois a dor do parto normal é naquele momento de nascimento e o da cesárea é depois. Pra voltar a rotina novamente imagino que seja um sofrimento.Mas também se por vontade de Deus eu tiver que optar por esse método não vou ser a “ignorante” e vou aceitar sim; ainda mais se estiver em risco minha vida e de meu bebe.
    Acho muito importante você questionar sobre esses assuntos que para pessoas como eu são de grande duvida e ao mesmo tempo esclarecimento.
    Um grande beijo de agradecimento.Posso não comentar mas estou sempre aqui acompanhando você o Léo e a Bia.
    Obrigada por tudo.

  122. Sibele    25/08/2015 - 17h35

    Oi Lu, tenho a mesma opinião que vc em relação ao tipo de parto e super apoio sua atitude. Sou farmacêutica e acho mto triste os índices de cesária/parto normal do nosso país… e o mais triste é que todo o sistema estimula médicos e mulheres a optarem por cesária. Na saúde pública, o valor que o SUS paga aos médicos pela cesária é bem maior e com a cesária os médicos têm a conveniência de ter hora marcada para fazer o parto. Além disso, alguns convênios só cobrem o parto se ele for realizado por um médico plantonista, ou seja, se a mulher só confia em um médico específico ela vai acabar agendando uma cesária para o dia do plantão daquele médico pelo simples fato de que não conseguiria deixar a própria vida e a do bebê nas mãos do profissional desconhecido da vez… sem querer desmerecer o trabalho de ninguém. Admiro sua coragem para agir e falar abertamente sobre isso aqui e no youtube! Com certeza tudo vai dar certo para que a Bia chegue com mta saúde! !! Bjus

  123. Ana Luisa    25/08/2015 - 17h56

    Oi Lu, tb estou grávida e a minha Melissa nascerá um mês antes da sua Bia.

    Assim como vc, li o google inteiro, mas graças a Deus achei uma médica bem equilibrada (bem mesmo, o partograma dela deu meio a meio entre cesária e normal…rs) e hoje sei bem o que quero.

    Quero um parto normal, mas que preze pela minha saúde e da minha filha, quero anestesia pq ninguém merece sintir dor sendo que temos recursos, o que não vai tirar em nada da beleza do nascimento da minha filha, só vai permitir que eu faça com tranquilidade e sem sofrimento, quero a episiotomia SE ela for necessária e quero que a minha filha receba o melhor atendimento.

    Li muitos relatos de partos humanizados, alguns bem radicais, ouvi também muitas histórias de amigas que não receberam as instruções corretas, médicos que fizeram de tudo para terminar em uma cesária e até uma mãe que recebeu a dosagem errada de ocitocina, teve 4 minutos de contrações com 1 minuto de intervalo (um absurdo) e no final não tinha mais forças para o expulsivo e terminou em uma cesária.

    Por isso é importante ter uma equipe de confiança, questionar, se informar e ter certeza do que quer, para que possa ter um parto humanizado, mas um humanizado real, que leva em consideração as suas preferências.

    E que Deus possa abençoar esse momento tão especial de nossas vidas.

  124. Lívia Santiago    25/08/2015 - 18h01

    Importante ressaltar que o post da Lu não toma nenhum partido que não a valorização da LIBERDADE DE ESCOLHA. Não se trata de qual o melhor método, mas sim de que as suas escolhas sejam respeitadas.
    Pleno 2015 e a gente ainda tem que lutar por isso, que é absurdo por si só.

    Eu não estou grávida nem planejo um bebê num futuro próximo (a to do list ainda tem itens pendentes, rs), mas cada post seu sobre gravidez faz com que eu me identifique mais com você, Lu! É tão revigorante ver um pouco de equilíbrio nesses tempos de polarização… A Bia tem muita sorte de ter você e o Leo como pais!

  125. Rafaela    25/08/2015 - 18h10

    Lu, ainda não sou mãe mas pretendo engravidar em breve. Por conta do seu post pesquisei sobre os partos no Brasil e os indíces são assustadores.
    Já tinha a idéia fixa do parto normal e padrão… Esses que são feitos nos hospitais e maternidades, com todo o equipamento e medicamento… Mas o parto humanizado me encantou! Ele é sensato e na singularidade da palavra… Natural! Continue com os seus posts que com certeza tem ajudado muita gente a tirar dúvidas que já eram opiniões formadas! Um beijo e muita saúde durante a sua gestação!

  126. Vanessa    25/08/2015 - 19h11

    Lu, você está certíssima. Achei sua decisão corajosa e muito prudente. Trocar de médico neste momento não deve ser algo simples de fazer e não deixar isso calar seus anseios é incrível. Hoje e sempre precisamos nos sentir respeitadas, ouvidas e apoiadas em nossas decisões. Há muita coisa envolvida, muito mais do que um sistema padrão de saúde consiga traduzir em números e estatísticas. As mulheres que estão por detrás desses índices precisam ficar em evidência. Só assim a mudança pode acontecer. Parabéns por ser essa mulher incrível. Certeza que você e o Leo serão pais empenhados em oferecer o melhor de vocês à Bia. Uma família linda! Bjs

  127. Mariana    25/08/2015 - 19h34

    Lú,
    Parabéns pela sensibilidade do seu texto!
    É por isso que leio seu blog há tanto tempo (muitos anos!!!!)
    Me interesso pelos temas que você trabalha no blog e, como agora você está falando do tema do meu trabalho (sou obstetriz) fico muito feliz e queria falar tbm! Rsrs
    Queria poder ficar trocando ideias com você!
    Mas fica aqui o meu desejo para uma gestação tranquila e que a Bia venha na hora que estiver pronta ?
    O mais importante você já tem: amor, saúde e informação!
    Beijo grande e continue empoderada! ?

  128. Carlinha    25/08/2015 - 19h37

    Lú, parabéns pela valentia… de trocar de médico, de expor sua decisão para as leitoras e, principalmente, de ouvir e respeitar o que você está sentindo, pensando e querendo nesse estado tão único que é a gravidez! Eu te acompanho há muitos anos, nunca comentei, mas não poderia deixar de fazê-lo dessa vez, pois eu vivi algo semelhante na minha gravidez… Estava decidida a tentar um parto natural, mas como descobri um fator genético para trombofilia durante a gravidez, me faltou coragem para fazer o que meu coração mandava e não mudei de médico. Consegui meu parto normal, o que já me fez muito feliz, mas sofri sim outras violências obstétricas que não precisava. No momento não me senti desrespeitada, mas o que senti era que a minha opinião não importava, vários procedimentos que eu não queria, foram realizados sem nem mesmo me explicarem o porquê…e isso para mim é sim desrespeito, em especial quando estamos falando do meu corpo, do meu filho, da coisa mais importante da minha vida! Das 12 horas de trabalho de parto, só estive anestesiada na última 1h30, não porque eu queria, mas porque minha medica (da época) não faria meu parto sem episotomia. No meu próximo parto, estou decidida a viver o que eu sempre quis (é claro, se for possível) e vou procurar também uma equipe que possa me acompanhar de forma mais humana.

    Sobre a dor do trabalho de parto, observei que me preparar para a dor foi importante, pois quando as contrações começaram, eu senti, mais do que dor, alegria, pois era o sinal de que meu bebê estava chegando. Não acho que tem como comparar dor do parto com nenhuma outra dor, pois é a única dor com carga positiva que conheço! Eu já sofri um aborto espontâneo, e por mais que racionalmente a dor seja semelhante à dor das contrações do parto, é completamente diferente! No aborto, eu sofri a dor, no parto, eu a recebi, pois ela me trouxe o meu filho e, intuo eu, parte da força que surge na mulher quando se torna mãe.

    Concordo plenamente com você… Não tem sentido radicalismos de um lado ou do outro. Cada mulher é uma, cada parto é um, e mais do que ser ativista de uma causa, o importante é defendermos a verdade, a informação, a liberdade de cada uma de escolher o que quer viver (quando possível, claro!) e de ser apoiada com carinho nesse momento que deve ser vivido de forma sublime. Algumas vão tolerar bem a dor, outras vão preferir a anestesia, outras ainda, infelizmente, não poderão optar, mas terão a alegria de receber seus bebês sem complicações maiores graças à cesárea.

    Parabéns mais uma vez! Que tudo corra bem e que a Bia venha com muita saúde!

  129. Monika    25/08/2015 - 23h13

    Eu acho que a escolha do tipo de parto deve pertencer à mulher, independente se a taxa das cesáreas for indicada para abaixo dos 15% ou não. Se 90% das mulheres preferem cesáreas, não é o direito de ninguém impor outro tipo de parto.

    • Graziela Silva    26/08/2015 - 15h27

      Monika, não é verdade que 90% das mulheres preferem cesáreas. Há pesquisas realizadas indicando que a grande maioria das gestantes brasileiras no início da gravidez prefere o parto normal. Elas mudam de opinião ao longo do caminho em grande parte induzidas pelo profissional que está realizando o pré-natal. E não se trata de impor uma opção. O que está se discutindo hoje é o padrão dos atendimentos e a realização, sem necessidade, de cirurgias de médio porte, com riscos para mãe e o bebê. Não sei a sua opinião, mas eu tenho pensado se não fere a ética profissional propor o agendamento de uma cesárea. Afinal, há riscos reais de prematuridade para o bebê (e os médicos sabem disso). Sim, há mulheres que querem fazer cesárea, e é um direito delas. Inclusive a humanização do parto que tanto se fala tem muito a ver com o respeito às escolhas e desejos da mãe, ao protagonismo dela nesse momento.

    • Lou    26/08/2015 - 15h29

      Ai que está o problema, 90% das mulheres não preferem a cesárea, isso é uma certeza.
      A mulher deve poder escolher o parto? sim
      PORÉM com conhecimento e tendo o seu momento respeitado.
      Impor um procedimento por pura comodidade do médico é SUPER ERRADO! Antietico, chega a ser desumano. A violência nos partos é real.
      A cesárea é um procedimento de urgência, foi implementado como uma alternativa -não uma regra – ai que mora o perigo.
      Beijos!

  130. Camila Batista    26/08/2015 - 00h20

    Lu!
    Parabéns pela sensatez. Sou psicóloga, trabalho em uma maternidade do SUS e vejo cotidianamente como fica forte uma mulher que tem uma experiência de parto respeitosa, ativa e afetiva. Escuto relatos maravilhosos de como a experiência de protagonizar o proprio parto produz uma série de recursos psíquicos que auxiliam as mulheres nos desafios da maternagem. Quem pode e dá conta de remar contra a corrente e se apropriar das escolhas diante do próprio corpo e saúde se empodera e se sente corajosa para enfrentar as dificuldades de ser mulher e mãe. Acho muito bacana da sua parte falar de questões da sua intimidade, mas que podem ser inspiração pra tanta gente. Parabéns por jogar luz naquilo que insiste em se manter encoberto. Quanto mais gente, mais força pra encarar todos esses dispositivos de controle, machismo e mercantilismo nas relações de cuidado. Que Deus abençoe a sua hora, do Léo e da Bia!

  131. Mirjam    26/08/2015 - 10h48

    Lu, bom dia!
    Sou de São Paulo e acompanho seus posts sobre gravidez desde o começo.
    Estou com quase 13 semanas e me lembro de também ter pesquisado o indice do meu GO sobre normal x cesárias e no site do plano apareceu que o meu tem 100% de cesárias.
    Entrei em choque também.
    Tenho consulta com ele na sexta agora e não sei se falo com ele sobre isso, pois o que está no site do plano ja está mais do que esclarecedor, ou se ‘abandono’ ele e procuro outra pessoa que seja a favor do parto humanizado (em hospital).
    Qual seria sua dica? Antes de trocar você chegou a desabafar com sua medica de que ela não segue a linha que você gostaria de seguir?
    Estou exatamente nesse mesmo dilema e não sei o que fazer. Não sei nem onde começar a procurar por outro medico.
    Espero ansiosamente por sua resposta!
    Grande beijo

    • Lu Ferreira    26/08/2015 - 23h46

      O que eu fiz quando fiquei sabendo do índice foi meio que dar uma chance pra médica “se explicar”, digamos assim. Não mencionei o índice, mas perguntei tuuuudo sobre parto, deixando ela expor claramente sua postura. Depois disso marquei o outro médico (pesquisei principalmente em grupos de mães daqui até achar um que me parecesse bacana) e fui à primeira consulta. No dia seguinte pensei e decidi trocar. Liguei no consultório da primeira, informei que gostaria de desmarcar as consultas restantes e fim. Não senti necessidade de explicar nada, é uma decisão totalmente pessoal, minha, não diz respeito a ninguém, nem ao médico ‘trocado’! Boa sorte! Espero que encontre alguém com quem se identifique =) Bjs!

    • Fernanda    28/08/2015 - 20h06

      Oi mirjam, sou médica e há sete meses ganhei meu filho de parto normal. Se vc quer ter um parto normal, mude de médico, independente de qualquer coisa. Procure por um com mais experiencia. se o seu médico tem a taxa de 100% de cesárea, ele provavelmente não saberá intervir se precisar realizar alguma manobra de urgência durante o parto.

  132. Thais Mattos    26/08/2015 - 12h00

    Lu, que texto bacana!!! Você foi muito corajosa em ter trocado de médica já com 24 semanas! Eu também fiz isso na minha primeira gravidez, só que foi logo na primeira consulta, quando descobri a gravidez! rssr inha uma médica que me acompanhava há anos, mas não senti nela a segurança que precisava para ter meu primeiro filho. Troquei, e foi a melhor coisa que fiz na minha vida!! Tive meus dois filhos com a Dra. Maria Inês, que hoje, é mais que minha médica querida, é uma amiga! Espero que você tenha a mesma sorte e que a Bia venha ao mundo da maneira mais feliz possível!! Um grande beijo!!!

  133. Vanessa    26/08/2015 - 16h51

    Vou seguir dizendo que não é de hoje que eu gosto de você…e agora mais ainda. Você foi cristalina como se deve ser, não levantou uma bandeira (até porque nem você tem uma ainda) mas explicou que a melhor forma de decidir é se informar. Estou no mesmo caminho..grávida na minha 11º semana procurando entender melhor tudo isso e procurando a melhor equipe para me atender neste momento tão especial.

    Obrigada por concretizar ainda mais a sensação que eu tenho…adoro ler seu blog e ainda mais acompanhar seus posts. Sua sinceridade realmente aquece alguns corações.

  134. Bruna    26/08/2015 - 17h30

    Lu… Primeiramente, parabéns pela gravidez!

    Sou mamãe fresca! Rs… Minha filha tem apenas 1 mês e nasceu de parto natural, sem anestesia ou intervenções, ao som de Lenine (Paciência) e veio direto para os meus braços. Foi lindo, mágico. Uma experiência inexplicável para mim e para meu marido.

    Acredito que o fato de você estar buscando profissionais que estejam alinhados com as suas vontades e pensamentos irá ajudar muito a alcancar seu objetivo. Também, se prepare ao máximo lendo sobre a parte fisiológica e psíquica para estar pronta e não se assustar com as dores e o mundo da partolândia que entrará.
    Recomendo que leia o livro ‘Parto ativo’ e vou deixar aqui uns links bem legais que a minha doula recomendou:

    – Parto
    http://www.gvinculo.com.br/2013/04/fisiologia-do-parto.html?m=1

    – Procedimentos no recém-nascido
    http://www.gvinculo.com.br/2013/04/recepcao-humanizada-ao-recem-nascido.html?m=1

    – Plano de parto (praticamente quero seguir esse modelo)
    http://www.renataolah.com.br/2014/09/exempls-de-plano-de-parto.html?m=1

    – Amamentação – benefícios
    http://www.gvinculo.com.br/2014/02/vantagens-da-amamentacao-para-o.html?m=1

    – Baby blues e depressão pós parto
    http://www.gvinculo.com.br/2013/07/baby-blues-e-depressao-pos-parto.html?m=1

    – Dicas para os pais:
    http://familia.com.br/casamento/10-coisas-que-os-homens-precisam-saber-depois-que-a-mulher-vira-mae

    – Criança exigente
    http://www.roteirokids.com.br/maternidade-alerta/crianca-high-needs-baby/

    Espero que tenha ajudado em algo e que tenha um parto lindo, do jeito que deseja!

    Tudo de bom pra vcs e curta muito o barrigão!

  135. Thaís    26/08/2015 - 17h35

    Lu, nunca comento em blog nenhum, mas vi seu texto e não pude deixar de comentar.
    Sou estudante de medicina (formo no fim do ano que vem) e acho sim que a decisão do parto deve ser da mulher. No meu caso, particularmente, jamais faria um parto vaginal, pelas coisas que já vi.
    O meu medo atualmente é de que o parto normal comece a ser imposição ao invés de escolha. No momento, o SUS obriga a paciente a ter um parto normal, mesmo se ela pedir a cesárea.
    Acho que humanização de verdade é respeitar a escolha da futura mamãe, seja pelo parto normal ou pela cesárea.
    E se a sua médica indicar a cesárea na hora do parto não fique triste. O importante é que você e a Bia estejam em casa, felizes e saudáveis.
    Um beijão e muita saúde para as duas

  136. Amanda Tavares    26/08/2015 - 21h46

    Oi, Lu!
    Li seu posto e você está certíssima em suas palavras. Antes de tudo, você tem que estar segura. Eu sou mãe de dois, minhas gestações foram completamente diferentes uma da outra. Na primeira estava toda de medos e receios comuns as grávidas de primeira viagem. Meu primeiro parto foi normal, a bolsa rompeu em casa, cheguei a maternidade com 6 cm de dilatação, mas o meu obstetra preferiu me anestesiar, pois não acreditava que meu filho nasceria por parto normal.
    Já a segunda gestação, foi tranquila até o quinto mês! D e pois meu filho teve que ir pra urgência, uti infantil, cirurgias… enfim, quase não curti minha segunda gravidez, foram os 4 meses de luta e pensamentos e forças voltadas ao primogênito. Graças a Deus correu tudo bem, quando Gabriel recebeu alta, dois dias depois nasceu minha princesa. O trabalho de parto de Giovanna foi completamente diferente senti minha barriga levemente endurecer e tinha um leve desconforto… Lu, liguei para a obstetra que já diferente do que fez o meu parto, e ela me mandou ir para o consultório. Eu achava tudo estranho, sabia que tinha algo acontecendo… mas não sabia o quê! Até porque dois dias antes a médica falou que era para o fim de setembro e estávamos no 6°dia de setembro.
    Tomei banho para ir para a consulta, e já era muito desconfortável as dores… sentei na cama e logo me deitei não sentia ter forças para mais nenhum passo. E eu falava pro meu marido que não conseguiria me levantar e Giovanna nasceria ali na nossa cama… e assim foi, Giovanna nasceu no nosso quarto. Apenas, Deus controlando a situação, meu esposo e meu filho.
    Te contei tudo isso, para que saiba que você saberá o melhor para você e sua família e Deus guiará e guardará você e sua família! Não se aflija, se cuide e curta muito esse momento que passa muito rápido e sinta-se segura… você, Leo e Bia é o que mais importa!
    Seja feliz, saúde! E que Bia venha com muita saúde e em paz!

  137. Flavia    26/08/2015 - 22h55

    Infelizmente escuto muitos casos de gravidas que mudam de médico pois descobrem que o médico “prefere” cesaria.
    Moro em BH a pouco mais de 3 anos e eu e meu marido já estamos pensando em ter um bebê, porém sempre digo a ele que antes de engravidar preciso achar um médico que confie e acredite.
    Hoje vejo que além de procurar por um médico que julgue ser a cesariana uma segunda opção, procuro também um médico que me respeito como pessoa. O último ginecologista que fui atrasou minha consulta em 3 horas e ainda passaram uma pessoa na minha frente. Total falta de respeito.

    • Fernanda    28/08/2015 - 20h19

      Quem sabe o médico atrasou porque ele estava acompanhando uma mãe em trabalho de parto?!
      Desconfie daqueles que sempre estão no horário e não desmarcam nunca as consultas, já que parto não tem hora pra acontecer e cesariana sim!

  138. Janaina    27/08/2015 - 00h43

    Lu, que texto maravilhoso!
    Tenho certeza que você conseguiu atingir positivamente muitas mulheres.
    Eu pretendo começar as tentativas no final do ano e gostaria de um médico que respeitasse verdadeiramente minha preferência pelo parto normal e queria alguém em quem eu pudesse confiar cegamente se me dissesse que, naquele monento, eu teria que fazer cesárea.
    Vai servir de exemplo pra mim no futuro, se eu achar que a minha médica não é a adequada para mim.
    Um grande beijo!

  139. Gabriela    27/08/2015 - 05h03

    Boa noite lu, sou uma leitora assídua! Adoro seus posts e vídeos. Eu acredito demais no parto normal. Esse seu post só prova que estamos passando por uma mudança de pensamento das pessoas, o que é muito bom. Há alguns anos era raro, pra não dizer praticamente impossível, ouvir alguém dizendo que prefere o parto normal. Mas graças a Deus, o cenário está mudando e as próprias pacientes estão questionando isso. Também gostaria de mencionar minha admiração por você não ter citado os nomes dos profissionais. Mas queria só lhe fazer uma pergunta, você vai fazer seu parto pelo plano de saúde? Pagou/pagará algo a mais por ele?

  140. Gabriela Lopes    27/08/2015 - 13h26

    Lu, parabéns pela sua escolha e coragem, acho que o mais importante de tudo é se sentir segura e ter confiança. Apesar de ainda não ser mãe, lendo a sua história, lembro do que aconteceu com a minha mãe há 27 anos, quando ela estava grávida do meu irmão, ela completou 39 semanas, começou a sentir as dores do parto e foi pro hospital, chegando lá, ela estava quase pronta pra ter um parto normal, com 8 cm de dilatação, e o médico, que naquela época o atendimento era particular, ofereceu uma cesárea pra ela, e ela mãe de primeira viagem, sentindo muita dor, acabou aceitando. Depois ela percebeu que o que o médico não fez o que era melhor pra ela, e sim pra ele, ne? $$$ Que tudo corra bem com vocês e a sua bebê venha com muita saúde!

  141. Pedro    27/08/2015 - 15h24

    Lu, há algum tempo não entro em seu blog. Parabéns pela oportunidade que a vida tem lhe dado em ser mãe.
    Eu e minha esposa passamos pela mesma coisa que você mas a nossa mudança de médico foi um pouco mais tardia pois ainda tínhamos a esperança de ter nossa filha em uma casa de parto, mas como minha esposa está com diabetes gestacional, a casa não aceita casos de risco.
    Eu sou mais shiita que minha esposa (eu gostaria de fazer o parto em casa), nossa médica antiga faz parto normal mas ficamos inseguros se jogaria limpo ou não na hora de querer fazer alguma intervenção por isso, optamos em ir atrás de uma equipe humanizada. Se acaso chegar na hora e a médica falar que já tentamos de tudo e será necessário uma cesárea, ótimo que ela existe e dessa vez sabemos que ela falará a verdade pois o parto normal, de acordo com referências que busquei, é a linha principal dela.
    Só um detalhe, caso o parto normal não dê certo e tenha de ser uma cesárea, pode ser uma grande frustração isso e pode pesar no seu pós-parto, ou seja, deixe rolar que a vida escolherá o que for melhor pra ti!
    Mais uma vez, parabéns!!

  142. Jéssica Mota    27/08/2015 - 19h43

    Lu, acompanho seu blog faz algum tempo e fiquei super feliz com o anúncio da chegada da Bia!
    Em seu último vídeo, vi seu depoimento sobre a posição do Parto Normal, e achei interessante compartilhar uma coisa com vocês (é lógico que o papai Léo faz parte, hahahaha).
    Bom, sou estudante de Enfermagem e tenho um amor imensurável pela área de obstetrícia e partos naturais. Por isso, participo de uma série de congressos e palestras sobre o assunto.
    Hoje venho compartilhar algo que pode ser fonte de esclarecimento sobre muitas questões em relação ao parto natural e humanizado.
    Nos dia 10 a 16 de SETEMBRO, acontecerá um Congresso Online, gratuito, chamado NASCER MELHOR. Haverá uma reunião de renomados Doutores no assusto, que irão dar uma belíssima aula sobre o espetáculo do nascer.
    Assim que vi a oportunidade, lembrei de vocês. Espero que se deliciem com as palestras. É algo encantador!
    Convido todas as mamães e futuras mamães para também participarem.
    Segue o link a baixo:
    http://nascermelhor.com.br/congresso-online-nascimento-natural-e-humanizado?bv=5928375470260224

    Um super beijo!

  143. clara    27/08/2015 - 20h05

    lu, parabéns pelo post! te admiro ainda mais por compartilhar uma opinião que sobretudo é muito respeitosa com todas as outras mulheres e opções possíveis. a primeira vez que fiquei grávida sempre soube que eu queria normal, concordo com os argumentos das militantes do parto humanizado. mas em meio aos sentimentos em que eu estava na gravidez eu tinha muita clareza que se qualquer mulher chegasse pra me dizer que queria uma cesárea agendada, eu respeitaria profundamente. essa é uma escolha muito íntima e nós, gestantes, ficamos frágeis nesse momento… o que se pode fazer é respeitar o outro e propagar informação. :)

  144. Fernanda    27/08/2015 - 20h59

    Meu Deus, que decisão e postura maravilhosas! Muito bom saber que uma pessoa formadora de opinião e que sabe que as pessoas valorizam o que ela fala se põe dessa maneira, enfrenta o que a sociedade vem impondo e lutando pela sua vontade, crença.
    Independete de como chegue ao mundo, Bia já é muito abençoada por ter essa família que tem.

    Parabéns, lu! Mais e mais feliz por seguir e acompanhar o blogs de alguém como vc!

    • Lu Ferreira    28/08/2015 - 11h06

      Ca, li o texto! Concordo com muita coisa, mas achei SUPER preconceituoso =(

    • Ca    28/08/2015 - 13h12

      Que pena Lu ! Achei tao legal…mas pq examente preconceituoso?
      Acredito que seja uma visao mais tecnica , de pessoas que vivem isso no dia a dia e percebem que alguns argumentos estao sendo usados de maneira equivocada.
      achei importante o enfoque no nascimento , dentro de uma estrutura que atenda a mae e bebe , de maneira segura…
      Acho que o texto tem um ponto de vista diferente do que tenho lido na net.
      Achei valido mostrar aqui.
      beijos pa vc e pra bia!

    • Lu Ferreira    28/08/2015 - 13h24

      Vou colocar algumas aspas do que achei preconceituoso:

      “E um parto que você vá dar conta” – falar em mulher DAR CONTA me faz querer socar as pessoas. Dar conta?? Fui feita pra isso oras!

      “Será que qualquer um pode, sem esforço, fazer o papel de médico que dedicam a sua vida ao estudo e à prática da saúde? Será que a obstetrícia é uma área de conhecimento tão óbvia que qualquer um, sem o menor preparo, pode praticar?” – como se quem busca o parto humanizado não quisesse médico ou como se enfermeiras obstetrizes não fossem treinadas

      “Os defensores do “parto humanizado” imaginam que trocar assistência e recursos de ponta pelo improviso e pela boa vontade desinstrumentalizada significa ser mais humano.”- Hum, NÃO

      “Abrir mão desses recursos é considerar que morrer no parto também é um evento natural”- como se a cesárea zerasse o risco de morte para mãe e bebê

      “E, apesar disso, há quem aplauda. Enquanto isso, médicos e enfermeiros se dedicam a estudar e a salvar vidas, em silêncio, todos os dias.” Todos santos…

      Enfim, a autora é médica e obviamente se irrita com o papo de parto humanizado. Eu concordo com muita coisa que ela fala (tanto que meu parto está previsto para um hospital completo, com equipe médica e inclusive anestesia), mas discordo quando ela tenta colocar o parto humanizado como retrocesso, questiona escolhas da mulher (se ela não quiser anestesia o problema é de quem? Ah é, da mulher né?) e coloca médicos como os queridões quando na realidade a gente sabe que o índice de cesáreas alto também tem origem no consultório.

      Eu comecei lendo o texto concordando e depois fiquei com antipatia, sabe? Mas ela tem sim pontos válidos, a gente tem sempre que ler as coisas criticamente, né? Bjo!

    • Carlinha    29/08/2015 - 20h38

      Além do que a Lu já destacou, também são totalmente questionáveis (pra não dizer absurdas) as seguintes afirmativas feitas pela médica que escreveu o texto:

      “o parto é um evento médico” – Ah?? Então antes da medicina, como é mesmo que as pessoas chegavam ao mundo?? Como é absurdo isso, a própria médica se contradiz e diz mais a frente que o parto é um evento natural…

      “quem faz questão de sentir dor para se sentir mais mulher, realmente não precisa de obstetra – precisa de terapia” – Bom, se há a possibilidade de optar pela anestesia, porque a mulher não pode optar por não ser anestesiada e viver esse momento do jeito mais natural possível? Preconceituoso julgamento…

      “A mãe está ali, tanto quanto o pai, tanto quanto a equipe médica, para fazer todo o possível para que aquela nova vida chegue da melhor maneira possível ao mundo. O bebê não é um mero coadjuvante do momento maior da vida da sua mãe – é exatamente o contrário.” – Ah??? É claro que o bebê não é mero coadjuvante, mas dizer que a mulher o é, chega a ser ridículo. Uma pessoa que fala algo assim, realmente, nunca, nunca mesmo gerou e pariu um bebê… Mas não precisa viver pra perceber não… a própria natureza prova inúmeras vezes que o papel da mulher na gestação e nascimento de uma nova vida é único… Como assim comparar o papel da mulher no momento do parto com o do pai, e, pior, da equipe médica??? É possível parto sem médico e sem pai (embora o ideal seja ter ambos presentes), mas não conheço parto sem mãe! hahahaha esse só rindo mesmo!

      “Portanto, escolha o tipo de parto que você deseja.” – Infelizmente, isso não é realidade na grande maioria dos consultórios obstétricos! Não há espaço pra escolha, ou pelo menos ela não é dada a mulher…

      Há pontos muito válidos no que a médica escreveu, mas realmente ela se deixou irritar muito com as ativistas radicais do parto humanizado e perdeu a razão.

      É claro que a cesárea pode ser humanizada, tanto quanto o parto normal, ou natural… não é a via a que humaniza, mas sim o respeito à opinião e ao querer da mulher, e, claro, atendendo a todos os aspectos necessários para a segurança e bem estar do bebê e da mãe. Querer ter sua vontade respeitada não é símbolo de afirmação ou ego, é um mínimo de dignidade humana.

    • Beatriz    21/09/2015 - 18h08

      Finalmente um pouco de bom senso… O centro dessa discussão está deslocado e as mulheres precisam entender que a modalidade de parto não é uma escolha delas. A escolha é do médico e o critério é a segurança. Se você não confia no seu médico, isso é um outro problema.

      A propósito, não são todas as mulheres que dão conta de parir pela via natural. Sabe o que acontecia com essas mulheres antes do advento da cesariana? Elas morriam. De parto. A cesariana dá uma chance de parto bem sucedido a partos que seriam desastrosos pela via natural.

      E não, também não é qualquer pessoa que tem vocação para ser obstetra. Meu pai ia de mala para o hospital quando suas pacientes entravam em trabalho de parto e só voltava para casa quando mãe e bebê estivessem estáveis. Quantas pessoas estão dispostas a isso?

  145. Cristine    28/08/2015 - 13h22

    Que texto coerente, sigo várias blogueiras mas quando estão grávidas ou gestando, não leio sobre assuntos relacionados a parto, pelo fato de serem inconsistentes em suas opiniões. Você está de parabéns, foi humilde e inteligente nas palavras. Outro ponto que também não falam é a questão de amamentação, outro assunto a se pesquisar, pois o sucesso ao amamentar é consequência de uma mãe confiante e informada. Sucesso na carreira, e que esse pequeno anjo venha com muita saúde e paz.

  146. Ana Thaís Aguiar    28/08/2015 - 17h21

    Oi, Lu! Queria dizer que amo o seu blog e a maneira como você escreve! Eu sou estudante de Medicina e após ler seu post fiquei com vontade de comentá-lo! Assim como você, também sou muito a favor do parto normal, pois é mais natural, mais saudável para mãe e bebê e o tempo de recuperação é menor. Gostaria de falar um pouco o lado dos médicos, um lado que poucas pacientes entendem. O parto normal não é estimulado no Brasil, os planos de saúde pagam muito (muito mesmo) mal por um parto normal, fora que o médico precisa acompanhar a grávida durante todo o período de parto (o que pode levar mais de 12 horas), fato que o faz perder um dia inteiro de consultório para, no final das contas, ganhar muito menos do que ele ganharia numa consulta. O importante é encontrar um médico que se adeque ao que você deseja e fico feliz por você ter encontrado o seu! Espero que a Bia venha linda e cheia de saúde, e que seu parto, seja ele qual for, seja o mais tranquilo possível! Beijos

    • Lu Ferreira    28/08/2015 - 18h12

      Ana, eu acho super injusto a maneira como os médicos são remunerados pelos panos de saúde nesse caso. Mais horas de trabalho deveriam significar mais dinheiro, definitivamente!
      Porém jamais irei concordar com um profissional indicar uma cesárea desnecessária para suas pacientes por conta disso. Se acha o valor do plano injusto, não aceite o plano ué! essa questão não tem nada a ver com as pacientes, é algo que o médico deve resolver com o plano. Indicar uma cirurgia quando esta não é necessária é anti ético e fazer isso por dinheiro só torna a questão ainda pior, né?
      Bjos!

  147. Gabriela    28/08/2015 - 22h06

    Eu troquei de medico na 38 semana!!! Cismei que a medica com quem estava me atendendo me induziria a uma cesarea… No fim das contas tive o parto normal que sempre quis, com anestesia e no hospital. Pra mim, foi o parto perfeito! Mas tambem super respeito quem quer cesarea ou mais ainda, quando ela eh usada para salvar vidas. So nao respeito medicos que na hora H vem com a historia de que a mulher nao esta dilatando. Eh muita falta de respeito! Parabens pela sua decisao. Seja qual for o parto que voce tiver, voce tera certeza que eh o melhor para vc e seu bebe :)

  148. Vanessa    29/08/2015 - 02h19

    Oi Lu!
    Hoje fala-se tanto de parto humanizado como sendo somente o normal. Há também humanização na cesária. Os dois possuem prós e contras. O mais importante de tudo é sentir-se segura e confiante com o médico escolhido. Que os dois, mãe e médico, decidam juntos o que é melhor pro bebê. É um momento tão importante na vida da mulher que não pode ser “manchado” por qualquer trauma.
    Que o seu parto seja lindo, seja por qual meio for!
    E você esta uma graça grávida.

    Bjo

  149. Caroline    01/09/2015 - 21h56

    Ola Lu,

    voce ja recebeu inumeros recadinhos, pensei: pra que mais um falando talvez a mesma coisa de outros? Eh porque de certa forma, a gente se sente como se pudesse falar algo e acrescentar. Voce deu o espaco ao postar sobre sua inquietacao, entao:

    eh bom quando a gente segue o coracao e vai em frente. Como sua intuicao te dizia que era uma menininha e continue ouvindo seu coracao. Na hora de escolher quem voce quer te acompanhando. Na hora do parto. A gente como mulher tem a liberdade do poder da escolha sim, a gente quer o nosso bem e do bebe. Mas na hora do parto seu corpo e o bebe serao decisivos…

    Tente ficar serena. Claro, a gente busca informacao, a gente quer cercar todas as possibilidades e se cercar de seguranca. Mas na hora eh o corpo quem trabalha…

    Tive duas experiencias distintas: queria tambem um parto natural, porque, como voce, acredito que a natureza eh sabia e tudo acontece da forma que tem que ser. Nao gosto muito de dogmas e a gente ta tao cercada deles… Nada eh tao imposivel e definitivo nessa vida, ainda bem!

    Minha primeira teve que ser uma cesarea de emergencia pois tive pre-eclampsia no finzinho de uma gravidez otima que levou a um descolamento de placenta. Por forca da sorte e da protecao, o coagulo estancou o sangramento e as duas ficaram muito bem. Hoje ela tem 3 anos! :) E meu segundo veio de parto natural, em menos de dois anos da cesarea (o que muitos medicos ai dizem ser perigoso), mais de 10 dias depois da data estimada. Claro, quando chega a data a gente fica ansiosa. Depois de uma semana, comecei a fazer muitas coisas pra ver se ele queria vir pra fora, mas nada… fiz caminhada quase correndo, entrei em banheira quietinha, passei olinhos… (ah e so pra falar, andei de bicicleta ate os 7 meses mais ou menos, parei quando vi que a chance de cair era maior, mas aqui onde moro a gente ve muitos barrigoes bicicletando). E ele vem tambem muito bem, saudavel e hoje ta com 1 ano e 7 meses. E te falo que a experiencia do parto natural, da gente sentindo a mudanca concreta do corpo e da participacao mais ativa do parto eh mesmo muito emocionante e inesquecivel. Adoro ficar relembrando o momento que vi ele saindo… hahaha Eh esquisito falar assim, mas eh mo legal mesmo! :)

    Enfim, contei tudo isso, so pra te desejar tranquilidade e dizer, mais uma vez, pra voce confiar em voce. Eh bom parar, respirar, se escutar e se conhecer pra tomar a decisao que for. Pra gente decidir e o coracao ficar em paz.

    Li o livro Renascimento do Parto. Eh mesmo maravilhoso. Todo dia, depois de um pouco de leitura ja queria passar pela experiencia. A gente fica imaginando como sera, o que vira, ne…

    Um beijo pros tres e tudo de bom!

  150. Eliana    04/09/2015 - 13h56

    Lu,
    Aconteceu EXATAMENTE a mesma coisa comigo. Eu tinha um médico ginecologista desde os 17 anos e, quando estava grávida, além de ele demonstrar ser totalmente CONTRA O PARTO NORMAL, ele me informou que, mesmo com o plano de saúde, eu deveria PAGAR O PARTO ANTECIPADAMENTE, já me avisando que, caso não conseguisse chegar até o hospital para acompanhar o meu parto, eu seria atendida pelo obstetra de plantão (Minha DPP era para 20/12, ou seja, próximo do Natal).
    Tudo isso aconteceu quando eu já estava com 26 semanas de gravidez. Por acaso, na hora do meu almoço encontrei outra grávida que puxou assunto comigo e me apresentou o meu obstetra atual, que é ÓTIMO, super a favor do parto normal. Há 4 anos, tive o meu filho com ele e há 11 meses, veio a minha filha. Ambos os partos foram normais. Deu tudo certo, continuo meu acompanhamento anual de rotina com ele e não me arrependo de nada do que fiz.
    Beijos.

    • Laura Moura    12/10/2015 - 18h48

      Qual o nome desse médico com quem vc teve os bebês?

  151. Tamyres Palma Zimmer    07/09/2015 - 17h35

    Lu, nem sei como te elogiar. Parabéns pela coragem de procurar um novo médico, já nesta etapa da gravidez. Que sorte que você fez esta pesquisa e que conseguiu se livrar das garras do sistema obstétrico brasileiro, que é terrível.

    Bom parto, Lu. Seja ela normal ou cesárea, que a Bia venha no tempo certo, quando ela estiver pronta. E que você e o Leo consigam lidar com a ansiedade e medos que surgem nesta fase.

    Se ainda não conhece, acesse o blog Paizinho vírgula. ( http://paizinhovirgula.com/). Aprendi muito lendo ali. E tem vários relatos de parto e intervenções desnecessárias do obstetra e de pediatras. Isso empodera e ajudará vocês a terem argumentos SE alguma coisa sair diferente do que vocês querem.

    No mais, saúde e alegria.
    Beijos.

  152. Murielly    09/09/2015 - 11h34

    Uma dica não fique pensando nisso, eu falo porque sou mãe de uma menina de 6 anos e tive a cesaria e posso te dizer que foi superrr tranquilo minha cesaria nem dá pra ver e digo mais se tivesse outro filho eu optaria por cesaria de novo no meu caso não houve dilatação por isso tive que fazer cesaria por isso te falo não fique pensando nisso porque em gente que até paga pra ter cesaria e posso te dizer são MUITASSSS e outras são assim como eu não teve dilatação ou algum problema decorrente talves seja por isso que sua médica teve esse % tão grande. mas pode ter certeza de uma coisa se seu bebe estiver encaixado certinho pode ter certeza vai ser parto normal até porque que médico não quer ganhar um abono R$ por não ter feito cezaria?? Todos os médicos fazem isso ele te deixam no soro pra tentar induzir o parto normal é só se não tiver jeito mesmo ai faz cesaria ou as pessoas que pagam claro. rsrsrsrsrs

  153. Amanda    05/10/2015 - 19h25

    Oi Lu! Seu médico é de BH né? Qual o nome dele? Beijos!

  154. Juliana    09/10/2015 - 15h47

    Oi Lu,
    Só agora que vi o seu texto e passei para dar o meu apoio!
    Na minha gravidez fui a 5 médicas! CINCO! E sei exatamente sobre o que vc está falando sobre, digamos, a forma tradicional da sua médica antiga enxergar o parto!
    Dentre as médicas que fui, uma delas era inclusive natural demais para mim. Eu só queria um parto respeitoso. Eu só queria ser ativa naquele momento. Consegui chegar na anja que fez o meu parto com 7 meses.
    Mas o destino reservou que a minha filha ficaria pélvica e ai juntamente com a médica que eu já confiava e me identificava resolvemos fazer uma cesárea. Entrei em TP, minha filha mamou assim que nasceu e apesar de ter saído diferente do que estava programado por mim, foi estremamente respeitoso e também o momento mais lindo da minha vida!!!!
    Nós mulheres, mais do que normal ou cesárea, precisamos é de respeito e empoderamento!!!!

    Boa sorte no parto! Seja bem vinda a mamãelandia! : )

  155. Suzana    18/10/2015 - 17h04

    Nossa lu, estava na mesma situação que você, fui na confiança de que por ser minha ginecolocista desde os 13 anos ela seria a melhor para minha filha. Ouvi cada grosseria como se eu não fosse capaz de parir por estar acima do peso, mesmo cuidando da alimentação desde o início da gestação(gestação “surpresa” pois tive medo de anticoncepcionais depois de ter uma convulsão por conta de um), mas fiquei decidida a mudar de gineco. Achei uma perfeita para mim, que esclarece minhas dúvidas, e é “humanizada”. Ainda estou com 21 semanas, mas tenho a paz no coração de que se for normal ou cesárea, serei respeitada, estarei tranquila e confiando na equipe a minha volta para um momento tão especial que é dar a luz. A propósito, “te conheci” através dos diários de gravidez. Amo cada um que sai! Desejo o melhor para a sua família!

  156. Paula    08/12/2015 - 15h48

    Acho interessante esse debate sobre o tipo de parto, mas não gosto de defensores cegos do chamado parto humanizado, sem levar em consideração todo o cenário… tive um bebê em março desse ano, mas, desde o terceiro mês de gestação, soube que ele tinha trissomia do cromossomo 22, que é uma condição genética, e, segundo os médicos, essa condição seguiria naturalmente para o aborto. Isso não aconteceu. Minha gestação continuou até o fim. Minha cesarea estava marcada para dois dias antes de completar quarenta semanas. Mas entrei em trabalho de parto antes disso. Ao ser examinada pela minha médica, essa constatou que eu já estava com sete centímetros de dilatação, mas, como o trabalho de parto é estressante ao bebê, este, por sua frágil condição, não havia sobrevivido. Assim, tive um natimorto de parto normal e não quero nunca mais passar por isso. Então, meu próximo bebê com certeza será de cesarea, porque pra mim, como mãe, não importa se a recuperação será difícil e sim que o bebê nasça bem. Qualquer bebê que tenha alguma doença cardíaca, por exemplo, pode vir a óbito em razão do parto. A cesarea não causa problemas ao bebê. E não são todas as mães que são acompanhadas por especialistas em medicina fetal, por exemplo, pra analisar detalhadamente o ultrasom. Então parto humanizado não é pra mim.

    • Lu Ferreira    08/12/2015 - 22h55

      Paula,
      Sinto muito pelo que aconteceu com você. Deve ter sido extremamente difícil e entendo sua lembrança ruim. Mas desculpe a franqueza: você não entendeu o que é parto humanizado. Parto humanizado não quer dizer parto normal, parto sem anestesia ou parto na água… Parto humanizado é o que respeita a mãe e o bebê. Qualquer pessoa séria que entenda a necessidade real de uma cesárea vai defendê-la, cesáreas tb podem ser humanizadas. A cesárea, como todo tipo de parto, tem riscos para a mãe e para o bebê. Parto humanizado é pra todo mundo, Paula, toda mãe e todo bebê merecem respeito.

  157. Sara    22/12/2015 - 12h41

    Lu qual seu médico novo estou em
    BH a procura de um

  158. Thais    05/01/2016 - 11h24

    Ei Lu parabéns pelo post.. Muito esclarecedor e transparente! Obrigada por nos informar de algo tão importante. Você poderia me informar como solicitou essa lista? Gostaria de saber também o índice de cesáreas da minha médica mas não sei como conseguir essa informação.. Muito obrigada :)

  159. Thais    05/01/2016 - 11h25

    Ah! Mais uma dúvida.. Se puder responder, gostaria de saber qual maternidade você ganhou a Bia. Estou pensando no Vila da Serra mas ainda assim tenho dúvida… Se puder me recomendar uma maternidade agradeceria :) um super beijo :**

  160. Ana    21/02/2016 - 20h11

    A gestação é o momento único na vida de uma mulher, fica registrado na memória e no coração, para sempre. Portanto quando se tratar do nascimento do bebê a mulher deve seguir seu instinto materno, numa gestação sem risco.

  161. Anna Beatriz Rodrigues    07/09/2016 - 15h09

    Oi!!!,eu nasci no dia 25 de novembro tbm,e meu nome é Anna BEATRIZ! destino?

E esse ângulo mágico que me deixou comprida?? Look da @canalconcept e foto mágica por @leocamposhorta 🖤 | publi
Mais sobre Família