Carregando...
Saúde e bem estar

Queda de cabelo na pandemia: O que fazer?

06.07.2021
Redação Chata de Galocha

Foram incontáveis as consequências que a pandemia trouxe para a nossa saúde mental e física. Umas bem graves e outras que, apesar de parecerem leves, podem ser formas do corpo manifestar algum desequilíbrio causado por esse momento de tanto stress. 

Já falamos aqui da acne da pandemia, e hoje vamos falar sobre a queda de cabelo. Você sentiu um aumento na perda de fios nos últimos meses? Conversamos com a dermatologista Celina Botelho para entender as causas e como evitar esses efeitos.

Ansiedade x queda

A ansiedade e o estresse causados pela pandemia geram um efeito chamado eflúvio telógeno, que é uma queda diária de mais fios que o esperado, geralmente autolimitada. Ele tem duração aproximada de 6 meses e pode impactar no volume final do cabelo, gerando mais preocupação, o que pode agravar ainda mais o quadro.

A dra. Celina explica que nos últimos tempos, as pessoas têm reparado mais na perda diária dos fios, mas muitas vezes esse é um quadro normal. Isso porque todo mundo perde, aproximadamente, de 100 a 120 fios todos os dias.

Quando devo me preocupar?

Segundo a especialista, a queda de cabelo deve começar a ser uma preocupação, quando há uma perda maior do que 120 dias diários, redução do volume, áreas de alopécia visíveis, inflamação ou descamação no couro cabeludo. 

Queda de cabelo x Covid-19

Já existem trabalhos que associam a infecção do Covid-19 a uma queda de cabelo mais intensa, principalmente em pacientes que tiveram febre. Esses estudos mostram que isso é decorrente do processo de reação do organismo ao vírus que serve como gatilho para desencadear o eflúvio telógeno que, quando agudo, tende a ser auto limitado. 

No entanto, a dermatologista explica que há eventos previamente conhecidos e que também estão associados a esta condição, como febre, pós-parto, infecção aguda, sinusite, pneumonia, gripe, dietas muito restritivas, doenças metabólicas ou infecciosas, cirurgias, especialmente a bariátrica, além do estresse e o uso de algumas medicações.

 

Tratamentos 

A médica tranquiliza quem tem observado esses sinais, já que na maior parte das vezes, não requer nenhuma intervenção. No entanto, “em alguns casos, podemos solicitar exames para diagnóstico diferencial. A partir daí, iniciamos tratamentos para suporte do fio como intradermoterapia, MMP, laser e até mesmo medicamentos orais podem ajudar”. 

Prevenção

Dra. Celina finaliza dizendo que não existe um produto mágico para prevenir essa condição. “O mais importante é o diagnóstico correto, controle do estresse e da ansiedade, uma alimentação equilibrada e cuidados com a saúde do fio, como hidratação. Mas, para indicar produto para queda, realmente precisa examinar caso a caso. Por isso, procure um dermatologista”.

Você já percebeu uma maior queda de fios durante a pandemia? Conta pra gente!

2 Comentários  |  Deixar Comentários

Comentários:
  1. Joice    07/07/2021 - 11h29

    Meu cabelo está com quedas constantes. Já agendei uma consulta para verificar o que pode ser.
    Bem interessante esse estudo de quedas capilares x pandemia.

  2. Jennyfer    08/07/2021 - 09h16

    Eu tive queda de cabelo pós covid, realmente eu tive muita febre (praticamente todos os dias)
    Era realmente assustador, meu cabelo nunca foi de cair aos tufos e ficar pela casa.
    Começou após 3 meses de contaminação e começou a voltar ao normal após 3 meses.
    Minha cabelereira recomendou ter paciência, me alimentar bem e ingerir bastante água, enquanto isso ir cuidando dos fios tbm.

    Foram meses bem chatinhos, mas passou e agora está tudo bem.

Mais sobre Saúde e bem estar